quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O Triplo "Win" de Papandreou

O Primeiro-Ministro grego tomou a decisão política de realizar um referendo sobre o acordo com a U.E. de perdão de 50% da dívida grega e a imposição de novas medidas de austeridade. Seja qual for o resultado, Papandreou sairá vencedor:

- Se os gregos votarem SIM, o Governo grego fica democraticamente legitimado para aplicar as decisões do acordo com a U.E e esvazia a contestação parlamentar e de rua;

- Se os gregos votarem NÃO, o Governo grego fica democraticamente legitimado para aplicar as decisões económicas de regresso ao dracma e também esvazia a contestação parlamentar e de rua. A Grécia entrará em incumprimento mas as opiniões públicas e publicadas, internas e externas, passarão a responsabilidade do facto para a “falta de solidariedade da U.E.”.

-Mas há ainda uma terceira hipótese: Merkel e Sarkosy pedem hoje a Papandreou que não faça um referendo porque: referendos e União Europeia são conceitos incompatíveis, e; a U.E. vai perdoar a totalidade da dívida grega e ainda aligeirar os rigores das medidas de austeridade decididas aquando do anterior haircut de 50%. (É possível que fique um remanescente pequeno, tipo 10%, só para fingir que o perdão não é total).

6 comentários:

RioD'oiro disse...

Nem quero pensar os efeitos secundário (para os restantes membros) da terceira hipótese.

Que governante poderia defender perante os seus eleitores a não reclamação de idêntico tratamento?

Paulo Porto disse...

Caro RD
Os efeitos secundarios entre perdoar 50% da divida grega e perdoar tudo são pouco significativos. Para a Comissão, pode ser um preço a pagar para manter o sonho (deles). E eh por isso que perdoar tudo é uma hipótese com probabilidade não negligenciável.
Permanecem três questões: (1)ninguém fala em défices orçamentais zero; continuamos a ouvir a cantiga de "venda de dívida" aa China e ao Brasil.
(2) Quando chegar a vez da Italia e da Espanha não vai haver dinheiro que chegue e o estoiro é inevitável;
(3) Fica para o próximo post.

O-Lidador disse...

Penso que Papandreu, como homem, atingiu o limite.
Está sózinho contra todos, todos lhe exigem milagres, os militares agitam-se, isto é como dizer: estou farto disto, se não querem não querem, decidam vocês e não me chateiem mais.

Quanto ao perdão total, mesmo que a zona euro o fizesse, uma grande percentagem da dívida nem sequer vem daí e não me consta que outros, como o FMI, vão pelo mesmo caminho.
Enfim, estamos a assistir a um filme estranho.

Paulo Porto disse...

Caro Lidador
Não estranhe, é mais um caso de insolvência de um Estado soberano; houve muitos no passado, e este não será o último.
A diferença neste caso é que a Grécia não pode desvalorizar a moeda, o que impede que uma economia pouco competitiva tenha hipóteses de crescer, ainda que aa custa de alguma inflação.

Fusível Ativo disse...

Assim se vê bela "ajuda" que a europa dá aos países que precisam.

RioD'oiro disse...

FA:

"europa dá"

A "europa" não pertence ao grupo dos que pode dar. Pertence ao grupo dos que precisa.