domingo, 3 de março de 2013

Cheio que nem um ovo!



"Cheio que nem um ovo"- exultava ontem um repórter da SIC N, ao mesmo tempo que imagens aéreas mostravam um Terreiro do Paço com uma concentração densa junto a um palco e imensos espaços esparsamente "povoados", ou mesmo vazios, no resto da praça.
"Mais de 500 000 pessoas ter-se-ão manifestado"- prosseguia o entusiasmado activista, perdão, "jornalista".

Ora vamos lá descer da estratosfera, pá! Grândola Vila Morena e tal, mas convém meter rédeas ao entusiasmo revolucionário e evitar relinchos e zurros desse calibre,

O Terreiro do Paço não leva 200 000 pessoas, isso já foi calculado por especialistas com aquele método de verificar quantas pessoas cabem, apinhadas, num metro quadrado e multiplicar depois esse número pela área em causa.

Com o Papa estava realmente quase cheio que nem um ovo e a coisa andaria pelos 100 000.

Assim que, no momento em que o repórter debitava aqueles disparates hiperbólicos, estariam no Terreiro do Paço, menos de 40 000 pessoas, o que é, convenhamos, uma razoável assistência a um jogo do Benfica.

"Nós somos o povo"- berravam os activistas do Bloco de Esquerda, e balia a carneirada que os seguia.

Realmente, pá?

Então o que dirão os benfiquistas num dia de casa cheia. Provavelmente sentem-se com legitimidade que baste para fazer a revolução, exigir a demissão do governo, do Presidente, e até do Rei de Espanha e do sultão do Brunei.