quinta-feira, 17 de maio de 2012

O FILHO DO NIVALDO CORDEIRO...

 



Deu algum trabalho mas encontrei finalmente o filho do Nivaldo Cordeiro. Sabia que ele tinha um filho, mas o uso de um pseudónimo e estadia noutro país é o suficiente para baralhar e complicar a busca. A única coisa em comum entre pai e filho, à parte ligeiras semelhanças físicas (os lábios carnudos a denotar uma excessiva inclinação para o sexo), é a utilização do YouTube para comunicar com as massas – modernices!

Só que o filho, farto das palestras puritanas do pai contra sexo e copos, foi estudar para o local mais afastado possível da casa materna: Austrália. E o raio do rapaz, em vez de estudar politicologia (a vontade do pai) ou teologia (a vontade da mãe) tornou-se um excelente comediante na língua local e, para se desligar completamente da família, adoptou um pseudónimo estrangeiro: Jim Jefferies.

Espero ter escolhido a conferência que mais se adapta ao dia de hoje: quinta-feira da ASCENSÃO.


Eu sei que estou num país cristão [EUA] e respeito o vosso direito de serem crentes, mas por favor, admitam que estão errados...

(…)

Não tenho medo de morrer porque sou ateu. Quando estiver debaixo de terra nem sei que estou morto. Sabem porquê?  Because I’m fucking dead...

(…)

A ideia de passar a vida inteira a pensar na existência de um paraíso no céu e a remota possibilidade de lá ir parar é tão stressante: onde está o meu passaporte? Não posso dar uma chapada na mulher!

De qualquer forma, se formos para o céu a coisa é eterna, vamos acabar por nos habituar e a coisa vai-se tornar uma chatice. Dizem que no inferno é só fogo e agonia, mas isso é o que está escrito na Bíblia, e a Bíblia é o livro de Deus.

E tanto quanto sei o Diabo não escreveu um livro. Não sabemos a outra versão da história pois não? Deus e o Diabo têm opiniões diferentes e na minha opinião o Diabo é que é um gajo às direitas, porque Deus difamou-o por escrito e ele virou-lhe apenas as costas sem comentar...

(…)

Vejamos a coisa de forma racional, os cristãos gostam de ver as coisas de forma racional: Deus criou e manda em todo o universo excepto um local, o INFERNO, um local que é dirigido pelo Diabo. Deus e o Diabo não se dão bem, são grandes inimigos.  E como já vimos, quem se portar mal vai parar ao Inferno: mentiste, roubaste, foste um cabrão a vida inteira, mas agora, pensem lá um bocadinho:

PORQUE CARGA DE ÁGUA É QUE O DIABO TE VAI CASTIGAR? TU FAZES PARTE DA SUA EQUIPA….



10 comentários:

ml disse...

E é bem feito... Todos os Nivaldos deviam ter um filho destes, mesmo que de uma outra nacionalidade, lol! Castigo para os Nivaldos por serem uma soooooda soporífera e material de trabalho inesgotável para os filhos.

Leu 'A Morte e a Morte de Quincas Berro de Água', de Jorge Amado? Vale a pena. O senhor Joaquim Soares da Cunha um dia morreu. Acontece. A família para evitar vergonhas organizou um funeral muito compostinho, muito nivaldinho ao funcionário público. Os amigos chegaram ao velório e levaram-no para mais uma noite de copos.

ml disse...

Os brasileiros, tão dados ao samba e boa disposição e que mesmo em assuntos sérios e complicados conseguem lançar mão de um humor fresco e certeiro, não sei como aguentam cinzentões como os Nivaldos e o astrólogo Olavo. É um mistério...
Num país grande há sempre público para tudo, é o que é...

Paulo Porto disse...

CdR
Este gajo eh bêbado e parvo ou eh bêdado mas não eh parvo?
Explico-me melhor, ele soh conta piadas sobre o cristianismo ou tamben faz conta piadas sobre o islamismo?

José Gonsalo disse...

CdR:
A última tirada estou farto de a ouvir a muita gente, inclusive a mim, como interrogação, desde muito novinho. O resto, não tem ponta por onde se lhe pegue, de primário.
Onde é que você vê o mérito, cómico ou outro, disto? Já para não falar do que diz o Paulo Porto.
Vive aqui ao pé de mim, um bêbado de melhor raciocínio.

Carmo da Rosa disse...

ML,

Não li A Morte de Quincas Berro de Água, mas se mete copos vou certamente ler… Li do Amado o Mar Morto e vi uma porrada de vezes o filme Dona Flor e os Seus Dois Maridos. E neste filme tem as duas características do povo brasileiro: as diferenças entre os dois maridos da Dona Flor. O vira-pílulas, o droguista com aquela conversa chata e pseudo-científica e o ar importante para impressionar o saloio (que lembra o Nivaldo Cordeiro) e o Vadinho, QUI NUNCA SI DISPEDI….

Dona Flor é outro exemplo di PROGRESSO brááásileiro. Tanto país por esse mundo fora meu Deus, que ainda não está culturalmente e intelectualmente à altura de fazer um filme deste tipo... Alguns já estão quase a ultrapassar a fase do troglodita faminto, mas ainda não estão lá.

Paulo Porto disse: ”…é bêdado mas não é parvo?”

Tem alguma coisa contra o uso do álcool?

Paulo Porto disse: ”ele só conta piadas sobre o cristianismo, ou também conta piadas sobre o islamismo?”

Quer dizer, se eu quiser abordar os enrabanços de criancinhas por padres nos colégios internos nos últimos cem anos, sou quase obrigado a falar também, e imediatamente, dos crimes dos muçulmanos! De outra forma não conta?

Mas para responder à sua pergunta, ele também não poupa o Islão, e fá-lo em público e assina com o seu próprio nome. Vejamos o que diz neste curto vídeo (1:15):

http://www.youtube.com/watch?v=cPEbRSjnuEo

This mussis are mental… I’m calling this microphone Mohamed, right? And this microphone is fucking gay; it’s a gay microphone…

Genial, simples e terrivelmente eficiente.

Carmo da Rosa disse...

José Gonsalo disse: ” Onde é que você vê o mérito, cómico ou outro, disto?”

Caro Jose Gonsalo,

Já lá vamos ao mérito, mas creio que já compreendi o seu problema. O seu problema é não aceitar o fenómeno EVOLUÇÃO: depois do macaco e de várias atribulações, a humanidade chegou enfim ao cavalheiro do século dezoito e você assustado exclamou: JÁ CHEGA!

E porque razão compreendo?

Porque muito simplesmente sofro do mesmo problema. Mas curioso, não em relação a humor, automóveis, sexo ou mulheres. Mas sim em relação à música popular: depois dos Beatles e dos Rolling Stones pára o baile, não conheço nem quero conhecer mais ninguém! De aqui não saio, de aqui ninguém me tira (isto deve ser lido com a respectiva melodia).

Pois é, José Gonsalo, tenho cá uma fezada que no seu caso preciso o humor estacou para sempre algures entre o José Viana e o Raul Solnado… Nada de grave ou de criticável, convém apenas evitar julgamentos precipitados sobre coisas que não se enquadram no nosso esquema mental. Não se pode comparar o humor destes nossos dois compatriotas com o do Jim Jefferies, com todo o respeito que nos merecem, é o mesmo que comparar um telefone de discar com um moderno I-phone 4. Ambos servem para comunicar, mas entretanto a tecnologia não ficou na cama a dormir, houve uma evolução, progresso.

O mérito

O mérito está na rapidez, na precisão e na lógica de ferro com que conceitos complexos são expostos (ainda por cima com humor). Imagine só a quantidade de palavras que você (ou eu, ou o Nivaldo Cordeiro) necessitaria normalmente para explicar o conceito de CÉU e INFERNO? No mínimo umas três ou quatro páginas A4. Sem qualquer garantia que alguém perceba alguma coisa, sem qualquer garantia também que alguém ache piada…

O Jim Jefferies, o Pat Condell, o Hans Teeuwen - tal como Einstein com a sua E=mc2 - são génios que conseguem reduzir dilemas filosóficos em fórmulas simples que toda a gente imediatamente percebe e exclama: CARALHO, claro, como é possível eu não ter visto a coisa desta forma? A descoberta do ovo de Colombo não é para todos. É necessário um quadro mental propício. Aliás, a FaceBook não é mais do que um ovo de Colombo moderno…

Compreende agora a nossa dependência de Bruxelas e do FMI ?

A essência é saber como competir com gente que trabalha mais rápido, mais eficiente e de forma mais agradável…E estas performances não se obtêm com injecções financeiras e muito menos com doutrina. Os Sauditas e os Emiratos Árabes nadam em dinheiro e fé não falta, e no entanto não são capazes de inventar seja o que for. Nem sequer o parafuso de estrela. Tudo é importado. A criatividade não se pode comprar, é preciso criar uma mentalidade propícia à criação, e isso só se consegue com igualdade, democracia, liberdade (sobretudo sexual e também para as mulheres), copos e bastante humor. Sem estes ingredientes em quantidades industriais, nada feito, vamos continuar a ser uma espécie de Marrocos com electricidade…

E agora vou beber um caneco antes de chonar e amanhã veremos o resto – se Deus quiser. BOOOOOOA NÔÔÔTE….

cabeça disse...

Ó Carmo, descuidei-me, não acompanhei, e onde é que já vai a queca brasileira, é no mínimo surpreendente!. Nós portugueses em questões sexuais sempre fomos....como direi! perfeitos cavalheiros, nunca apoiamos os cotovelos em cima da mesa, a boca não vai à colher, ou ao garfo, a cabeça não deve mexer, é feio! é etiqueta. Porcarias na cama não as fazemos, são coisas privadas. Não sei se conheces um grande psicólogo da nossa praça que ilustra com grande subtileza a essência da arte de bem amar à portuguesa, o seu livro está editado, também em CD, o "gaijo" também canta! QUIM BARREIROS é seu nome, e está lá tudo. "MARIA, QUERO CHEIRAR TEU BACALHAU" a não perder. Aconselho! sublime.

Carmo da Rosa disse...

Ó Cabeça,

Conheço o Quim Barreiros sim senhor, e este indivíduo desempenha um papel importante na vida sexual dos portugueses (sobretudo nos homens, nas mulheres não creio!): tira a tusa! Isto dito de outra maneira, mais científica, significa que basta pensar nele durante o acto, para haver uma redução quase imediata do libido no homem…

Reconheço que pensar no Quim Barreiros para fazer prolongar o acto é complicado – requer muito treino. Mas podes imaginar outra situação, menos focada no acto (sexual): estás internado num hospital com um problema na virilha e a enfermeira (entrevadinha de boa) vem rotineira lavar-te as partes, e tu, 100% cavalheiro, queres a todo o custo evitar uma embaraçosa erecção…

Que fazer quando outros pensamentos – preencher os papeis dos impostos; levar a sogra ao médico em hora de ponta - já estão inflacionados de tanto uso?

REUNE-SE O POLEGAR E O INDICADOR DAS DUAS MÃOS, FECHA-SE OS OLHOS EM SINAL DE MEDITAÇÃO E TODA A NOSSA CONCENTRAÇÃO NO QUIM BARREIROS…

José Gonsalo disse...

CdR:

"O seu problema é não aceitar o fenómeno EVOLUÇÃO: depois do macaco e de várias atribulações, a humanidade chegou enfim ao cavalheiro do século dezoito e você assustado exclamou: JÁ CHEGA!"

- Tem a certeza de que não andou a beber o mesmo que o "cómico" que citou? É que o efeito é o mesmo: olhe que eu estou do outro lado.

"Pois é, José Gonsalo, tenho cá uma fezada que no seu caso preciso o humor estacou para sempre algures entre o José Viana e o Raul Solnado… "
- Pois é, Carmo da Rosa, parece-me que o seu problema é exactamente esse: tem fezadas a mais. Isso obscurece não só os raciocínios como as próprias intuições. Mais uma vez, tiro na água.

" Não se pode comparar o humor destes nossos dois compatriotas com o do Jim Jefferies, com todo o respeito que nos merecem, é o mesmo que comparar um telefone de discar com um moderno I-phone 4. Ambos servem para comunicar, mas entretanto a tecnologia não ficou na cama a dormir, houve uma evolução, progresso."

- A tecnologia é o que é, aperfeiçoa-se na sua eficácia e no seu alcance ou não, progride ou não. A parvoíce é como a água estagnada, forma pântanos de onde é difícil sair. E o "cómico" é simplesmente parvo, porque não sabe do que fala e, o que é pior, está interessado em ganhar com isso.

"O mérito está na rapidez, na precisão e na lógica de ferro com que conceitos complexos são expostos (ainda por cima com humor). Imagine só a quantidade de palavras que você (ou eu, ou o Nivaldo Cordeiro) necessitaria normalmente para explicar o conceito de CÉU e INFERNO? No mínimo umas três ou quatro páginas A4"

- "Olhe que não, doutor, olhe que não...", Álvaro Cunhal dixit. Para ambas as afirmações.

"Compreende agora a nossa dependência de Bruxelas e do FMI ?
A essência é saber como competir com gente que trabalha mais rápido, mais eficiente e de forma mais agradável…"

- Sabe, nesses países há muiiita mais gente. Um problema é que você não os conhece e julga que aqueles que citou, porque "aparecem", são a essência da nêspera e do seu amadurecimento. Outro problema é saber se o CdR, pela atitude que tem adoptado desde há uns tempos a esta parte, estaria sequer disposto a considerá-los pessoas do tempo em que tem a fezada de estar.

Mas, olhe, não o incomodo mais. Agora, vou dedicar-me ao futebol. E verá até que ponto conseguirei ser retrógrado e miudinho.
Até já.
Até

Carmo da Rosa disse...

José Gonsalo: ” Tem a certeza de que não andou a beber…”

Ora aqui temos um argumento de peso! Não é como a malta de esquerda que vem sempre com os mesmos argumentos ad hominem sobre islamofobia, xenofobia e mais assim umas coisas chatas…

José Gonsalo: ” tem fezadas a mais. Isso obscurece não só os raciocínios como as próprias intuições. Mais uma vez, tiro na água.…”

Na mouche!

José Gonsalo: ” A tecnologia é o que é, (…) E o "cómico" é simplesmente parvo, porque não sabe do que fala e, o que é pior, está interessado em ganhar com isso.”

O cómico, para uma pessoa que não sabe do que fala, é bastante certeiro e conciso. E não é preciso espremer a metáfora da tecnologia, tratava-se apenas de um exemplo!

José Gonsalo: ”Olhe que não, doutor, olhe que não...", Álvaro Cunhal dixit. Para ambas as afirmações.”

Acredito imediatamente que o Álvaro Cunhal tivesse a mesma opinião. A prova disso são as Festas do Avante, onde o Jim Jefferies nunca teria lugar…

José Gonsalo: ”Sabe, nesses países há muiiita mais gente. Um problema é que você não os conhece e julga que aqueles que citou,.”

Sou obrigado a conhecer os titulares, os suplentes e os que jogam nas distritais? Não lhe chega conhecer o crème de la crème?

José Gonsalo: ”Mas, olhe, não o incomodo mais.”

Por favor, não incomoda nada!

José Gonsalo: ” Agora, vou dedicar-me ao futebol. E verá até que ponto conseguirei ser retrógrado e miudinho.”

Para variar não seria má ideia. Até quando quiser…