terça-feira, 5 de março de 2013

Nivaldo Cordeiro - Eleitor europeu: cheio de direitos, nenhuma obrigação



"O resultado das eleições na Itália é o previsível, que poderá se repetir em toda Europa: o eleitorado rejeita os cortes no Estado de bem estar social propostos por tecnocratas como Mario Monti e passa a eleger aventureiros sem tradição nos partidos, como Beppe Grillo. Cada vez mais haverá um fosso entre governo e eleitores habituados ao suborno socialista da ampliação de direitos."

1 comentário:

Paulo Porto disse...

O NC não está a ver tudo.

Não se discute que o socialismo, praticado pelos governos europeus (de esquerda e de direita) são um problema. Mas essa vertente do socialismo é velha e, em democracia, nunca trouxe desgraças como aquelas a que assistimos agora.

O que nos trouxe aa situação grave em que agora estamos foi um avanço recente do socialismo: a planificação socialista da EU. Nela se inclui:
- uma moeda igual para economias diferentes;
- regulamentos iguais para realidades economico-sociais diferentes;
- proteção dos lobbys "verdes" em detrimento da competitividade económica de todos os paizes da UE:
- proteção e prioridade ao sistema bancário, que sempre que necessário são "salvos" aa custa da riqueza criada pela produção de bens transacionáveis.

Se o NC estivesse consciente deste avanço civilizacional, deste novo patamar do socialismo mundial, ele teria percebido porque motivo o Monti deixou a Italia pior do que a encontrou, e teria também percebido porque eh que 25% dos eleitores italianos preferiram um desconhecido a qualquer um dos outros, muito vistos, lideres politicos italianos.