sábado, 2 de abril de 2011

Voilá:

Pass the Plutonium:
People think that Fukushima will mean the end of nuclear power, but I'm convinced it's the opposite. We're going to lose our nuclear virginity over this accident and start seeing the world as adults. In fact it's already happening.

...

For years we've lived with the impression that a nuclear meltdown is the equivalent of a nuclear bomb going off, killing thousands and leaving whole landscapes uninhabitable. Now we've had one and look what's happened. The fourth worst earthquake in history has failed to crack open the concrete containment and the difficulty arose only because the utility didn't have enough backup electricity on hand.


Why Fukushima made me stop worrying and love nuclear power
You will not be surprised to hear that the events in Japan have changed my view of nuclear power. You will be surprised to hear how they have changed it. As a result of the disaster at Fukushima, I am no longer nuclear-neutral. I now support the technology.

É claro que os artolas da praxe vão já dizer que isto foi tudo encenado, que o reactor nunca esteve em perigo, que o terramoto e o maremoto foram uma criação da CIA para fortalecer o loby do nuclear.

...



...

Via ... os habituais sites: WNN, MIT NSE Nuclear Information Hub, BNC

47 comentários:

MHGonçalves disse...

It´s the beginning,

Porque as pessoas não são burras e o governo ja decidiu que fukushima is past, e se antes no inicio do nuclear não se sabiam os perigos, ou só se sabiam teoricamente, depois passaram a saber-se em concreto, com exemplos, e chernobyl por acção humana, e fukushima por acção da natureza, encarregaram-se de demonstrar os factos os perigos, e agora sabem-se, não em teoria, mas na prática, em concreto, se os querem correr, é outra coisa. O urânio e o plutônio são radioativos, mas são metais raros, que, na natureza, não causam mal por ai além. Por isso a barbaridade é dizer que as pessoas também vivem em locais onde há radioactivdade natural que também é perigoso. É sim, mas devido a pouca concentração não correm risco de vida. O problema é que nós extraímos esses elementos dos seus minérios e os concentramos, fazendo com que a radioatividade natural fique muito mais intensa e possa prejudicar a saúde gravemente de imediato e por milhares de anos. Por isso o plutônio é considerado o elemento mais perigoso. Mas ele é raríssimo e não andamos por ai aos pontapés a ele.

Porque isto é tudo muito relativo senão vejamos o sódio, potássio, cálcio e magnésio são essenciais para o corpo, mas se injectarmos uma pequenissima porção na nossa corrente sanguínea mata em segundos. Depois temos metais que tem elementos que intoxicam por acumulação e o nosso corpo não consegue excretar sais como mercúrio, cádmio, cromo, manganês e chumbo que ingerimos pela água ou pela respiração, tivemos por exemplo o caso dos hemodialisados de evora.mas não afectou mais ninguem. Acumulam-se e causam distúrbios até podem matar. Depois temos outros grupos em que os elementos são radioativos, seu núcleo emite ondas de energia que atravessam nossa pele e o funcionamento das células, causando cancro, como o urânio e o plutonio das centrais nucleares. Por exemplo o flúor e cloro, encontram-se diluídos com menos de1% na pasta de dentes e na água, e protegem-nos das bactérias, mas se respirarmos algumas baforadas de cloro a 0,1% morremos, porque no pulmão, os elementos desse grupo reagem e formam ácidos que corroem tudo. O gás mostarda, da I guerra era puro gás cloro. O problema dos I love nuclear é que eles ainda não perceberam o verdadeiro perigo da coisa. Deixa-los teimar.

RioD'oiro disse...

MHG:

"Porque as pessoas não são burras e o governo ja decidiu que fukushima is past, e se antes no inicio do nuclear não se sabiam os perigos, ou só se sabiam teoricamente,"

Não sabiam? Então você vem aqui despejar sistematicamente o fantasma de Chenobyl e agora diz que não sabiam?

As pessoas não são burras mas desconhecem Chernobyl, a origem do problema e suas consequências?

Até ver, as concentrações isótopos realmente perigosos são baixíssimas, dificilmente distinguíveis da radiação de fundo. O resto é treta, invenção, ignorância mais ou menos militante ou ... neste seu último comentário, tentar que o problema que antes era o da furiosa radiação libertada passe agora a ser outro.

O que está dentro da central é absolutamente mortal, como é mortal o que se passa em muitos laboratórios farmacêuticos, muitas fábricas, etc, etc. O que é fundamental é que a substâncias perigosas não sejam libertadas para o meio da rua.

Lembra-se de Bopal?
http://en.wikipedia.org/wiki/Bhopal_disaster

"O problema dos I love nuclear é que eles ainda não perceberam o verdadeiro perigo da coisa."

Pois claro. As tais pessoas que não são burras já perceberam o perigo que nunca "tinha acontecido" mas que era conhecido teoricamente.

A malta do "love nuclear" é que ainda não percebeu.

Caro MHG, até já você percebeu que perdeu mais uma batalha, provavelmente a batalha mais importante dessa sua guerra que está prestes a perder de vez.

Você desconhece do que fala e não tenciona aprender porque se imbuiu numa missão meta-religiosa e é do conhecimento geral dos Jeovás que por aí circulam que uma das formas de retirada estratégica para reagrupamento implica recorrer a uma mão cheia de argumentos disparatados mas com pontas de similitude ao problema em causa. Este seu último comentário não é mais que isso.

Você enrola muito bem a minhoca ao anzol mas tendo eu deixado de pescar há muito tempo sei que já nem aí se usa chumbo.

RioD'oiro disse...

MHG:

"Por isso a barbaridade é dizer que as pessoas também vivem em locais onde há radioactivdade natural que também é perigoso. É sim, mas devido a pouca concentração não correm risco de vida."

Nuns casos a concentração é alta, noutros é baixa. Varia de local para local, sendo particularmente verdade no caso dos gases. Depende da concentração e depende do tempo de exposição. Há, por exemplo, gases radioactivos que brotam dos solos graníticos e, se as pessoas não tiverem cuidado (de várias formas) as mantêm imersas em quantidades preocupantes de radiação.

RioD'oiro disse...

"O problema é que nós extraímos esses elementos dos seus minérios e os concentramos, fazendo com que a radioatividade natural fique muito mais intensa e possa prejudicar a saúde gravemente de imediato e por milhares de anos."

Mas ninguém comercializa esses elementos como pó de talco excepto, talvez, em Chernobyl onde um determinado regime dados à mania das perfeições montou praticamente a céu aberto um dispositivo de disseminação desses 'pós-de-arroz'.

"Por isso o plutônio é considerado o elemento mais perigoso. Mas ele é raríssimo e não andamos por ai aos pontapés a ele."

Mas não é. É perigoso mas não é o mais perigoso, nem perto disso. É muito perigoso mas não faz parte do grupo dos campeões, por exemplo, porque não se dissolve na água. Se respirado é perigoso, mas é difícil de transformar em pó. Se ingerido é facilmente excretado não se concentrando em nenhum órgão.

Respirado, pode matar, mas também o tabaco mata e não é pouco e idem para a silicose.

RioD'oiro disse...

"Porque isto é tudo muito relativo senão vejamos o sódio, potássio, cálcio e magnésio são essenciais para o corpo, mas se injectarmos uma pequenissima porção na nossa corrente sanguínea mata em segundos."

Exactamente. É tudo muito relativo, portanto desça à terra e deixe-se de sessões orgásticas de pânico.

RioD'oiro disse...

MHG:

"mercúrio, cádmio, cromo, manganês e chumbo que ingerimos pela água ou pela respiração,"

E quantos desses saem de reactores nucleares?

RioD'oiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
RioD'oiro disse...

http://www.marklynas.org/2011/03/the-dangers-of-nuclear-power-in-light-of-fukushima/

But what of the longer term dangers to Chernobyl workers who suffered massive radiation exposures? Of those who survived acute radiation syndrome, 19 out of the 106 died between 1987 and 2006. These deaths included 5 cancers. 87 people were still alive in 2006; 9 of them had been diagnosed with various cancers including cases of leukaemia. The problem with using these statistics to draw definitive conclusions is that the numbers of workers affected by extremely high levels of radiation in the Chernobyl emergency are not large enough to give robust data on the long-term impact across wider groups. But the 20 year survival rate of the workers exposed to the greatest radiation – 82% – and the unremarkable percentage either dead of cancer or living with it – 14% in total, within ‘normal’ bounds – suggests that the human body is usually able to recover from even extremely high doses delivered in a short period of time. (This comment is not intended to diminish the severity of the effects of ARS: many of the survivors have suffered from cataracts, sexual dysfunction, skin problems and other chronic illnesses.)

Joaquim Simões disse...

http://aperoladanet.blogspot.com/2011/04/proposito-de-fukushima-e-do-nuclear.html

MHGonçalves disse...

"Mas não é. É perigoso mas não é o mais perigoso, nem perto disso
"

A ignorancia mata tenha cuidado, e deixe de escrever tanto do que não sabe a metade. Instrua-se. O senhor só diz barbaridades. Se ao menos lesse os jornais e as noticias das autoridades niponicas sobre o problema que estão a enfrentar estava mais bem informado do que lendo sites pro nuclear toldados. Teime la a vontade. Mas recorde a ignorancia pode matar.

MHGonçalves disse...

"Respirado, pode matar, mas também o tabaco mata e não é pouco e idem para a silicose."

Tenha cuidado que a ignorância mata, mas não mata tão rápido mesmo que fume uma meia duzia de anos percebe a problemática da coisa. Voce não sabe mesmo nada de radioactividade, e já agora preste atenção, nenhuma dessas substâncias é radioactiva ou seja afecta quem não consuma,pode afastar quem não goste de fumar, percebe a coisa, ou é preciso demonstrar que não sabe do que fala. falamos de radioactividade homem. olhe que a ignorância mata. Voce não percebeu nada quando eu disse isto:

(O problema é que nós extraímos esses elementos dos seus minérios e os concentramos, fazendo com que a radioatividade natural fique muito mais intensa e possa prejudicar a saúde gravemente de imediato e por milhares de anos. Por isso o plutônio é considerado o elemento mais perigoso)

Deixa-los teimar

( Mas não se espalhe assim ao comprido nas comparações que são tão infantis minha nossa senhora)

MHGonçalves disse...

Efeitos do tabaco, silicone, cloro, fluor, etc etc etc . ora veja se percebe alguma coisa das suas asneiras. Será uma nova chernobyl?

http://pt.euronews.net/2011/03/31/fukushima-cidade-fantasma/

“Situada a 65 quilómetros da central nuclear acidentada, a cidade de Fukushima, é uma cidade fantasma.
Os comboios continuam parados nas estações. Os transportes públicos estão reduzidos praticamente aos autocarros, há falta de combustível e cortes de eletricidade
Com medo das radiações ninguém sai de casa.
Muitas lojas estão fechadas e à noite as ruas estão desertas”

É tudo efeitos do tabaco e consumo exagerado, só pode. Mas os que puderam e tinham posses ja fugiram.

RioD'oiro disse...

MHG:

"Tenha cuidado que a ignorância mata, mas não mata tão rápido mesmo que fume uma meia duzia de anos percebe a problemática da coisa"

Você não pesca um boi daquilo que diz.

Se tomar doses iguais de cafeína e plutónio, a cafeína mata muito mais rapidamente.

O tabaco mata quem fuma e que está ao pé, se conduzir arrisca-se a ser vítima de alguém sem ter colaborado nada para isso. Você continua a demonstrar racismo em termos de óbitos. Para si alguns mortos valem mais que outros.

"é uma cidade fantasma." ... "Com medo das radiações ninguém sai de casa."

Mas então uma cidade fantasma é uma cidade habitada?

Lisboa e arredores, à noite, parece uma cidade "fantasma". As pessoas têm medo de sair à rua por causa dos assaltos. Tudo indica que este problema vai durar mais tempo que o decaimento do iodo em Fukushima e arredores.

RioD'oiro disse...

Não vale a pena vir com links da Euronews. A Euronews vale por si. É o órgão oficial de propaganda esquerdalha da "Europa".

RioD'oiro disse...

http://www.world-nuclear-news.org/RS_Deaths_confirmed_at_Fukushima_Daiichi_0304111.html

No effects on health or significant contamination cases have been identified among the general public evacuated from the area. The tsunami travelled up to five kilometres inland in Fukushima prefecture, causing a 1113 deaths with 4626 more people still missing. The totals for Japan as a whole are 12,087 dead and 15,552 missing as of today.

RioD'oiro disse...

http://bravenewclimate.com/2011/04/05/measuring-our-monsters/

The first rule of Horror Films 101 is “Don’t reveal your monster too soon”. Fear is all about suggestion. Hints. Things that go bump in the night. Letting vague connections swell in the imagination. Chernobyl. Fukushima. The hint of a fin caught in the corner of your eye. The Serpent’s Egg is an Ingmar Bergman film from the late 1970s which knew all the tricks. There were sounds in that film more chilling than blood and guts. Violence was suggested rather than displayed, and you heard it ooze through the movie like it did the historical events in the back story … the rise toward Nazism in Germany in the 1920s.

RioD'oiro disse...

http://www.world-nuclear-news.org/RS_Large_release_of_water_0404111.html

Food

Some 134 samples of various foods from twelve prefectures around Japan have been taken in the last three days. They included a range of fruit, vegetables and milk as well as beef and pork. All but one showed either no detection of iodine-131 or caesium-137 or levels within limits. The single affected food was shiitake mushrooms from Fukushima prefecture.

MHGonçalves disse...

“Ena pá, o homem ainda não percebeu mesmo nada, é mesmo .... Ora leia lá mais um bocado para ver aquilo e a conclusão a que eu ja cheguei desde o inicio e voce ainda nem a meio caminho vai, olhe que isto não são acidentes de viação, nem fumar um charro”

Noticias fresquinhas que para mim ja são muito requentadas. Tentar evitar o inevitável.

“Acidente nuclear de Fukushima no nível máximo

12 de Abril de 2011, 08:58

O Japão decidiu elevar de 5 para 7 o nível do acidente nuclear em Fukushima, o grau máximo de eventos nucleares e radiológicos (INES), o que o coloca no mesmo patamar da catástrofe de Tchernobyl, confirmou hoje a Agência Nuclear japonesa.

As medições disponíveis da radioatividade que escapou da central de Fukushima "mostram níveis equivalentes ao grau 7", o máximo na escala de eventos nucleares e radiológicos.

"Em termos de volume de emissões radioativas, estimamos que equivalem a cerca de 10% do registado em Tchernobyl", a central nuclear ucraniana responsável pelo maior desastre civil nuclear da história, destacou a agência.

Segundo a agência nuclear japonesa, o grau do acidente foi elevado com "base nas medições de iodo e de césio no meio ambiente".”

Se o seu cerebro não andar mais depressa em ideias que os factos corre risco de vida.

MHGonçalves disse...

Perolas

"Se tomar doses iguais de cafeína e plutónio, a cafeína mata muito mais rapidamente."

so que eu tomo cafe´sem problemas mas se tiver contacto com plutonio.... irra para a comparação


"O tabaco mata quem fuma e que está ao pé, se conduzir arrisca-se a ser vítima de alguém sem ter colaborado nada para isso"



ainda não percebeu o maior efeito do material radioativo, com efeitos sobre a saúde e o meio ambiente.

"Mas então uma cidade fantasma é uma cidade habitada"

É se não tiver vida,os cemiterios também estão cheios, para além daqueles que ja foram deslocados para um perimetro de 20 km e continua a aumentar o perimetro. Ora deixa ca ver ha o problema entre a radioactividade e as pessoas não sairem em lisboa é o medo dos assaltos

Ena pá voce é o máximo dos minimos

MHGonçalves disse...

Links da euronews, pois, mas voce pode ir directamente ao governo japones obter o mesmo resultado, ou seja a informação verdadeira é a mesma não ha volta a dar, não são claro as suas bulas medicamentosas ao miligrama de sites pro energia nuclear toldados

Como eu disse de facto voce é um maximo......

MHGonçalves disse...

É só efeitos do tabaco, acidentes de viação e não tomar o plutonio nas doses recomendadas.

Senão veja-se ( há quem nunca soubesse disto desde o inicio)



"Zona de segurança - O governo do Japão anunciou nesta segunda-feira que ampliará as áreas de evacuação em torno da usina nuclear de Fukushima no prazo de um mês em função da radioatividade que se detectar em diferentes localidades.

O porta-voz japonês, Yukio Edano, disse que os novos planos de evacuação serão aplicados a localidades como Iitate, a 40 quilômetros da central, ou ao povoado de Minami Soma, onde se mediram níveis de radioatividade superiores aos permitidos.

Até o momento, o governo mantém uma área de exclusão de 20 quilômetros em torno da usina nuclear e recomenda àqueles moradores que se encontrem entre 20 e 30 quilômetros da usina que permaneçam em suas casas ou deixem a região."

Fujam fujam para bem longe

RioD'oiro disse...

MHG:

""Em termos de volume de emissões radioativas, estimamos que equivalem a cerca de 10% do registado em Tchernobyl",

Se o seu cerebro não andar mais depressa em ideias que os factos corre risco de vida. "

O seu cérebro não anda, de todo. A frase acima é lapidar.

O nível de radiação emitido nada tem a ver com a quantidade de material radioactivo libertado.

Chenobyl libertou toneladas de material, despejou, para a rua, toneladas de material.

"so que eu tomo cafe´sem problemas mas se tiver contacto com plutonio.... irra para a comparação"

Toma café sem problemas mas não cafeina. A sua impossibilidade em distinguir café de cafeína explica a sua impossibilidade em distinguir nível de radiação de quantidade de material radioactivo (já para não falar na idade dele).

"É se não tiver vida,os cemiterios também estão cheios,"

Já percebi a confusão que vai na sua cabeça. Vida ou morte é igual para si.

"Ora deixa ca ver ha o problema entre a radioactividade e as pessoas não sairem em lisboa é o medo dos assaltos"

Veja lá se consegue que esta frase faça sentido.

RioD'oiro disse...

"Links da euronews, pois, mas voce pode ir directamente ao governo japones obter o mesmo resultado"

Eu tenho lá ido. Você, não. Preferiu a Euronews.

RioD'oiro disse...

"Fujam fujam"

Você é incapaz de perceber, sequer, que se trabalha melhor na central sem o fardo de trabalhar com habitantes nos arredores da central.

Nos primeiros quilómetros, aliás, já não há onde morar porque a central fois das poucas coisas que ficou de pé.

Curioso é, que o MHG, tenha omitido que, entretanto, se verificaram mais dois fortes abalos e duas ameaças de maremoto com as respectivas ordens de evacuação.

RioD'oiro disse...

"The most serious for people took place to the air around 15 March, five days after the tsunami triggered the emergency situation. Since then radiation releases have in general trended downwards, with some lesser spikes on site due to various events in the work to control the situation."

http://www.world-nuclear-news.org/RS_Fukushima_moved_to_Level_7_1204111.html

RioD'oiro disse...

No mesmo local:

"One concern for Japanese authorities is the higher disposition of radionuclides in the village of Iiate, about 30 kilometres northwest from Fukushima Daiichi and outside the evacuation zone. The reason for the higher rate of contamination in that localised area is not known, but monitoring has shown it to be the only area significantly affected by the accident."

Bold meu.

RioD'oiro disse...

Aqui:

http://bravenewclimate.com/2011/04/12/fukushima-ines-7/

"Hot in the news is that the Fukushima Nuclear crisis has been upgraded from INES 5 to INES 7. Note that this is not due to some sudden escalation of events today (aftershocks etc.), but rather it is based on an assessment of the cumulative magnitude of the events that have occurred at the site over the past month (my most recent update on that is here)."

NADA tem a ver com o nível de radiação.

RioD'oiro disse...

Do mesmo local:

"Does a rating of 7 mean that Fukushima is as bad as Chernobyl? Well, since you can’t get higher than 7 on the scale, it’s impossible to use this numerically to answer such a question on the basis of their categorical INES rating alone. It just tells you that both events are in the ‘major league’. There is simply no event rating 8, or 10, or whatever, or indeed any capacity within the INES system to rank or discriminate events within categories (this is especially telling for 7). For that, you need to look for other diagnostics."

MHGonçalves disse...

Sim sim o mesmo local e muitos outros locais a volta de fukushima, zona declarada nivel 7 maximo de perigosidade em acidentes nucleares, não declarada pela euronews mas pelo governo japones.

Fujam fujam


"A Comissão de Segurança Nuclear do governo estima que a quantidade de material radioativo que vazou dos reatores de Fukushima chegou ao máximo de 10 mil terabequerels por hora em um determinado ponto por diversas horas, o que classificaria o incidente como um grande acidente, de acordo com a escala internacional de intensidade Ines.

A escala elaborada pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) classifica os acidentes nucleares e radiológicos de 1 a 7."

Como eu vinha dizendo desde sempre o inevitavel é inevitavel e acontece, não tem ideologias a obedecer, por isso ha quem custe a entender mas como agua mole em pedra dura tanto da ate que..... algum dia entendem.

Mas atenção ao tabaco e acidentes de viação e nunca por nunca fumem um charro de plutonio, faz mal a saude e mata.

MHGonçalves disse...

"Você é incapaz de perceber, sequer, que se trabalha melhor na central sem o fardo de trabalhar com habitantes nos arredores da central."

perolas, fujam e deixem-nos trabalhar se voltarem é daqui a muitos anos. Este é doido.

MHGonçalves disse...

"Toma café sem problemas mas não cafeina. A sua impossibilidade em distinguir café de cafeína explica a sua impossibilidade em distinguir nível de radiação de quantidade de material radioactivo"

È a sua impossibilidade é comparar as coisas que existem na natureza normalmente com aquelas em que nos concentramos as propriedades e por isso as tornamos perigosas como a radioactividade. irra que as sua ideias vão a arrasto dos factos. A radioactividade pode ser necessaria, não benefica, por exemplo ninguém constesta os raios X, e se apanhar umas radiações de vez em quando não tem problemas mas um profissional sem protecção ou alguem que apanhe doses maciças ja tem problemas, a este custa aperceber onde esta a perigosidade das coisas.

MHGonçalves disse...

Chega a ser comovente ouvir as suas comparaçoes

MHGonçalves disse...

"tenha omitido que, entretanto, se verificaram mais dois fortes abalos "

Ah eis o problema foram os abalos psoteriores,ca temos um meio para nos agarrarmos e desculparmos, não deixa de ser o mesmo problema e a mesma natureza a provar que a energia nuclear pode ser um grande problema. Se não for a primeira..... irra ja chega.

RioD'oiro disse...

MHG:

"Como eu vinha dizendo desde sempre o inevitavel é inevitavel e acontece, não tem ideologias a obedecer, por isso ha quem custe a entender mas como agua mole em pedra dura tanto da ate que..... algum dia entendem. "

Meu caro, isso nada significa, mas rigorosamente nada.

Se eu viver o tempo suficiente acaba por me cair um avião em cima. Se eu viver o suficiente, acaba por me cair um meteorito e cima.

Dizer que aquilo que pode acontecer acontecerá nada quer dizer.

O Sol acabará por estoirar, mais tarde ou mais cedo, sabemos. Sabemos que é pouco provável que ele estoire amanhã, mas a probabilidade existe.

O que o MHG pretende é dizer que o que pode acontecer acontecerá, certamente amanhã. Essa é velha e desmonta-se facilmente.

"A escala elaborada pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) classifica os acidentes nucleares e radiológicos de 1 a 7."

Claro, mas isso nada em a ver com a física. A escala acaba aí, significando que se os 4 reactores tivessem expelido a totalidade do seu miolo o grau seria o mesmo. É mais uma falácia sua que se desmonta com esta facilidade.

"È a sua impossibilidade é comparar as coisas que existem na natureza normalmente com aquelas em que nos concentramos as propriedades e por isso as tornamos perigosas como a radioactividade."

Exactamente o que se passa com a cafeína. Se a tomar algumas gramas de cafeína pura morre em poucos minutos. Se tomar a mesma dose de plutónio vive muitos anos, provavelmente todos os que teria para viver.

"A radioactividade pode ser necessaria, não benefica, por exemplo ninguém constesta os raios X, e se apanhar umas radiações de vez em quando não tem problemas"

O tanas. Se lhe fizerem um TAC você passa o limite da escala. Dois TACs num ano e qualquer radiologista torce o nariz. E há quem tenha que fazer 3, 4, etc. Claro que a ressonância contorna o problema mas é cara.

A dose de variação de meia dúzia de TACs é significativa mas em termos estatísticos diminui a esperança média de vida nuns dias. No caso de Chrnobyl, quem ficou exposto em Pripyat viu reduzida a esperança média de vida nuns meses. Em Pripyat a população levou doses de radiação astronómicas, não contempladas a escala do seu "7".

"Ah eis o problema foram os abalos psoteriores,"

Também. Ou você acha irrelevante?

Entretanto, o nível de radiação na zona tem baixado desde há mais de 15 dias a esta parte. Porque você se apoquenta agora? Marqueting?

RioD'oiro disse...

Resumindo, o nível de radiação desce, a escala sobe. O MHG mostra-se preocupado com a escala mas não aliviado por haver menos radiação.

E depois diz que a sua preocupação são as pessoas.

Não longe daquele local ardeu uma refinaria. Ardeu durante mais de uma semana libertando tudo quanto é veneno que foi espalhado por centenas de quilómetros. Trata-se daqueles venenos que são libertados em quantidades minúsculas na co-incineração das cimenteiras.

E onde anda o pranto da Euronews. E onde anda o seu pranto?

RioD'oiro disse...

Use os números anunciados pelos "ecologistas" nacionais relativamente aos furanos das cimenteiras e aplique-os à refinaria que ardeu. Ficaria algum japonês vivo?

RioD'oiro disse...

MHG,

Cuspir para o ar é fácil, especialmente quando se têm motivações de propaganda ou proto-religiosas.

Da sua bem amada Euronews:

http://www.euronews.net/2011/04/13/fukushima-is-no-chernobyl-say-nuclear-experts/

.

RioD'oiro disse...

http://mitnse.com/2011/04/12/new-provisional-ines-rating-a-chernobyl-primer/

RioD'oiro disse...

"So headlines like ‘Fukushima is now on a par with Chernobyl‘ can be classified as semantically correct and yet also (potentially) downright misleading. Still, it sells newspapers."

http://bravenewclimate.com/2011/04/12/fukushima-ines-7/#more-4419

MHGonçalves disse...

http://www.youtube.com/
watch?v=yp9iJ3pPuL8


É pa o senhor verborreia, não escreva tanto é só cingir-se a realidade, vive toldado pelo energy power e ainda não se apercebe da realidade que lhe venho dizendo, acredita na empresa japonesa e no governo, que mentem. No entanto vão alargando a zona de segurança e vão elevando os niveis. Fukushima e zonas limitrofes estão entregues a natureza no seu melhor so habitada por animais, os contadores geiser disparam para valores absurdos, é só ver o video de jornalistas japoneses, mas isso não interessa para quem não sabe que o o inevitavel é inevitavel e é arrastado pelos factos ja que não tem ideias. So diz asneiras, deixa-los teimar. Escreve por escrever para que ligar a isto.

RioD'oiro disse...

Leia os dados, comente os dados, pare de gafanhotar no vazio.

http://www.jaif.or.jp/english/news_images/pdf/ENGNEWS01_1302743464P.pdf

http://www.jaif.or.jp/english/news_images/pdf/ENGNEWS01_1302743929P.pdf

Site:
http://www.jaif.or.jp/english/

MHGonçalves disse...

É só ver o video e comparar com o seus dados, o video diz mais que toda a sua verborreia,como quando diz isto:

"O que está dentro da central é absolutamente mortal, como é mortal o que se passa em muitos laboratórios farmacêuticos, muitas fábricas"

Não é não o que se passa dentro da central é muito diferente~, faz fugir as pessoas, afecta o ambiente faz mal a saude, mas há quem não veja nada a sua volta,nem a realidade. Deixe lá são os efeitos dos acidentes de viação e do tabaco.

E la vem ele com propaganda da industria atomica do japão, valha-lhe deus, nada como ver a realidade mostrada nesse video por jornalistas, o resto é treta.

A ignorância mata, não deixe que os factos andem a frente das ideias, pois foi assim que se descobriu o famoso refrão popular casa roubada trancas a porta.

Minha nossa....

RioD'oiro disse...

Factos. Deixe o spin.

Factos.

RioD'oiro disse...

Caro MHG,

Leia os comentários do vídeo e aprenda.

MHGonçalves disse...

Isso digo eu, aprenda e veja, sobretudo veja o alarme e a desolação, desocupação, abandono humano dos povoados e aprenda, aprenda muito, o que eu acho que ja não vai lá.

Mas teimem em não ver, teimem, deixa-lo teimar.


Fukushima, Chernobyl prypat
e as semelhanças.

http://www.tripadvisor.com.br/
VideoGallery-g298058-i18489014-Chernobyl.html#18489014

chernobyl, prypat

fukushima
http://www.youtube.com/
watch?v=yp9iJ3pPuL8

A ignorancia mata.

MHGonçalves disse...

Mas atenção tenha cuidado com os acidentes de viação e o tabaco, as farmaceuticas, as fabricas e tudo o mais, isso são tudo efeitos disto. valha-lhe nossa senhora do amparo.

RioD'oiro disse...

MHG,

Esqueceu-se dos furanos.

O que o chateia é que o nuclear sai fortalecido da refrega.

Vá comendo o chapéu.