quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Despedimentos no PCP

Diz Alexandre Araújo do PCP:
Para atingir o equilíbrio financeiro, podemos não dispensar - e não dispensaremos certamente - uma efectiva contenção de despesa, nomeadamente de funcionamento e, nalguns casos, de estrutura.

Soluções não imperialistas, não "especulativas" e não neo-liberais para que o PCP contorne a crise:

1 - Imediata entrada em greve, por tempo indefinido, de todos os trabalhadores do PCP e sem a correspondente redução salarial.

2 - Subida generalizada dos salários dos trabalhadores do PCP. Só assim, e pela via do consumo interno, a economia em geral e a situação financeira do PCP poderá, por arrasto, melhorar.

3 - Redução do horário de trabalho dos trabalhadores do PCP por forma a permitir que o PCP contrate ainda mais trabalhadores, combata o desemprego e ajude à dinamização do consumo interno. O gesto patriótico não deixará de bafejar, a curto prazo, as finanças do PCP.

4 - Requerer das FARC financiamentos regulares ao PCP, a fundo perdido e indefinidamente.

5 - Aproveitando a cimeira, em Cuba dos coma-andantes da Venezuela e Cuba, requerer a oferta de bens de 1ª necessidade para Portugal por forma a compensar algum inconveniente que a aplicação das propostas anteriores possam ter nas finanças dos trabalhadores do PCP e respectivos agregados familiares.

6 - Isentar os trabalhadores do PCP de impostos. As necessárias contribuições serão entregues ao estado directamente pelo partido e oriundas da sua tesouraria.

Caso o conjunto das preconizadas medidas não resulte, despedir os trabalhadores em causa com indemnização de, pelo menos 6 meses por cada ano de trabalho, balizados pelo mínimo de 36 meses de indemnização.

1 comentário:

Lura do Grilo disse...

Excelente! Em Espanha os sindicatos também despedem e o PSOE despediu! Entretanto Pujol entrou quase pobre na Catalunha e saiu com uma fortuna imensa: o filho colecciona Ferraris.
Felipe Gonzalez vive à grande!
Uma maravilha estes bem sucedidos socialistas.