domingo, 9 de outubro de 2011

Da orgia entre demónio e salvadores do universo

No Cachimbo de Magritte:



Aqui está um belo apanhado destes protestos contra o capitalismo da extrema-esquerda americana. Faz-me recordar os muitos elogios que li por aí (inteiramente merecidos, diga-se) da esquerda anti-capitalista a Steve Jobs, talvez o maior expoente do capitalismo e da inovação da economia norte-americana das últimas décadas. Continuem com a mesma coerência rapazes.

Entretanto (pela mesma fonte), os mesmos indignácaros que se "indignaram" quando o "império" não protegeu os mudeus iraquanos tentaram vandalizar o National Air and Space Museum do Smithsonian.
.

6 comentários:

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Nenhuma das empresas mencionadas na imagem tem sede em Wall Street e são todas do sector produtivo. A manifestação não é contra elas.

RioD'oiro disse...

Ah, pois claro. E onde se vão elas financiar? Quem são os seus accionistas?

O-Lidador disse...

"Nenhuma das empresas mencionadas na imagem tem sede em Wall Street "

Claro que não. Wall Street não é sede de empresas, é a rua onde funciona o mercado de acções, a bolsa de Nova York.

É lamentável,mas esclarecedora, a ignorância económica de maioria dos portugueses. A educação que se ministrou até agora, não dá nenhuma ideia aos jovens de como funciona o sistema económico em que vivem, tornando-os presas fáceis dos slogans populistas. Para que conste, JLS, um mercado bolsista é como o mercado do Bolhão, mutatis mutandis.
Só que em vez de nabos, transaccionam-se títulos de propriedade das empresas.
Para que serve isso?-perguntará qualquer esquerdista ignaro, a arder de fúria anti-capitalista.

Eu digo-lhe: para as empresas, serve-lhes para se capitalizarem sem recorrer aos odiados bancos.
Para os compradores, a uns serve-lhes para serem coproprietários e terem parte dos lucro s(dividendos) e votos na assenbleia geral; a outros serve-lhes para fazerem dinheiro, comprando em baixa e vendendo em alta.

Como no Bolhão, só compra quem quer e só vende quem quer. Livre mais livre não há.

Fusível Ativo disse...

As ideologias políticas pecam quando são radicais. Lá por uma pessoa ser de extrema-esquerda não tem que distribuir o seu ordenado pela rua nem privar-se de certas coisas.

Da mesma forma, uma pessoa de extrema-direita também pode não ligar a marcas e não é obrigatoriamente um betinho.

Achar isso de cada posição política é pedir que todos devam ser radicais nas suas ideologias.

Isso é errado.

RioD'oiro disse...

FA:

"Lá por uma pessoa ser de extrema-esquerda não tem que distribuir o seu ordenado pela rua nem privar-se de certas coisas."

Pois não. Mas é da praxe que quem é de extrema-esquerda reclame que os que têm o que eles também têm (mas não querem que se note) lhes entregue o que tem.

Se havia dúvidas desapareceram quando do apoio da extrema-esquerda à selvajaria BlackBerry.

Fusível Ativo disse...

Casos completamente diferentes. Seja como for, não sou a favor de radicalismos, sejam de esquerda ou de direita. Acabam quase todos da mesma forma.