domingo, 9 de outubro de 2011

Catastróficas profecias de imbecis famosos (4)

No Espectador Interessado:
«In searching for a new enemy to unite us, we came up with the idea that pollution, the threat of global warming, water shortages, famine and the like would fit the bill»

-- Clube de Roma, The First Global Revolution, 1992

«Na busca de um novo inimigo que nos unisse, surgiu a ideia de que a poluição, a ameaça de aquecimento global, a falta de água, a fome, e outras coisas afins serviriam na perfeição»

10 comentários:

Streetwarrior disse...

Exactamente...a bela iniciativa Neocom.
Antes tinha sido a União Soviética e a guerra fria.
Quando se acabou esse bicho papão, o islão veio mesmo a calhar com a viragem dos talibãs que os EUA criaram, financiando-os.
O Islão e o Aquecimento global, são os novos Papões que alimentam toda uma industria do medo, servindo para moldar as massas.

Pelos vistos, aqueles que não engolem a história do Papão do Aquecimento Global, engolem a dos Islãmicos malvados que querem dominar o mundo e impor a Sharia.

RioD'oiro disse...

O Streetwarrior não tarda está a vender a teoria de que a queda das torres gémeas se deveu a uma ataque de submarinos disfarçados de aviões. Esperem só mais um bocadinho.

Streetwarrior disse...

Ora ai está um argumento á altura do Rio.
Fraco, como sempre.
Seu....Seu...indignácaro.

O-Lidador disse...

Viva, Rio. Já, numa conferência sobre identidade e cultura, expus mais ou menos esta ideia. Na busca "iluminada" de um mundo kantiano, percebeu-se, algures, que só é possível uma governança mundial (que alguns acham ser um objectivo "bom") se houver uma identidade global. Ora as identidades forma-se, em grande medida por oposição ao "outro". Sabemos quem somos, quando sabemos quemnão somos e, frequentemente, contra quem somos. A identidade portuguesa forjou-se assim, contra leoneses, castelhanos, mouros, etc. Se houvesse extraterrestres agressivos, a identidade global estava garantida. Como não há, as chamadas "ameaças globais" ( ambiente, clima, etc) são uma tentativa de criar esse inimigo.
Mas isso não resulta, porque não só não é uma ameaça inteligente, como acaba por descambar no ódio a si mesmo, já que os seus proponentes, alegando querer salvar a espécie humana, acabam por culpar a mesma espécie humana.

RioD'oiro disse...

Bem visto, caro Lidador.

RioD'oiro disse...

Tomei a liberdade de postar o seu comentário aqui, onde a discussão vai quente:

http://www.profblog.org/2011/10/os-professores-prestam-se-ser.html#more

.

Streetwarrior disse...

Ai agora já concordam que eles querem criar um Governo mundial.
Já não é teoria da onspiração como afirmavam á meses atrás.
Deixa-me advinhar...Sempre o disseram.

RioD'oiro disse...

Eles, quem?

Governo mundial para o clima. Foi em Copenhaga.

Já havia essa ideia anteriormente (proletários de todo o mundo uni-vos). Mas o SW acha que são os "sionistas", ou não?

O-Lidador disse...

"eles querem"

"Eles", quem?

Veja se assenta no chão. A ideia de que uma governança mundial é boa para a paz, vem do tempo de Kant. É uma filosofia que une pessoas oriundas do racionalismo iluminista. Deixe de ver tudo em termos de "eles" e perigosas conspirações secretas de individuos maléficos. São as ideias que movem o mundo e influenciam os comportamentos, não os fios secretos de organismos imaginários, intemporais e omnipotentes (ou seja, deuses e demónios). Essas pessoas estão, basicamente nos partidos de esquerda e da multiculturalidade. É uma crença, um upgrade do internacionalismo proletário, a ideia de que o mundo se vai unir sob o comando de gente esclarecida e bem intencionada. As guerras nacionalistas do séc XX, mais aprofundaram a convicção destas pessoas.

Streetwarrior disse...

"A ideia de que uma governança mundial é boa para a paz, vem do tempo de Kant. É uma filosofia que une pessoas oriundas do racionalismo iluminista"

A Sério?..Ah Lidador, deixe-se lá dessas teorias da conspiração e conspirações secretas de organizações lideradas por iluministas.

A pouco e pouco perceberão que não estão só do lado da esquerda...o lá o que isso seja.