sábado, 16 de julho de 2011

De quando Vasco Santana não precisa...


... de candeeiro.

14 comentários:

José Damião disse...

Chapeus ha muitos seu palerma, guarde la o lume para si.

Carmo da Rosa disse...

Se o Marinho Pinto foi "simplista, populista e demagogo" (uma pena não ter acesso ao debate!) o Rangel, no pouco que pude ver, foi tudo isso a dobrar...

José Damião disse...

O dr marinho pinto é um tipo porreiro, tem é aquela mania que os estudantes de direito depois de formados na universidade tem de se formar também na "universidade do dr. Marinho", porque o dr marinho não confia no ensino das universidades, e não confia no mercado como selecção, ou tem medo do mercado que vai fazer a selecção, e ai sim se veria como cada um se safa na vida acabando muitos a dar aulas ou conduzindo taxis. Concerteza que quando se formou o dr marinho não passou por nada disso, licenciou-se e foi logo a correr inscrever-se como advogado, coisa que agora quer impedir aos novos candidatos para proteger a corporação. O tribunal cconstitucional ja disse ao doutor marinho que isso é inconstitucional e não o pode fazer, se calhar a saga do dr marinho contra os juizes tem a ver, sei lá, com uma possivel frustração em nunca ter sido juiz. Se o dr. Marinho pinto quer por em causa o aprendizado nas universidades, a pedagogia e as tranformaçoes que sofreu desde que ele se formou, que o discuta politicamente, que procure alterar a formação dos formandos antes de concluida, os programas de direito, e que não crie dificuldades adicionais por sua propria vontade dizendo que ha muitos advogados a formar-se para proteger a sua profissão, a sua coporação, a sua quinta. Isto não pode ser um novo “condicionamento industrial” de acesso a profissão, e então o mercado?????. Se se tem capacidade para ultrapassar essas barreiras no ensino que lute por outras mais dificeis a nivel da universidade e não procurando que os aprendizes acabados de formar saibam ja dizer a missa na totalidade e sem erros.

Carmo da Rosa disse...

José Damião, limite-se ao debate que já tem pano para mangas. Ao tentar dizer tanta coisa sobre o Marinho vai dificultar a leitura e a compreensão, já parere um advogado - português!

José Damião disse...

O debate ah sim o debate, qual debate?

Aquele em que o dr marinho pensa que as culpas do sistema de justiça são sempre dos juizes e/ ou da ma formaçao dos advogados novatos? Do poder dos juizes diz ele, quando quem tem mais poder até são os advogados que com as suas chicanas legais bloqueiam processos, atrasam julgamentos, adiam ou impõe diligencias, e a lei permite que todos eles principalmente os mais conhecedores dos truques das leis os possam usar a seu bel prazer sem interferencia do juiz, alias se o juiz se opoe pede-se a substituição do juiz, e levando processos ate ao arquivamento. Ah o debate.

Carmo da Rosa disse...

O dr marinho tem é aquela mania que……

o dr marinho não confia…..

o dr marinho tem medo do mercado…..

o dr marinho não passou por nada disso ….

o dr. Marinho quer por em causa …..

Caro Damião, você que sabe tudo, acha que o dr. Marinho também quer que a gente toque à punheta com a mão esquerda (caso não sejamos canhotos por natureza) ?

José Damião disse...

Não para isso basta voce. O dr marinho precisava de muitos pela frente que o afrontassem como o rangel cara a cara, não se vitimizando. Mas de facto é um gajo porreiro que visita presos, e da extrema direita, genero mario machado perfilhantes de ideologias nazis e acusados de crimes, mas que parece que são prisioneiros politicos. Isso o dr marinho também percebe.

José Gonsalo disse...

Carmo da Rosa:
O Paulo Rangel não pode ter sido mais demagogo e populista do que o sr. Bastonário, pela simples razão de que este, justiça lhe seja feita, é imbatível nessa matéria.
Nisso, aliás, como sabe, estamos em desacordo. E julgo que se vivesse por cá e tivesse tido atenção ao jogo de cintura desenvolvido pela personagem ao longo destes anos, não andaria muito longe do meu ponto de vista.

Carmo da Rosa disse...

José Gonsalo: “….não andaria muito longe do meu ponto de vista..”

Talvez, mas com os dados que me são fornecidos dificilmente posso ter outra opinião! O Rangel diz cobras e lagartos do outro mas não prova coisa nenhuma – pelo menos naquilo que pude ler e ouvir. O Marinho pelo menos é claro: diz que é contra duplas funções…

José Damião disse...

Ah!!!! duplas funçoes, e então só os advogados/deputados "sujeitos ao dr marinho profissionalmente", tem que abdicar ou suspender a anterior profissão, É que o estatuto dos deputados ja tem muitas limitaçoes ja diz que: os deputados (advogados também)) estão impedidos de celebrar contratos com o estado e outras pessoas colectivas de direito publico, participar em concursos de fornecimento de bens e serviços, empreitadas ou concessoes em empresas que tenham participação superior a 10% do capital social. Exercer o mandato judicial como autores nas acções cíveis, em qualquer foro contra o Estado; Patrocinar Estados estrangeiros; Membro de corpos sociais das empresas públicas, das empresas de capitais públicos ou maioritariamente participadas pelo Estado e de instituto público autónomo; Beneficiar, pessoal e indevidamente, de actos ou tomar parte em contratos em cujo processo de formação intervenham órgãos ou serviços colocados sob sua directa influência.

Quais as ideias do dr marinho para melhorar a justiça e funcionar celere? não sabem. Mas sabem as que caem no goto de certa rapaziada e que gostam de ouvir o dr. Marinho, duplas funçoes e nem conhecem as limitaçoes ja existentes, faz acusaçoes vacuas contra advogados /deputados mas o demagogo é o outro.

Carmo da Rosa disse...

José Damião disse: ”Quais as ideias do dr marinho para melhorar a justiça…”

Acabar com as duplas funções: uma mão a tocar à sebastiana e outra a guiar o Audi A8 é muita areia para a camioneta de um advogado médio…

José Damião disse...

Ah ah ah, isso quando muito era acabar com compadrios e corrupçoes. Voce nem isso percebe.

De vez em quando chegam ca uns perdigostos de quem não esta ca, mas enfim se fosse coerente dizia de facto as ideias do dr marinho para o funcionamento dos tribunais e da justiça e não as ideias do marinho em relação ao deputados/ advogados, esses sujeitos do cambão na sua terminologia. Porque há outro aspecto, e é por isso também, por essas limitaçoes todas, que ninguém que tenha sucesso a nivel privado vai para a politica, a não ser aqueles que se formam e querem escapar a universidade e exame do dr marinho. Esses irão para deputados, mas depois como nem um regulamento de condominio sabem elaborar tem que recorrer aos escritorios de advogados a sério para não criar mais problemas do que os que ja criam diariamente, essa e que é. Voce se não quer mandar perdigotos dai para cá, diga se os deputados do “seu pais” são obrigados a renunciar a profissão para exercer cargos politicos?

Mais ou menos como isto que aconteceu recentemente em italia

“Na Itália, um advogado tem de ser, exclusivamente, advogado e profissional liberal. Caso contrário, perde o registro na Ordem dos Advogados. A restrição à advocacia italiana foi validada na semana passada pelo Tribunal de Justiça da União Europeia. A corte considerou que a lei que impede um advogado de ser funcionário público não viola o Direito Comunitário. Aproveitou e falou que a restrição pode se estender para o advogado que trabalha como assalariado de outra empresa. Em ambos os casos, ou deixa o salário certo todo mês ou perde a carteira da Ordem”

E ja agora eu acrescento vamos ter advogados de primeira e segunda, porque as outras classes parece que não são o objectivo da furia das duplas funçoes, nem as respectivas ordens e bastonarios pugnam por isso. É que isso não pode ser uma “boutade” do dr marinho que quer obter do governo uma mudança dos estatutos na ordem dos advogados para suspender por ele mesmo a inscrição dos deputados que não o façam presumo. Parece o objectivo da dupla funcionalidade tem a ver com advogados escritorios de advogados e sobretudo invejas de quem não consegue mais, mas so pensa em cambões.

Carmo da Rosa disse...

José Damião, tanta palavra e não percebi a ponta de um corno! Se tivesse escrito o seu comentário em japonês teria precisamente o mesmo efeito!!!

José Damião disse...

O Pá de facto,se não sabe o que se passou e passa no país, falar para gente assim, é mais compeensivel perceberem o dr marinho. Adiante que se faz tarde. Então o sr não foi capaz de me dizer se no seu "pais", um deputado, ou deputado/advogado, é obrigado a abandonar ou suspender a profissão para exercer um cargo politico, até um analfabeto funcional entende isto, livra.
Isso é o efeito de conduzir o audi só com uma mão, olhe preste atenção a policia. Sabe que mais, vá dar uma volta ao bilhar grande e deixe de perdigotar para cá.