quarta-feira, 28 de março de 2012

Obama, o flexível

Há dias Obama foi apanhado a dizer a Medvedev, actual presidente da Rússia, que as exigências russas sobre a defesa antimíssil, seriam facilmente atendidas no seu segundo mandato.

Mas agora não, agora ele tinha de ganhar as eleições.

Ou seja, Barack Obama, que começou o seu mandato a trair os aliados Polónia e Rep Checa, nesta mesma questão, está a dizer que deixará milhões de pessoas, na Europa e nos EUA, vulneráveis a mísseis balístcos, apenas para apaziguar os inimigos declarados do seu país.

E disse também que igualmente está disposto a trair os eleitores americanos, fazendo exactamente o oposto daquilo que, em campanha, promete fazer.

O problema é que, provavelmente, não será só na defesa antimíssil (a defesa antimíssil é um sistema defensivo, visa apenas proteger as cidades de mísseis balísticos lançados pelos inimigos), mas em tudo o resto.
Obama viu-se impedido, durante o seu mandato, de levar mais adiante as suas verdadeiras convicções, numa séria de assuntos, desde a questão israelo-árabe, a Guantanamo, passando pela socialização e comunitarização de largos sectores da vida privada.
Fez bastantes estragos (economia, Fast and Furious, Obamacare, Israel, Polónia, Rep Checa, Egipto, Irão, etc) mas, ainda assim, algo limitados pelo sistema de checks and balances, e por algum temor mediático, essencialmente vindo da Fox News e de jornais não apologéticos.

Num segundo mandato, é ele que o diz, estará à vontade no topo do mundo. Fará o que lhe der na bolha, como explicou, bem explicadinho, ao títere de Putin.

Espero que os republicanos explorem até à exaustão esta demonstração, em directo e ao vivo, da perigosa duplicidade de Obama.

1 comentário:

RioD'oiro disse...

http://oinsurgente.org/2012/03/31/e-agora-obama-20/

http://oinsurgente.org/2012/03/31/e-agora-obama-2-2/