segunda-feira, 1 de outubro de 2012

"Jornalismo" estatal e propaganda

A militância de jornalistas em propaganda esquerdalha indignácara anda a perder toda a vergonha e a revelar-se sem limite.

Há uns tempos um jornalista da Lusa levou porrada por estar a tentar fotografar a cara de um polícia. Há poucos dias, um operador de câmara da TVI foi avisado, por um polícia, que não podia gravar a respectiva cara. A estação de TV, dando razão ao polícia mas sem deixar de exercitar o acto de propaganda, emitiu a manobra desfocando a cara do polícia.

Entre ontem e hoje, a correspondente da RTP em Madrid, Rosa Veloso, mostrou-se agastada por:
1 - Não a terem deixado, e ao operador de câmara, misturar-se entre os polícias
2 - Porque os polícias não traziam visível o respectivo número
3 - Porque "a polícia preferia usar os bastões ou disparos a usar megafones"



Em qualquer órgão de informação idóneo a jornalista seria despedida mas, em Portugal, tudo é possível por tempo indefinido.

Sem comentários: