sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Isto está cada vez mais divertido!



Acabámos de saber, pelos telejornais, que duas procuradoras do Ministério Público foram expulsas por, desde 2005, terem passado informação confidencial sobre 450 pessoas  - entre as quais juízes, magistrados e dirigentes da PJ -  a um amante. O homem fazia-se passar por coordenador da Interpol, embora, na verdade, se tratasse de um foragido, evadido da cadeia em 2003. Foi apresentado por uma delas à outra, com a qual passou a manter relações íntimas, sendo esta quem acabou por revelar o caso aos seus superiores hierárquicos.

2 comentários:

RioD'oiro disse...

Esperemos que a coisa não se fique mela zanga de comadres.

Joaquim Simões disse...

E dos amásios e amásias (não confundir com amantes).