sábado, 27 de novembro de 2010

Kel Kelly: The Case for Legalizing Capitalism

Modernidade:





Marc Morano - Inconvenient Truth About Green Agenda

 
IPCC:

"... one must say clearly that we redistribute de facto the world's wealth by climate policy."

O filme

... é como ver-se o filme do livro que se escreveu ou se ajudou a escrever aqui no FI (e ainda por aí).

Portugal meteu-se no embuste levado por um grupo de luminárias de uma qualidade que pela "Europa" pulula.

A "Europa" convenceu-se que serial alguém se, perante o mundo, se apresentasse unida. Se se apresentasse como um todo e a falar a uma só voz. Se se tornasse uma espécie de EUA.

Mas esta "Europa", quem é? É uma elite bem "pensante". Uma elite que se acha detentora das boas virtudes sem as quais o mundo nunca poderá ser "O" mundo.

Mão à obra, cedo se alavancou na afirmação de que a democracia era o seu fiel de balança e cedo começou a ratificar comportamentos anti-democráticos carimbando-os de "modernidade alter cultural". Em paralelo, começando a sentir que o "seu povo" estava pouco virado para tão zenitais desígnios, começou a encanar os métodos democráticos: remeteu referendos ao calabouço; desenhou, em auto-gestão, tratados que reflectiam as crenças das luminárias; entrincheirou-se em pentágonos de burocracia sem mais-valia; inventou pelouros de louros próprios; manipulou as suas finanças de forma a "poder" financiar tudo e todos; debitou umas quantas tranças "sofisticadas" sobre as linhas como que outros se coziam; reclamou-se juíza em conflitos sobre os quais nada percebe nem tenciona perceber; reclamou-se disponível para intervenções armadas roendo a corda à primeira vertigem de bala na helicoidal; reclamou-se disponível para as correctas (desta vez) intervenções armadas roendo a corda antes de vestir a farda para a saltar; saltitou, baixinha, tentando impor as "boas regras" aos gigantes; esvaiu-se em auto-elogios de mundo da correcta e final regulamentação e do rumos ao perfeito futuro; declamou, alto e bom som, que as verbas que em todas as direcções fluíam não apenas provariam a justeza das "ideias" como as alicerçariam pelos resultados em prática; e ...

Começa o filme e tona-se óbvio a desnecessidade em aquecer a cadeira apara além do genérico inicial porque nele pululam as velhas luminárias da obsolescência. Todo o filme é sobre o podre, sobre o gripado. A baleia, de barriga para o ar, aguarda, impotente o arpão do primeiro zarolho.

A Alemanha assusta-se. Deve lembrar-se ainda e bem de quanto custa construir sobre ruínas. Os seus antigos oponentes, desconfiados e contemplando as cicatrizes das farpas que em momento de decisão lhe aplicaram à carapaça, suspiram de alivio por nunca terem embalado no grotesco Euro.

A América, a "retrógrada" da perfídia dos piqueniques de chá contra as novas energias do Irão, contempla a velha Europa. A boa América, a mulata, a encornada em Berlim e abandonada no Afeganistão, junta os cacos da marretada que, fresquinha, lhe foi aplicada pelos seus "reaccionários" votantes.

E entretanto na Índia, na Coreia do Sul, no oriente longínquo em geral, o mundo pula e avança face à estupefacção de vans rompuyadas em patéticas e desparasitantes tertúlias. Ah grande cavador da 'comprativa'.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Do conto do vigário para alunos das Novas Oportunidades



A OMM refere que, ao longo dos 10 mil anos anteriores à era industrial, que começou em meados do século XVIII, o dióxido de carbono manteve níveis quase constantes, de 280 ppm (número de moléculas do gás por milhão de moléculas de ar seco).

Desde 1750, o dióxido de carbono aumentou em 38%, especialmente por causa das emissões da queima de combustíveis fósseis, desflorestação e alteração no uso da terra.

A OMM recorda que 60% das emissões de metano são de origem humana e que os 40% restantes derivam de fontes naturais.

O organização alerta que o aquecimento da Terra poderia provocar um aumento das emissões de metano nas regiões árcticas, o que é motivo de grande preocupação para a OMM.

Como é possível tamanha desonestidade e tamanho descaramento?!

Leitura obrigatória


Brevemente irei defender uma tese sobre "Guerra Assimétrica: O Ocidente e os seus inimigos".

Já está escrita e já foi entregue.
O notável discurso do fundador da HRW, Robert Bernstein, esta semana, na Universidade de Nebraska, e publicado no New York Times, é um magnífico resumo de parte da minha tese.

Vale a pena ler.

Está lá tudo, com uma clareza que só a idade dá.



Se Israel tem, porque é que o Irão não pode ter?-2

Repetindo o que já aqui escrevi, quando se aborda a questão do nuclear iraniano, é recorrente o argumento de que “se Israel tem, então o Irão também tem direito a ter”.


Politicamente falando, todos os estados soberanos reservam para si o direito de desenvolver programas nucleares para fins civis e militares. EUA, Rússia, China, Índia, etc., fazem-no. Israel não se sabe, porque mantém uma politica deliberada de “não confirmo nem desminto”, por razões estratégicas, mas presume-se que sim.


Há vários anos que, no quadro das Nações Unidas, se procura controlar estes programas, porque se acredita que a proliferação tornará o mundo inseguro, pela multiplicação das possibilidades de erro, irracionalidade e escalada.

Foi por isso que muitos países se comprometeram voluntariamente com o Tratado de Não Proliferação.

O Irão foi um deles. Tal como Portugal.

Assinar o TNP implica a expressa renúncia a programas militares e a aceitação de inspecções dos programas civis por parte da AIEA.

Ou seja, Portugal e o Irão podem ter um programa atómico, podem enriquecer urânio, mas têm de seguir os procedimentos e limitações decorrentes do tratado que assinaram. Uma delas é não enriquecer a 90%, que serve apenas para produzir engenhos explosivos nucleares.

O problema com o Irão, é que não está a fazer nada disso.

O Irão pode, a qualquer momento, retirar-se do tratado, e prosseguir com os seus programas de forma soberana.

Não o faz, porque quer manter-se na luz da legalidade e sabe que se dela se retirar antes de ter disponíveis vectores nucleares, será tratado como o vizinho perigoso da rua, e os vizinhos podem mexer-se para o impedir. Não tenho qualquer dúvida que se retirará no momento em que esteja na posse de sistemas operacionais.

Em termos de Direito Internacional, existe um problema: o Irão, ao ocultar sistematicamente à AIEA, partes do seu programa nuclear, e ao colocar obstáculos às actividades de inspecção, violou e viola os compromissos que assinou,

Por isso é perfeitamente natural que se instale a suspeita de que as suas intenções não são claras. E é daí que brota o alarme e a mobilização de uma grande parte da comunidade internacional, perante aquilo que percebem naturalmente como uma ameaça à sua segurança.


No plano político, quais as razões pelas quais o Irão prossegue tais actividades e, especialmente, por que razão tenta ocultá-las?

A diferença entre o Irão e Israel (ou o Reino Unido), é que os poderes destes países não passam a vida a ameaçar outros países de que vão fazê-los “desaparecer do mapa”. São actores racionais.

A França está aqui perto, os seus aviões, submarinos e mísseis alcançam o local onde moro, e nem por isso me sinto preocupado. Na verdade Portugal está mais seguro pelo facto de países aliados terem armas destas.

Na inversa, não acredito que um iraquiano, um saudita, um egípcio, etc., se sinta mais seguro por ter como vizinho um Irão dotado de armas nucleares.

Pelo que se sabe, é justamente o contrário, de tal forma que até os sauditas, inimigos figadais de Israel, permitem discretamente que aviões israelitas sobrevoem o seu território, no caso de um ataque ao Irão.

O programa israelita é uma ameaça para os vizinhos? Alguns acreditam que sim e, no limite é-o mesmo, uma vez que Israel usará o seu arsenal se a sua sobrevivência estiver em causa, mas limitemo-nos aos factos: os belicosos vizinhos de Israel manifestam-se contra, obviamente, mas não com grande indignação, porque sabem que Israel é um actor racional, pelo que nem sequer tentaram iniciar uma corrida ao nuclear, para contrabalançar, coisa que já estão a fazer relativamente ao Irão.

Porquê? Pelas mesmas razões que levam a Alemanha a não criar um programa nuclear militar para equilibrar o inglês. Porque tanto a Alemanha como os vizinhos de Israel percebem tratar-se de programas defensivos, meras forças de dissuasão, que não se destinam a ser usadas, mas sim a dissuadir ataques.

Se o Irão preocupa, é porque é percebido como um estado revolucionário; porque sabemos que, quando dispuser de um guarda-chuva nuclear, o irá utilizar para incrementar o apoio a movimentos terroristas nos países vizinhos, sem temer sofrer retaliações; porque tememos que possa encaminhar para estes grupos, alguma dessa tecnologia; porque se trata de um governo repleto de fanáticos religiosos e não confiamos que gente desta seja capaz de gerir racionalmente uma situação de tensão; porque sabemos que os vizinhos irão, também eles, tentar dotar-se dos mesmos meios, numa imparável corrida ao nuclear que, mais tarde ou mais cedo, se descontrolará e terminará numa catástrofe global.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Plano Inclinado - Do governo no fio da mentira

Novas da monarquia mais avançada do mundo

Stuxnet

Como se sabe, houve um ataque informático ao programa nuclear iraniano. Não um qualquer ataque informático, mas um com um tal grau de sofisticação que um especialista alemão não hesitou em compará-lo ao aparecimento súbito de um bombardeiro stealth nos campos de batalha da 1ª Guerra Mundial.
O worm só pode ter sido produzido por uma entidade dotada de meios humanos excepcionais e um bom suporte material, garantem os técnicos.
Suspeita-se que pode ser Israel, embora os EUA também não sejam descartados.
Há alguns indícios que apontam para Jerusalém mas, como se sabe, podem ter sido lá postos de propósito para isso mesmo.

Seja como for, o que é hoje claro é que o programa nuclear iraniano terá sofrido um setback de 3 a 4 anos e que a maioria das centrifugadoras parou.

Não posso deixar de admirar a beleza da estratégia e de dar os parabéns aos indivíduos geniais que conceberam e utilizaram um míssil informático tão preciso e tão letal.
Andam os aiatolas a fazer bombas e de repente dão-se conta que os seus inimigos já estão 100 anos à frente.
Para o mundo, são mais quatro anos de alívio.

sábado, 20 de novembro de 2010

Mais um cadáver morto

Senate kills climate change bill

Do clima do ano climático

Rafael Correia



L
ugar ao Sul era um programa da Antena 1 e da autoria de Rafael Correia.

Não consigo encontrar grande coisa. No site da RTP (RDP) apenas páginas vazias.

Seria interessante encontrar os podcasts deste programa.

Tudo malta "anti-sionista"

Estado Social goleia modelo económico. Foi uma cabazada.

No Blasfémias (aka belas fêmeas):

Comentário no Arrastão: “Não é o Estado Social que está a falhar. O que falhou foi o modelo económico.”
.
Tem toda a razão. O Estado Social tem manifestado uma vitalidade imparável. Nos últimos 30 anos bateu o modelo económico por goleada. Nenhuma nação europeia consegue atingir os níveis de crescimento do Estado Social luso. Tem sido magnífico. Uma performance evolutiva inigualável. O Estado Social é um vencedor..

Quem falhou redondamente foram os pagadores, também conhecidos por modelo económico – uma cáfila incompetente de empresários e gestores que têm provado ser incapazes de acompanhar a vitalidade do Estado Social. Não só não criam riqueza suficiente para transferir para os vencedores como estão a pôr em causa as suas grandes conquistas..

O derrotadíssimo modelo económico, ressabiado pela rotunda derrota sofrida frente ao Estado Social, está agora a adoptar métodos inaceitáveis. A nível internacional, uniram-se para não emprestar dinheiro a quem precisa e cá em casa insistem em falir empresas. Felizmente, com Manuel Alegre, as coisas não vão mudar e esses incapazes vão ter que continuar a suar as estopinhas. “Comigo na Presidência ninguém toca no SNS, na escola pública, na segurança social pública e nos direitos laborais dos trabalhadores … veto e usarei todos os poderes presidenciais para defender esses direitos e para defender o conteúdo social da nossa democracia.”.

Toma e embrulha. Carrega Manel. Parece que a penalização fiscal sobre estes inaptos não tem sido suficiente. Dá-lhes no IRS, IRC, IVA, IMI, IMT, ISP, IS. Taxa mais-valias, corta no EBF, esmaga nas SGPS. Ninguém vai parar o Estado Social e o modelo económico continuará a ser humilhado. Goleado..

Alegre a presidente, Estado Social sorridente. Yupi.


Serviço público:

Skeptical Views in non-English countries

Hide the Decline

[Este artigo irá sendo completado ao longo do dia. Aceitam-se sugestões]
[Actualizado: 14:30]

Foi há um ano que o castelo "aquecimento global", já cheio de rachas, começou a derrocar estrondosamente.

Continua sem se saber muitos pormenores mas, um arquivo contendo milhares de e-mails apareceu num servidor russo.

Do que entretanto se ficou a saber já havia fumarolas. Nalguns casos bem determinadas, noutros apenas sinais.

Alguns dados que são hoje seguros, revelados por via dos e-mails.

- Havia uma concertação para martelar dados.
- Havia uma concertação para bloquear o acesso a 'estranhos' a esses dados.
- Havia uma concertação para fazer desaparecer dados originais substituindo-os por dados martelados.
- Que entre os dados martelados figurava a remoção das estações de recolha de dados de temperatura que mediam temperaturas inconvenientes.
- Não havia peer reviwing. A revisões que tinham lugar eram quase sempre feitas por colegas de projecto.
- O peer reviwing efectuado era executado numa base de reciprocidade. 'Coças-me as costas e eu coço as tuas'.
- Havia um concertação inter-pares para assaltar multinacionais da energia.
- Havia uma concertação para acusar quem não alinhava com os concertantes, de estar ao serviço das multinacionais da energia.
- Havia uma concertação com ramificações em quase todo o mundo no sentido de haver infiltrações nos estados e nos governos de forma a dar consistência ao "projecto".
- Havia uma concertação para distribuição de verbas estatais para "pesquisa" sobre "aquecimento global" ou "alterações climáticas" (termo entretanto surgido porque os capangas já tinham consciência que não havia aquecimento global provocado pelo CO2). Essa concertação tinha lugar por todo o mundo.
- Havia uma concertação para empestar os sistemas de ensino de propaganda aquecimentista.
- Parte dos artigos "científicos" publicados pelo IPCC eram decalcados de artigos de revistas mais ou menos dadas ao alarme "aquecimento global" e eram pura ficção escritas sem qualquer base científica. Apesar de serem pura propaganda passavam pelo crivo do peer reviwing.
- O cabecilha do IPCC usava o seu pelouro para negociar trabalhos seus, devidamente remunerados, com empresas multinacionais.
- Havia uma concertação para implementação de um governo mundial de "ambiente".
- Havia uma concertação para implementação de uma negociata de "carbonos". Essa negociata foi implementada em bolsas de valores*1.
- Havia uma concertação para anular dados históricos de que são exemplo o período quente medieval e a mini idade do gelo. Neste caso, havia uma concertação para ignorar sistematicamente o período em que, na zona de Londres, o Tamisa congelava no inverno. Esta realidade, histórica, colidia com um "trabalhos" de Michael E. Mann, nomeadamente o hockey stick.
- Havia uma concertação no sentido de apontar as "energias renováveis" como "solução" para o "problema" do CO2.
- Havia uma concertação para envolver associações ambientalistas no negócio das renováveis.
- Havia numa concertação para envolver os serviços de meteorologia de todo o mundo no gang aquecimentista. Muitos dos militantes da causa moravam aí.
- Havia uma concertação para instituir uma militância aquecimentista no seio da comunicação social*2.
[14:30]
- Havia uma concertação para encharcar as bases de dados da Internet, nomeadamente a Wikipedia, com propaganda aquecimentista. Num dos casos, um 'warmer' não só censurava quem lhe apetecia como se dedicava a empastelar a Wikipedia com propaganda.



====
*1 Uma boa parte entretanto fechada por se ter tornado óbvio serem um embuste. Portugal continua metido no gang.
*2 Essa militância, entretanto rachada, continua em actividade.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Gigliola Cinquetti - Non ho l'età

O Eduardo F. bateu com força. Mas eu não me fico:


Mais um belo amanhã


The dark side of the (Ground)force


Para ajudar à festa, o esquema está montado de maneira que a Autoridade da Concorrência vela para que…não haja concorrência. Os 336 trabalhadores despedidos dispõem-se a criar uma nova empresa de handling para concorrer com a Portway e a Groundforce – não esquecer que o proprietário tanto de uma como de outra é o bendito estado – em Faro mas…não podem.

Depois a culpa é do neoliberalismo, dos patrões, da Merkel, dos especuladores, dos bancos e assim. Aguentem-se.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Caixa para comentários a granel

Os totós que deambulam pelas caixas de comentário do FI podem aqui exercitar sobre o que lhes apeteça, naturalmente por conta própria e independentemente de poderem mesmo assim ser catrafilados.

Pequena nota de passagem


O homem que criou o primeiro movimento ecológico em Portugal chama-se Afonso Cautela. Não estou a falar de um desconhecido, mas sim de um jornalista de grandes créditos que trabalhou em mais do que um jornal e escreveu diversos livros sobre questões ecológicas. Radical nas posições, de carácter nem sempre fácil, mas de uma honestidade a toda a prova nas suas convicções. Conheci-o por acaso, mantivemos o contacto durante algum tempo (a vida, depois, afastou-nos) e, embora não estivesse de acordo com o que ele afirmava, sempre nos respeitámos.
Quando nos encontrámos, no início da década de oitenta, o Partido Comunista diabolizava Cautela e os ecologistas, Cautela e os ecologistas odiavam o Partido Comunista. "O Partido" falava da Ecologia como uma forma de alienação dos jovens em relação à verdadeira luta, a luta pela Revolução Proletária, um artifício criado pelas manhas da burguesia, com o inevitável apoio da CIA, para desviar a juventude dos generosos impulsos revolucionários. Cautela e os seus amigos espumavam perante tanta difamação, hipocrisia e cegueira que redundavam nos mais diversos e permanentes boicotes à divulgação da mensagem e alertas da ecologia militante.
E, subitamente, na mesma altura, do nada surge em Portugal um Partido dos Verdes, composto por gente que NINGUÉM entre os ecologistas conhecia, que NUNCA participara em qualquer manifestação ou acção militante. Gente que se dizia próxima dos ideais da ditadura proletária, que propagandeava o PC como seu aliado natural. E que o PC, paternalmente, acolhia debaixo da sua asa eleitoral, capitalizando as "naturais preocupações da juventude com o meio ambiente, prejudicado pela feroz exploração capitalista".
O "Partido da Melancia" - verde por fora, vermelho por dentro (como, à época, foi designado, ironicamente, pelos órgãos de comunicação, tão parola tinha sido a manobra) aí continua, na missão para que foi criado e recebe apoio. Os ingénuos ecologistas, desorientados, foram neutralizados e engolidos por tudo aquilo que se sabe, como é destino de qualquer ingénuo.
Afonso Cautela, esse continua vivo.

Os "Verdes" ...


... e a protecção às moscas e às melgas.

Corão





Visionar ainda O Talmude.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Submarinos



Desculpem a má qualidade de som mas a incompetência da RTP é desse calibre. Feche-se a RTP.

Plano Inclinado - 2010.11.08

Mario Crespo e o Professor Henrique Medina Carreira debatem a Crise Nacional: Financeira e Económica com o Engº Ângelo Correia

8 de Novembro de 2010


15 de Novembro de 2010

Recordar o óbvio

Repete-se, nas caixas de comentários, a litania anti-semita que, travestida num politicamente correcto "anti-sionismo", declama os bordões da propaganda e as habituais mentiras sobre a História, sobre Israel e sobre os judeus.

Voltemos ao fio de prumo:

Para aqueles que odeiam os judeus, os árabes da palestina não têm capacidade de fazer escolhas, são inimputáveis e a responsabilidade do que fazem ou deixam de fazer por sua livre escolha, não é deles. É dos outros.

Ora a verdade é que os árabes da palestina estão a sofrer as consequências das suas escolhas e das escolhas dos seus irmãos árabes. Podiam ter feito outras, várias vezes nestas últimas dezenas de anos.
Podiam por exemplo ter constituído o seu estado na mesma altura em que Israel constituiu o seu, ou nos 20 anos seguintes, em que as suas terras estiveram sob domínio jordano e egípcio.
Mas optaram por tentar destruir Israel.
Arafat podia, em 2000, ter seguido o caminho da paz, aproveitando a boa fé negocial de Barak.
Recusou e preferiu militarizar a intifada.
São escolhas, não são inevitabilidades. Quando se escolhe, assumem-se as consequências da escolha e deixa de ser razoável culpar os outros.
Por exemplo, em Gaza manda o Hamas. Chegou ao poder pelo voto. É um poder legítimo, o que não significa que os seus inimigos tenham de aceitar o que faz. Os palestinianos elegeram o Hamas, mas Israel não tem de pagar as consequências dessa escolha.

Para esta gente, a questão israelo-árabe é simples: Os judeus são opressores, os palestinianos oprimidos e aí vai Marx. A luta dos oprimidos contra os opressores é justa, ponto final. O mundo a preto e branco dispensa nuances.

Mas elas existem.

Alguns palestinianos lutam por um estado que coexista com Israel. São poucos. A maioria, que elegeu o Hamas, combate noutra guerra. A que visa a erradicação de Israel.

É essa a guerra de fundo, aquela que levou à recusa da Partilha, à recusa de vários Acordos, aquela em que o Hamas, a Jihad Islâmica, grupos da Fatah, o Irão, o Hezbolah, a Síria, e a generalidade do mundo islâmico está empenhado.

É conveniente recordar aqui frases de dirigentes muçulmanos logo após a aprovação pela ONU da partilha da Palestina, para saber do que se está a falar:

Rei da Arábia Saudita: Que importa perdermos 10 milhões de pessoas se eliminarmos os judeus? Vale a pena.
Xeque Al-Banah :
Os árabes devem aniquilar os judeus. Encheremos o mar com os seus corpos.
Haj Husseini, mufti de Jerusalem e tio de Arafat: Matem os judeus. Matem-nos a todos!

Foi este ódio que levou à “ocupação” de Gaza , Judeia e Samaria, bem como dos Montes Golan e do Sinai.

Ao contrário do panfletismo simplista, não é líquido que se trate de uma ocupação “ilegal”. À luz da 4ª Convenção de Genebra, e do DI relevante, são terras em disputa, a gerir pelo agredido vencedor.
Israel, devolveu o Sinai ao Egipto quando fez a paz. E quis devolver Gaza, Judeia e Samaria. Os árabes não aceitaram.

As fronteiras de um futuro estado palestiniano já não poderão ser as da Partilha, porque essas foram recusadas pelos árabes. Nas guerras que moveram, Israel, estado agredido, ganhou e agora tem o direito de negociar o seu redesenho, à medida dos seus interesses.
Quem ataca e perde, não pode esperar que não haja consequências, como se a guerra fosse um jogo de miúdos em que se pode voltar atrás, fingindo que nada aconteceu.

E do lado israelita não há radicais?

Há. Israel é uma democracia vibrante. A maioria dos israelitas combate pela segurança e só alguns estão alistados no combate pelo Grande Israel. Não têm expressão política, todos os principais partidos israelitas aceitam, sob diferentes condições, um estado palestiniano, e renunciaram há muito ao regresso ao Israel bíblico. A Judeia, berço dos judeus, fará parte de um futuro estado palestiniano.

Barak, em Camp David (2000) propôs uma retirada total da Judeia, Samaria e Gaza, em troco de um acordo global de paz.
Arafat recusou.
Os seus destinos, dizem-nos tudo o que necessitamos: Arafat escolheu a guerra e sobreviveu politicamente. É um herói. Barak falhou a paz e foi derrotado..
Todavia Israel retirou completamente de Gaza. Os árabes palestinianos cheiraram fraqueza e redobraram os ataques a Israel, demonstrando por acções aquilo que está nos seus documentos fundadores.

Não, o conflito não é tão simples como pensam alguns, cheios de dogmas, de certezas, de noções absolutas de bem e de mal.


The Boxer

Em resposta ao Espectador Interessado,

Simon (Paul Frederic Simon) & Garfunkel (Aharon Ira ben Yaakov): dos tenebrosos "sionistas".


domingo, 14 de novembro de 2010

Das virtudes da livre concorrência e do Estado social


Ódio aos judeus ( "Anti-sionismo!", em novilíngua)

O ódio aos judeus é recorrente, é milenar e mais intenso nas direitas e esquerdas extremistas.

Perante a irracionalidade deste ódio, importa talvez recordar que eram/são judeus, figuras como Marx, Trotsky, Jesus Cristo, Egas Moniz, S.Pedro, a Virgem Maria, Einstein, Feynman, Bohr, Barba Streisand, Woody Allen, Stanley Kubrik, Mendelsohn, Espinosa, Serge Gainsbourg, Freud, Andre Agassi, Debra Winger, Sara Jessica Parker, Isaac Newton, Ben Afleck, Mel Brooks, George Lukas, Steven Spielberg, Noam Chomsky, Leonard Bernstein, Jorge Sampaio, Lenny Kravitz, Erdos, Abraão Zacuto, Garcia de Orta, Rodrigues da Fonseca, Pedro Nunes, Milton Friedman, Jerry Lewis, Lewis (o das jeans), o inventor do Facebook, etc,etc, para além de mais de 100 prémios Nobel em areas científicas nos últimos 50 anos.

Perante gente desta, que tanto deu e dá ao mundo, só gentalha mais bronca que um cabo de vassoura, com a ignorância a queimar-lhe a língua, se pode permitir alimentar este tipo de ódio tão irracional, que se funda na convicção de que os judeus, para além de "dominarem o mundo", devem ter cornos na cabeça, cascos de bode, são maus, feios, porcos, arrotam a chouriço de cebola e peidam-se à mesa.

Nada de novo:

Há 500 anos uma multidão imbecil matou 4000 judeus em Lisboa, e expulsou de Portugal alguns dos seus mais cultos filhos. A perseguição durou séculos...até ao Marquês de Pombal a quem o rei D. José pediu que decretasse um distintivo obrigatório para quem tivesse sangue judeu. No dia seguinte, Pombal apareceu com três distintivos ao peito. O rei perguntou a razão e Pombal respondeu: “Um por mim, outro pelo inquisidor-mor e outro por Vossa Majestade.” Judeus somos, os portugueses, todos um pouco. Ignorantes de nós somos todos muito.”
(Ferreira Fernandes, Correio da Manhã)

Absoluta surpresa

A excrescência do Partido Comunista, a entorse da democracia portuguesa, aquela coisa abjecta que apesar de nunca ter concorrido a eleições tem assento, desde há décadas, na Assembleia da República, aquela baba auto-denominada "Os Verdes", declarou apoiar o pretendente do PC ao trono de Portugal.



Desculpem a má qualidade de som mas a incompetência da RTP é desse calibre. Feche-se.

 

Economia para tótós

Via Espectador Interessado,

sábado, 13 de novembro de 2010

Gatos e a luta contra o aquecimento global


Via Wattsupwiththat

Eles andem aí e aqui, nas caixas de comentário

Chamar os bois pelos nomes: atrasados mentais.

Actualização:
Cum carago. O José Gonsalo já linha mais atempadamente chamado a atenção para os bois.

Debunking White House Pro-Tax Increase Propaganda

Do que o Contrato não é, obviamente

Para além da vergonha aqui referida, há ainda que escalpelizar a novilíngua a que o comunicado deita mão.

Trata-se de uma gramática com pretensões a auto-sustentada que coloca ao lado dos pasteis de nata um certo número de calhaus embrulhados em papel celofan como se o papel lhes desse sabor.

O contracto é "com duas entidades" e não entre duas entidades.

O contracto "visa assegurar uma parceria". Pois. É isso que visa: "assegurar". Publico-privada?

"para a produção de conteúdos sobre propriedade industrial". Pois. "Produção" parece-se com algo de concreto. Na verdade é mais copy+paste. "Conteúdos" ... os meus gatos também os fazem, em buraquinhos que tapam e não gostam de ver destapados.

"edição de vários tweets". Pois. A edição. Se um gato passar pelo teclado de um computador, edita.

"informações/alertas úteis". Pela amostra têm a utilidade de manter a parceria.

" e a produção de uma newsletter mensal". Nata de calhau.

"Assegura-se por essa via, também, o apoio ao envolvimento da comunidade científica". Ah, sim. O apoio ao envolvimento e da comunidade científica. O tubo do papel também apoia muito bem o dito higiénico.

"do tecido empresarial na produção de informação pública especializada". Especializada, a 140 caracteres. A coisa empresarial está certamente ávida de informação especializada a 140 caracteres.

Para se ficar descansado, o INPI informa que apesar de se meter e ao ISCTE ao barulho, precisa ainda da de uma "5ª potência" para "editar" bochechos de 140 caracteres. Afere bem da impotência do INPI.

"O Contrato em causa é uma aquisição de serviços feita de forma transparente e obedecendo às regras da contratação pública." Com certeza. O bicho estado já pode torrar o dinheiro do contribuinte em público e cobrar bilhetes.

"Pretendeu-se com a criação do Twitter Valor PI dar um sinal de abertura do INPI enquanto agência pública à sociedade e à economia e servir de elo de ligação entre a comunidade de protecção da propriedade industrial, fomentar a partilha activa de informação sobre o tema da PI, da inovação e do desenvolvimento socioeconómico, aumentar a transparência junto dos cidadãos e das empresas, reforçar a comunicação, captar inputs e reacções da audiência. "

Aqui ficava bem uma música com violinos. É a verborreia típica de quem hoje tira um curso de administração e/ou gestão ao estilo "inglês técnico". "sinal de abertura", (sinal), "enquanto agência pública à sociedade e à economia", ei, cum camandro, não fazem a coisa por menos, "servir de elo de ligação", cheira-me que a ligação é outra, "fomentar a partilha activa de informação", as palavras partilha e activa ficam sempre bem, particularmente se ficarem juntas (embora não tenham que ser casadas) "inovação e do desenvolvimento socioeconómico" chiiiiii .... cum carago, " transparência", " captar inputs", "e reacções da audiência" ... fuuoooda-se. Aqui acertaram. A reacção excedeu as expectativas.

E a técnica cá está: "inputs" e "Tudo isto através de actualizações simples e curtas numa plataforma acessível e credível, típica da Web 2.0." Aposto que há socretinos magalhães na coisa.

Em jeito de packshot, esforço orgástico final e em 252 caracteres (excluindo os espaços - seriam precisos 3 tweets), o INPI sintetiza a coisa:

* Fonte de informação rápida e sintética em Propriedade Industrial e inovação com orientação de serviço público;
* Canal social de comunicação e aproximação das comunidades de língua portuguesa;
* Instrumento de informação aberta para indivíduos e organizações, especializados ou não nestas áreas.

Pois. Mas o preservativo estava roto e a coisa transbordou.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Coisas

Não conhecia o Sr João Serra. Não me recordo sequer de o ter visto.

Recordo-me de uma outra figura, mais ou menos equivalente, que parava pelo cruzamento da Cruz Quebrada (junto à antiga Lusalite) com a marginal do Tejo.

Parava por ali um senhor que recolhia umas esmolas e 'ajudava' o automobilista relativamente aos semáforos.

Tivesse ou não recebido uns cobres de um automobilista que demorasse mais que meio segundo a arrancar ao sinal verde, esse homem, cujo nome desconheço, insultava esse condutor até cheirar a queimado. E insultava em altos berros, danado, pior mesmo que uma barata, sempre à beira de uma apoplexia.

Fiquei a certa altura a saber que esse homem morava em Setúbal e que se deslocava diariamente para a Cruz Quebrada para exercer a sua cidadania naquele exacto local.

Com ou sem insultos, a malta achava-lhe graça.

Já há tempos que o não vejo.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Um "Bravo" para o Canadá.


O 1º ministro canadiano, Stephen Harper, é um dos poucos líderes ocidentais que tem a coragem de denunciar com clareza a vaga de anti-semitismo que grassa no Ocidente.

Harper chama-lhe o mais duradouro dos ódios .

Discursando numa conferência em Ottawa, sobre o combate ao anti-semitismo global, Harper disse que "quando Israel, o único país do mundo cuja existência está constantemente ameaçada, é consistente e conspicuamente condenado, acredito que estamos moralmente obrigados a tomar posição"


No "Protocolo de Ottawa", vem claramente escrito que "Estamos alarmados pela explosão de anti-semitismo e ódio, na Internet".

Penso que alguns dos leitores e comentadores deste blogue, se reconhecem neste espelho.


Defensora de família 'amanhãs que cantam', em maus lençois

Bushismos ...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A educação dos nossos filhos

A propósito disto ...


Dos lacaios do "megacapitalismo"

No Espectador Interessado:
A dimensão dos nossos desequilíbrios actuais somada à dos desequilíbrios futuros (PPP) e ao peso crescente dos juros aponta antes para não menos de uma década para repor uma trajectória sustentável quer ao défice orçamental, quer à divida externa e ao desequilíbrio das contas externas.
Pois. Mas para o PS, o BE e o PCP isso são tudo vitórias destinadas a derreter o capital ao "megacapitalista".

6.95

Isto está bonito.

Soluções? Uma caldeirada, em maior ou menor grau de:

1 - Liberalização dos despedimentos inclusive no próprio estado.
2 - Extinção de largas parcelas do estado, em particular nas autarquias.
3 - Revogação de uma parte substancial da legislação que implique que o estado tenha que ter um qualquer papel.
4 - Aligeiramento de regulamentação que implique gordos mecanismos de controlo.
5 - Privatização de algumas parcelas do estado, mesmo que a preço zero.
6 - Abaixamento substancial de impostos.
7 - Legislação que suspenda (ou anule) direitos e garantias tanto para pessoas como para empresas com quem o estado co-habita.
8 - Fim de subsídios estatais ou de garantias em negócios com privados.
9 - Simplificação da fiscalidade.
10 - Extinção do Ministério da Educação e de todos os organismos satélites.
11 - Privatização do ensino (venda de escolas se alguém as quiser comprar) apenas coordenado por um novo Ministério do Ensino.

Enfim, uma espécie de suspensão da democracia por via legal o que, na prática, pouco mais será para além da democracia suspensa em que vivemos e da soberania que nos encontramos privados de exercer.

Acessoriamente há que repor a justiça nos carris e trazer a segurança de volta às ruas.

Talvez desta forma convençamos os credores a emprestarem-nos mais algum que nos permita sobreviver até conseguir pôr o país privado a produzir, a fazer algo de concreto vendável no mundo real. São as empresas o único mecanismo eficiente e eficaz de redistribuição de riqueza.

domingo, 7 de novembro de 2010

Vegetação consome quase 20 vezes o CO2 produzido pelos combustíveis fósseis

No Verde: a cor nova do comunismo
Christian Beer, do Instituto Max Planck (Alemanha), e colegas afirmam que as plantas consomem cerca de 123 bilhões de toneladas de CO2 da atmosfera por ano.
.

>100.000

No Iraque como em Lisboa, a quantidade mínima da malta certa é 100.000. Foi um excelente ensaio-geral.

Via Blasfémias.

Hussein - Pinto de Sousa

Alguém ainda se lembra das promessas de Obama? Alguém se lembra dos "investimentos" na economia e no emprego prometido?

Alguém se lembra das promessas de Sócrates? Alguém se lembra dos "investimentos" na economia e no emprego prometido?

Podem importar-se republicanos?

.

Jonathan Livingston Seagull - The Odyssey

Socialismo e a família-lixo

Via Espectador Interessado,

Dos cretinos ...

... que pretendem deitar a mão ao dinheiro dos alemães e que se mostram agastados por Merkel não colaborar.


sábado, 6 de novembro de 2010

As Consequências Económicas de Energias Renováveis: Caso de Portugal

Igor Khmelinskii, aqui:
Entre os gastos em custos de capital para instalação dos renováveis, e nos subsídios à produção, e as perdas nas receitas fiscais, geradas pela produção das energias renováveis, o Estado Português deita ao vento, anualmente, mais de 2000 Milhões de Euros do dinheiro nosso, excedendo metade do défice orçamental deste ano, que está a ser corrigido pela redução dos salários e aumento dos impostos.
Cá temos mais um excelente negócio verde, socialista e "sustentável" rumo à fome e igualdade. Este, só num ano, dava para comprar 4 belos e gordos submarinos 4. Os belos charutos, afundados, estancariam o rombo. As "sustentáveis" donzelas custam tanto para afundar como para plantar.

Mas, como dizem vários loucos ministros deste imbecil governo, "poupámos dinheiro na compra de combustíveis". Eles têm razão ... também quem passa fome se farta de poupar em comida.

...

[Claro é que quem para aqui vier largar bostas vai parar ao SPAM]

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Das manas pobreza e igualdade

A esquerdalha irrita-se com o aumento da desigualdade mesmo que, em termos absolutos, todos passem a ganhem mais e a viver melhor.

Sob a bandeira de "redistribuição" o socretino socialismo tem-se (entre múltiplas malfeitorias) dedicado a distribuir o que o país não tem. O resultado foi o espalhar generalizado da igualdade na pobreza ...



... e ainda a procissão vai no adro.

.

Censura ou varrer lixo.

Optei por, nos meus postes, apagar os comentários que, além de nada terem a ver com as ideias em discussão, são ofensivos, impertinentes e jocosos.

Não se trata de censura. Trata-se de aplicar a devida sanção a quem não se conforma às mais elementares regras de diálogo e normas de conduta em sociedade.

Na vida real, todos somos livres de dizer o que nos apetece, mas todos somos também responsabilizáveis pelo que dizemos.
Por exemplo, sou perfeitamente livre de chegar ao pé do José Sócrates e chamar-lhe mentiroso, ou burro, ou o que me passar pela cabeça.
Mas ele é também perfeitamente livre de me processar por difamação, calúnia, agressão verbal, etc.
E é provável que eu seja condenado a pagar-lhe uma indemnização.

No mundo dos blogues, mutatis mutandis, é a mesma coisa. O comentarista é livre de escrever o que lhe apetece mas, como não pode ser processado, uma das maneiras de o responsabilizar é varrer a sua bosta para o lixo.

Neste blogue, na parte que me toca, não há censura. Cada um pode, sobre os assuntos em discussão, tecer as mais retorcidas teorias e argumentações.
Não pode é insultar e fazer trollices.
O lixo tem um lugar próprio e na minha casa quem deita lixo para o chão, arrisca-se a levar um chuto nos presuntos e sair a voar pela porta fora.
É a vida!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Porque será?


Defino-me como agnóstico o que, para mim, significa que não acredito num Deus moral que ameaça assar-me na brasa se eu, por exemplo, deitar um olhar cobiçoso à mulher do próximo, ou que promete harpas, asinhas, túnicas e virgens, se eu fizer umas quantas orações rituais todos os dias e, por outro lado, não consigo olhar para a complexidade do Universo sem uma sensação de vertigem perante as suas causas.

Acontece que agnósticos, ateus e quejandos, são uma fauna específica das sociedades de matriz cristã como esta, onde vivo. Mas, sendo agnóstico, não sou cego, isto é, vejo com cartesiana evidência que nem todas as crenças e religiões são iguais. Que um tipo como eu pode nascer, viver e morrer com normalidade em certas sociedades e noutras não. Que um crente pode sê-lo nuns lugares e não noutros.

Sou epicurista. Carpe diem é um dos meus lemas. Careço em absoluto da pulsão masoquista e por isso não acho nenhuma piada a gente que olha para mim apenas como um peso a pendurar na ponta de um nó corrediço ou como objecto no qual treinar degolações rituais.

Neste tempo que me calhou viver, o privilégio de poder fazê-lo à minha vontade, é coisa de sociedades que se formaram no cadinho judaico-cristão. Não sei se tem alguma coisa a ver, mas à cautela, é melhor deixar essa explicação em aberto até porque quando se tentou ir mais além naquela coisa da religião como ópio do povo e nas políticas mata-frades, embrulhadas em positivismo, a coisa deu sempre para o torto.

Sei também que a probabilidade de estar vivo no exercício desta minha opção, seria infinitamente menor noutra terras. No dar al Islam sobretudo, não porque calha, mas por imperativo divino e legal firmemente ancorado naquela ideologia. Por dever sagrado, em síntese.

Ora eu recuso terminantemente ser tolerante com isso. Chateia-me que ignorantes enraba-cabras, como muito bem os definiu o Carmo da Rosa no magnífico poste anterior, me queiram converter ou matar, a bem ou a mal.

Ontem no Iraque os enraba-cabras mataram a sangue frio meia centena de católicos iraquianos numa igreja de Bagdad. Mataram o padre logo a começar, à facada, e completaram o trabalho sagrado com granadas e bombas. Com a mesma legitimidade com que o fariam a mim, ou a ateus. E ameaçam agora “matar todos os cristãos”. Porquê?

Porque o Corão manda matar todos aqueles que recusem a luminosa verdade transmitida por Alá ao seu profeta: “Matai os idólatras onde os encontrardes” (IX,5) e os comentaristas “mainstream” do Islão interpretam este comandamento divino tal como ele parece ser.

Estou pois no mesmo saco, na verdade estou num saco ainda mais fundo porque ao menos os cristãos e os judeus, sendo crentes em qualquer coisa, são “povos do livro” e têm um mais benevolente tratamento corânico, Maomé dixit. Como aliás se tem visto.

Assim sendo, não me parece irrazoável marcar as minhas alianças tácitas com aqueles que são extermináveis (agnósticos, ateus, cristãos, judeus, hindus, etc) contra aqueles que nos querem exterminar. Nós versus eles. Um “nós” que tem como importantíssimo ponto comum, não acharem bem ser exterminados. “Nós” que, contrariamente a “eles”, temos em comum aquilo que separa os homens dos bárbaros.

É maniqueísta, eu sei, mas no limite é tudo muito simples, se vem um camião contra nós, as opções resumem-se a fugir para a esquerda ou para a direita.

Há tempos umas simples caricaturas puseram a Europa a arder. Queimaram-se milhares de bandeiras, matou-se gente, líderes políticos apelaram à censura chamando-lhe “bom senso” (o bom senso, importa referir, é a coisa mais bem distribuída do universo, já que ninguém se queixa de ter pouco e não há bicho careta que não esteja convicto de que o seu senso é que é o bom, o verdadeiro, o da Bayer), e a imprensa verteu rios de tinta, pedindo desculpa, apelando à contenção, e condenando os “insensatos” que fazem desenhos, como os verdadeiros culpados das barbaridades cometidas por milhares de enraba-cabras em fúria, que é como eles andam sempre.

Dezenas de cadáveres em nome de Alá não provocam nem uma ínfima percentagem do cagaçal que se fez por esse mundo, à conta de uns desenhos engraçados, crime horrível que terá ofendido horrosamente a muito sensível religiosidade de alguns enraba-cabras.

Os cristão mortos foram hoje notícia discreta, amanhã já ninguém se recordará deles, não haverá análises, debates, compreensões, apelos do Dr Freitas do Amaral e do Dr Mário Soares, indignações, reuniões do Conselho de Segurança, da Aliança das Civilizações, do Conselho dos Direitos Humanos, da Drª Ana Gomes, do Dr Miguel Portas ( somos todos Hezbolah, recordam-se?)

Porque será?

Liberdade de Expressão Absoluta...

Já se passaram 6 anos depois do assassinato de Theo van Gogh, mas convém não esquecer, e por isso aqui vai um texto dele de 26 de Maio de 2001 sobre a Liberdade de Expressão, que segundo ele tem que ser absoluta…


Se eu fosse um falhado negro-profissional à la Guilly Koster [apresentador do Suriname que explora a escravatura até ao máximo da decência – cdr] toda a gente teria pena de mim. Mas sou o Theo van Gogh e o meu maior prazer é não ser um representante subsidiado de uma minoria. Pelo contrário, sou a personificação daquilo que nos dizem que não devemos ser: politicamente incorrecto, branco, trabalho para uma cadeia de tv comercial, gordo, autóctone, sexista e sobretudo não muito convencido dos benefícios da tão cantada sociedade multicultural. Além disso acredito que somente a liberdade de expressão, em toda a acessão da palavra liberdade (inclusive o direito dos imãs exporem os seus preconceitos da idade da pedra) pode-nos, a nós, cidadãos livres, salvar da barbárie.

A última frase está em franca contradição com artigo 1 da constituição, que grosso modo diz: "não se pode discriminar". É preciso ter em conta que o artigo 1 foi posto em vigor pelo estalinista Joop Wolff [Líder do CPN, Partido Comunista Holandês hoje extinto - cdr] para travar o avanço de Janmaat [político de direita que nos anos 80 foi um dos primeiros a afirmar no parlamento que a Holanda já tinha gente a mais - cdr]. Mas o artigo 1 opõe-se ao artigo 7 (direito de opinião), que também é protegido pela constituição.

E é por isso que hoje em dia uma plêiade de grandes pensadores tropeçam no parlamento uns nos outros a imaginar medidas contra os imãs para os pôr fora do país no momento em que sejam acusados de "discriminação". Que raio de sociedade tolerante é esta que não aguenta com um barbas em camisa de noite que apenas exprime o que 90% dos muçulmanos aqui residentes pensam? Nomeadamente que os homossexuais são pessoas doentes e que devem ser combatidos a ferro e fogo… Não será precisamente isto a essência da liberdade de expressão, defender as opiniões menos recatadas, mais depravadas e que divergem das normas vigentes?

Sob o lema 'quem lesar o direito de opinião deles, está a lesar o meu’ já aconteceu que nos Estados Unidos membros do Ku Klux Klan foram defendidos por advogados pretos. E justamente os imãs, os representantes de um pensamento que quer exterminar as mulheres, os judeus, os homossexuais e tudo aquilo que se desvia de Alá, devem poder exprimir-se livremente, porque só dessa maneira é que podemos localizar os nossos verdadeiros inimigos. Uma condenação judicial desta forma de pensar não é uma solução e não vai proteger as minorias atingidas. O veneno que o Corão espalha agora abertamente vai continuar a alastrar às escondidas.

Deixemos o imã exprimir-se o mais livremente possível, como podemos considerar-nos moralmente superiores ao enraba-cabras se lhe retiramos a única coisa que a nossa sociedade essencialmente difere da dele? Os imãs que continuem a ser os pigmeus que são, mas por favor não os transformem em mártires. Quem preza a liberdade de expressão encolhe os ombros em mortífera indiferença.

É lamentável que um homossexual, ou uma mulher, ou um judeu, ou outra minoria qualquer seja vítima de heresia. Mais lamentável é o facto dos políticos deste país durante anos a fio se terem esquivado a toda e qualquer discussão sobre minorias agressivas. Dizer que o Islão é a maior ameaça para o mundo civilizado continua a ser uma blasfémia na igreja politicamente-correcta, onde se passa a vida a colocar paninhos quentes, a temporizar e a minimizar estes problemas. Todo o eleito que prudentemente se lembre de dizer o semelhante, está em vésperas de ter que se enfrentar em batalha campal com os soldados de Alá.

Não será a característica essencial da liberdade de expressão: defender sobretudo as opiniões mais discordantes?

Não há Atenas sem Esparta, Roma sem bárbaros. Mas o Ocidente vai provavelmente perder a guerra ideológica e os nossos filhos lembrar-se-ão com saudade da época de tolerância que antes era a norma por estes lados…

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Encrenca ...


... after encrenca: Wind Energy: The Truth Blows.
.

Orientações


Quem quiser ver a orientação política de cada um dos principais jornais da nossa praça (imprensa económica incluída), vá a uma banca ver as gordas acerca do orçamento em cada um dos jornais de hoje. Copo meio-cheio ou copo meio-vazio? É só escolher.