quarta-feira, 27 de março de 2013

Crónicas do nacional-bandalhismo






Fá-las Alberto Gonçalves, no DNAs que se seguem, por exemplo.


Sócrates, serviço público

A SIC Notícias anuncia repetida e orgulhosamente o seu leque de novos comentadores. Os anúncios tendem para o solene, com imagens de Jorge Coelho a examinar o oceano, de Francisco Louçã a contemplar obras de "arte" contemporânea e de Bagão Félix a folhear um livro no jardim. Os comentadores são os citados (além, dizem-me, de Marques Mendes, cujo spot não vi), nomes de indiscutível notoriedade, duvidoso esclarecimento e nulo contributo para o progresso da nação. Mais curioso ainda, são todos políticos.

Em todo o mundo civilizado, e em boa parte do mundo incivilizado, seria inconcebível que sujeitos de reconhecida militância partidária (ou com escancaradas pretensões à dita) fossem chamados a opinar regularmente acerca do universo dos partidos. Por cá, é o costume. Já o era quando há menos de um ano diversos correspondentes da imprensa estrangeira em Portugal confessavam à Sábado nunca terem testemunhado semelhante. E hoje, principalmente nas televisões mas não apenas nas televisões, é quase lei.

Não vale a pena tentar perceber os motivos que levam as direcções a decidir assim. Porém, a fim de aferir a dimensão da excentricidade, talvez conviesse imaginar um documentário de David Attenborough sobre o reino animal sem a participação do conhecido naturalista britânico e com o rumo do programa entregue a gastrópodes, marsupiais e batráquios. Engraçado? Com certeza. Sucede que a graça haveria de se perder, coisa que infelizmente não aconteceu com a paciência do público.

O público, que gosta de fingir rebelar-se contra a "partidocracia" na política, aceita sem objecções a partidocracia na análise da política. Excepto, pelos vistos, no caso de José Sócrates, que a RTP se lembrou de contratar para emitir palpites. É verdade que os palpites do homem ajudaram imenso à ruína do país. É verdade que ao contribuinte custará muito pagar um novo salário (em numerário ou em tempo de propaganda) a quem tanto contribuiu para a sua penúria. É verdade que dói ver facultar a liberdade de expressão a um seu incessante inimigo. É verdade, em suma, que o "serviço público" decidiu adicionar o insulto à injúria. Porém, julgo excessivo que a indignação das massas, traduzida numa série de petições inflamadas, recaia exclusivamente em cima do ex-primeiro-ministro, ex-estudante de Filosofia e actual vendedor de medicamentos na América Latina.

No mínimo, há o risco de o pormenor obscurecer o princípio. E o princípio é o de que nada aconselha a que A Vida na Terra seja comentada por caracóis, cangurus e rãzinhas. A circunstância de uma das rãs ostentar um passado particularmente repulsivo é um detalhe, não a autêntica questão. Os consumidores, que durante anos legitimaram a promiscuidade, carecem de argumentos para os queixumes de agora: aberta a porta do zoo, a bicharada em peso sai à rua e entra nos estúdios televisivos. Aqui, a selecção natural é uma falácia.

E se apetecer a algum leitor escrever-me a notar que, ao contrário dos bichos, os animais políticos se distinguem pela inteligência, recomendo que pense duas vezes. Ou uma: uma deverá bastar.


Para quem é, 'Grândola' basta

No Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, em Lisboa, alguns estudantes receberam o primeiro-ministro aos gritos de "demissão" e "Coelho sai da toca". Fizeram muito bem. Se a mocidade sente o impulso de berrar qualquer coisa, ao menos que não seja a Grândola. A melodia é quase inexistente. As harmonias são pobres. A letra é um refogado de lugares-comuns e, para cúmulo, mentirosos, já que da única vez que visitei a "vila morena" não vi nenhum amigo à esquina: vi um automóvel ultrapassar-me a uma velocidade pouco recomendável. Um par de quilómetros depois, o automóvel despistara-se e o condutor jazia meio morto no chão.

Mas fujo do assunto. Grândola, a cantiga, é tão maçadora quanto a generalidade das mais célebres cantigas ditas de "intervenção". Os autores do género, nacionais ou estrangeiros, acham que as massas só apreendem produtos simplórios na música e na lírica. Além de ser um pressuposto falso (Brother, Can You Spare a Dime, escrita em 1930 pelo então comunista "Yip" Harburg, é um raro exemplo de que uma canção de protesto relativamente sofisticada pode comover imensa gente), é um pressuposto revelador da opinião que os intelectuais ao serviço do povo têm do povo que servem. Mesmo José Afonso guardava os ocasionais momentos de inspiração para canções alheias ao comentário "social" (ocorre-me Era um redondo vocábulo). Nos momentos de indignação, lá vinha a Grândola ou o enervante "tiriririri" de Venham mais cinco e desgraças afins. E Sérgio Godinho, outro "baladeiro" que compôs meia dúzia de coisas esteticamente decentes, concentrava a indecência estética em misérias comoLiberdade ("A paz, o pão/ habitação/[etc.]"). Nos restantes "cantautores" indígenas não vale a pena procurar: o lixo é omnipresente.

Se os paladinos dos "oprimidos" lhes servem lixo quando são contrapoder, imagine-se o que lhes serviriam no poder. E quem não for dado à imaginação dispõe de pacotes de viagens a Cuba, pérola das Caraíbas e consumada terra da fraternidade.


O descaramento ilimitado

Para início de conversa, esclareço que, na minha opinião, uma lei ideal limitaria os mandatos autárquicos a cerca de uma semana, período a partir do qual os senhores autarcas começam a definir a rede de interesses que servirão. Também defendo que a lei deveria impedir as candidaturas dos vereadores, chefes de gabinete, secretários, assessores, compinchas, conhecidos e primos até terceiro grau do autarca cessante. Por fim, acho que a lei faria bem em limitar em quantidade as próprias autarquias, pormenor que aliás parecia constar do "memorando" assinado com a troika e que o Governo varreu airosamente para debaixo do tapete.

Quanto à lei que temos, é uma vergonha em matéria de clareza jurídica e um portento de matéria de clareza política. O PSD, que apresenta a votos diversos veteranos de outras freguesias (ou câmaras, para ser exacto), entende que a limitação incide nos municípios e não nas funções. O Bloco, que praticamente não é para aqui chamado, entende que a limitação incide nos municípios e nas funções. O PCP, que tenciona mudar dois ou três caciques alentejanos, entende que a limitação incide nos municípios e não nas funções. O CDS, uma fortaleza de convicção, entende que a limitação incide nos municípios e nas funções, excepto no caso de Lisboa. E o PS, que não viu interesse estratégico na transladação de candidatos, finge que o assunto não lhe diz respeito e pretende passar por exemplo ético.

Eis o perfeito retrato dos princípios que fundamenta o sistema partidário: com a lógica natural numa empresa, cada partido faz os cálculos, antecipa perdas e ganhos e decide de acordo com o respectivo interesse imediato, vendido aos simples sob o rótulo de "interesse nacional" e não, surpreendentemente, de Relatório & Contas. Resta apurar o número de simples que ainda engolem a patranha e confiam apaixonadamente nos partidos como nunca confiariam numa empresa. As eleições autárquicas serão um óptimo indicador e, suspeito, o péssimo sinal do costume.


Teste à amnésia

A estratégia não é complicada - dadas as cabecinhas que a conceberam, não podia ser. A ala "socrática" usou António Costa para apear António José Seguro, acusado de traição aos ideais que enfiaram o País na bancarrota. Inicialmente convencido de que o partido e o povo o desejavam com ardência, o dr. Costa ensaiou o avanço para a liderança. Posteriormente esclarecido de que o partido não o estima e o povo mal o conhece, o dr. Costa consumou uma retirada airosa e, sem surpresas, acabou acusado de cobardia. A ala "socrática" continuava sem um herói para recuperar o "seu" PS. Um belo dia, alguém propôs o próprio Sócrates e este, perito em despachar licenciaturas, voltará em Abril para desfilar sapiência na RTP. O dr. Seguro já afirmou que isto não põe em causa o seu posto, afinal uma confissão de que acha o contrário. Se funcionar, a estratégia mostrará que, além do PS, Portugal bateu no fundo.

1 comentário:

menvp disse...

-> José Sócrates é mais uma marioneta ao serviço da superclasse (alta finança - capital global)... e existe mais que fazer do que estar a perder tempo com marionetas... leia-se: há que CORTAR COM AS REGRAS da superclasse.
.
.
MARIONETAS AOS SERVIÇO DA SUPERCLASSE (alta finança - capital global) falam de um novo governo, de remodelações governamentais, de novas eleições, etc... mas não falam... da necessidade cortar com as regras da superclasse!...
.
-> A superclasse pretende 'cozinhar' as condições que são do seu interesse:
- privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
- caos financeiro...
- implosão de identidades autóctones...
- forças militares e militarizadas mercenárias...
resumindo: estão a ser criadas as condições para uma Nova Ordem a seguir ao caos - uma Ordem Mercenária: um Neofeudalismo.
{uma nota: anda por aí muito político cujo trabalhinho é 'cozinhar' as condições que são do interesse da superclasse}
.
Manobrando as suas marionetas... a superclasse (alta finança - capital global) 'cava-buracos' nas finanças públicas, na banca... e... quer pôr o contribuinte a tapar os buracos por si cavados!
O discurso anti-alemão que reina nos media internacionais (nota: são controlados pela superclasse) é uma consequência óbvia: depois de 'cavar-buracos' e saquear contribuintes de vários países... a superclasse quer saquear o contribuinte alemão.
.
.
Para 'cortar' com as regras da superclasse (alta finança - capital global), há que:
1-> retirar poderes aos políticos (um sistema menos permeável a lobbys); ex: auto-estradas 'olha lá vem um', nacionalização de negócios "madoffianos" (ex: BPN), etc… ora, como é óbvio, o Contribuinte tem de defender-se: "O Direito ao Veto de quem paga" [blog 'fim-da-cidadania-infantil'].
.
2-> chamar a participar (nota: quando existe um buraco financeiro num banco...) os accionistas, os obrigacionistas e os depositantes... e não... o contribuinte.
Contrariando os interesses da superclasse, deve existir uma Banca pública forte... por motivos óbvios: É MUITO MAIS FÁCIL DE CONTROLAR um ou outro abuso de um gestor público... do que... os buracos (sem fim à vista) 'cavados' pela alta-finança (capital global).
.
3-> garantir o Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones... ou seja: não sejamos uns 'parvinhos-à-Sérvia' (vide Kosovo), há que mobilizar aqueles nativos europeus que possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência... e... SEPARATISMO-50-50!
[obs: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa]