sábado, 8 de outubro de 2011

SCUTs ... e o fogo tentado apagar por indigestão

Todas as SCUTs vão ter portagem até ao fim do mês.

É um excelente exemplo daquilo em que resulta a implementação de "direitos", "políticas de desenvolvimento", "políticas de igualdade", etc, etc, paradigmas do socialismo requentado dos derrotados da cortina de ferro.

Qual o erro? Aplicar impostos para gastar em determinada coisa e depois gastá-los noutra. Gastá-los em coisas inconfessáveis, coisas que revelariam que os impostos anteriormente lançados ou não taparam os buracos em que os governos os despejam ou foram parar a novos buracos igualmente inconfessáveis mas "garantidamente" inexistentes.

Porque têm as SCUTs que serem pagas? E será que ficam desta vez mesmo pagas? Já subiram os combustíveis para pagar as SCUTs, já se subiu o IVA para pagar as SCTUs, ..., ...,

Bastaria que o estado entregasse as concessionárias o imposto sobre os combustíveis consumidos nessas vias para que elas ficassem pagas em menos de um fósforo. Mas o princípio do utilizador múltiplo pagador dá nisto, em coisa nenhuma. A ausência de estanquidade (estanquicidade?) entre a cobrança de impostos e o local anunciado para sua aplicação permite que toda o graveto se esfume sabe-se lá onde. É o estado-bombeiro atirando tudo ao fogo na esperança de o apagar por ... indigestão.

Sem comentários: