sábado, 28 de julho de 2012

Saltitando pelo qualitativo

Comentário que deixei no FaceBook de Ramiro Marques:


"A expressão que toda a gente entende é "neoliberal." É por isso que a uso."

O problema é que a expressão não se destina a ser aplicada no vácuo como as viagens intergalácticas. A expressão corresponde a uma falácia, corresponde a coisa nenhuma, corresponde a uma alavanca de conto de vigário. É apenas uma tentativa para transformar mais uma derrota do projecto socialista (neste caso por via fascista ou por esse vector) numa vitória de uma nova força, evidentemente não existente. A necessidade dessa nova força deriva da necessidade de evitar tornar bem claro que o que está a acontecer é apenas repetição de erros históricos anteriores.

Já agora, também não se pretende que essa "nova força" tenha derrotado o socialismo mas um outro voo intergaláctico chamado estado-social.

Indo ao fulcro, trata-se tão simplesmente da reedição da velha história do salto qualitativo.

Sem comentários: