sábado, 19 de maio de 2012

Comentadores

Ouvir hoje comentadores falarem sobre o que se passa na "europa" é extraordinário porque a cada frase dizem algo e o seu contrário.

À medida que o projecto "europa" se foi sedimentando foram-se somando os vectores políticos dos seus componentes e a soma foi sendo zero. A inviabilidade económica do projecto fundamentada numa regulamentação asfixiante que ninguém pediu nem controla aliada a um voluntarismo de cariz claramente socialista de gente bem pensante que supõe ter o dom de decidir de forma correcta não só sobre a vida dos "seus" mas do restante mundo, trouxe o espectro da URSS a toda a "comunidade" e redundou, um pouco tardiamente, no afloramento da falência das respectivas economias. Umas já no buraco negro, outras na sua espiral, outras lutando para lá não entrar, enfim, nenhuma resta sadia.

A inaptidão dos mais clássicos comentadores políticos prende-se à sua permanente convivência tornada conivência com o absurdo dado como coisa natural. Medina carreira é uma das muito poucas honrosas excepções.

Tendo vindo a fazer o seu caminho, talvez para ele próprio inesperado, Medina carreira tem revelado uma clarividência notável corrigindo o seu próprio tiro, a devido tempo e em campos que menos dominava.