domingo, 2 de outubro de 2011

Termómetros terrestres

Há 3 razões porque as estações terrestres de recolha de dados de temperatura não sejam fidedignas ao ponto de já ninguém sabe para que servem. No projecto Surface Stations fez-se um notável trabalho de visita e classificação das estações pelo menos nos Estados Unidos.

1 - A colocação de uma significativa quantidade de sensores não lembra nem ao diabo. Uma boa parte deles está localizado nas cidades onde o efeito bolha de calor torna as leituras um disparate.

2 - Os dados recolhidos foram tão "processados" que já ninguém sabe onde estão os dados originais.

3 - De entre o universo total de sensores, têm vindo a ser seleccionados como amostra apenas alguns sem que o critério de selecção se consiga apurar.

O disparate atingiu tais proporções que apenas os dados de satélites são agora considerados como precisos. O problema é que só há dados desde os anos 70.

Um dos criativos truques usados para martelar os dados dos sensores terrestres de temperatura é o seguinte. Pega-se num sensor que esteja há anos instalado num local apropriado mas nos arredores de árvores e muda-se para a sua sombra. Estando agora à sombra, há que corrigir os dados obtidos somando uma constante que corresponda à diferença de temperatura Sol-sombra. Tudo pareceria correcto não fosse dar-se o caso das árvores, no inverno, perderem a folhagem. O sensor fica ao sol, a constante mantém-se e a temperatura no Inverno fica mais ... amena.

Sem comentários: