terça-feira, 19 de março de 2013

Os portugueses, a troika, o crime, o Papa e os ateus





Tudo isto em mais três crónicas de Alberto Gonçalves, no DN:



Os portugueses que ficam em casa

Os portugueses estão contra a troika? Nem tanto. Uma sondagem da Católica para o DN sugere que 64% dos cidadãos votariam hoje no partido que assinou o memorando de entendimento ou nos partidos que o aplicam, com o principal partido do Governo a registar uma subida de três pontos face à sondagem anterior.

Isto, evidentemente, não significa que a maioria dos portugueses esteja satisfeita com o papel do PS na bancarrota pátria ou com os esforços do PSD e do CDS para em vão curar a bancarrota através da espoliação fiscal. Mas significa que, apesar de tudo, as alternativas ao "sistema" suscitam menos confiança do que o "sistema" propriamente dito. E que os regulares protestos públicos, ainda que espectaculares, merecem ser lidos com uma ponderação que os "media" e os extremistas raramente exibem.

Quem viu as reportagens sobre as manifestações do passado dia 2 foi abalroado pela garantia de que o País em peso aspira a lixar a troika. Não importa que na rua marchassem um milhão e meio, um milhão ou 500 mil pessoas. Mesmo quando 30 sujeitos berram em frente à residência oficial do primeiro-ministro, o facto é notícia e alimenta a noção totalitária de que os 30 sujeitos, espontaneamente manipulados pela CGTP ou por metástases do Bloco, representam a população.

Por estranho que pareça, não representam. Por estranho que pareça, os nossos representantes na matéria são os políticos, tenhamos votado neles ou não, gostemos deles (Deus me livre!) ou não. Numa altura em que abundantes luminárias se referem jovialmente às "limitações" da escolha popular e tentam pôr em causa a legitimidade eleitoral, convém lembrar que esta é a única de que dispomos. Em democracia, claro. E embora a democracia em questão padeça de inúmeras maleitas e se assemelhe a um desfile de incapazes, as opções restantes implicam a consagração de rematados malucos, os quais procuram alcançar pelo pandemónio o poder que as urnas não lhes concedem.

Dito de outra maneira, por mal que isto ande, haveria forma de ficar pior, muito pior. Os portugueses ou, para ser exacto, 64% dos portugueses suspeitam disso, por isso lamentam os apertos em curso sem exigir a desgraça eterna. Aliás, suspeito que quanto mais os 20%, 10% ou 5% se empenharem na desgraça mais crescerá a quantidade de resignados à penúria presente, talvez futura e certamente preferível ao caos.



A previsão do crime

Durante meses, fomos informados de que a crise económica e a austeridade subsequente seriam responsáveis pela promoção de zaragatas domésticas, abandono de animais, suicídios, depressões, amuos, gripes e terçolhos. E do crime? Do crime nem se fala. Ou falou-se imenso. Segundo especialistas sortidos, que às vezes fingiam preocupação enquanto sentiam regozijo, a crise aumentaria os pequenos roubos, os assaltos violentos, os furtos intermédios e a insegurança em geral. A prevenção do crime viu-se substituída pela respectiva previsão.

Depois, veio a realidade e constatou-se que, pelo menos em Lisboa, a criminalidade está a diminuir, a geral em 5% e a grave em 15% face a 2011. Ou, ao contrário do que consta, a capital não é afectada pela crise, ou, ao contrário do que constou, a crise e as malfeitorias não são indissociáveis.
Por acaso, também já tinha essa impressão. Por muito que os defensores dos oprimidos insistam na tese oposta, nada assegura que um cidadão subitamente desempregado desate a surripiar transeuntes de navalha em punho. E que uma família incapaz de pagar a prestação do apartamento adira no dia seguinte à prática do carjacking. E que um reformado cuja pensão foi subtraída pela voracidade estatal se converta aos ensinamentos do estripador de Chelas. Etc.

Nem vale a pena lembrar que, na generalidade do mundo ocidental, o crime e a prosperidade tendem a crescer em simultâneo. Mas vale a pena repetir que a ideia de que a pobreza conduz quase fatalmente à delinquência não é apenas falsa: é ofensiva, bastante mais ofensiva do que os periódicos e ocasionalmente obtusos desabafos dos srs. Borges e Ulrich. Por ridículo que fosse o chavão algo salazarista do "pobres e honrados", o ridículo maior é que a alternativa democrática se resuma ao "pobres e bandidos". Aliás, se acrescentarmos o conhecido "ricos e ladrões", verifica-se que, em Lisboa e no País inteiro, o crime tende para o anacronismo na medida em que não sobra ninguém para roubar



A fé dos descrentes

O sucessor interino de Hugo Chávez afirmou que a doença do falecido "rompia toda a normalidade", um regresso à tese de que o cancro fora "provocado" pelos EUA e por isso se distinguia dos cancros comuns, inofensivos e ocasionalmente agradáveis.

Mas nem tudo é mau, e o sr. Maduro tem razões para festejar. Primeiro porque subirá provavelmente à presidência não interina. Depois porque, conforme explicou em palestra televisiva, Chávez subiu às alturas e encontrou-se com Cristo, que talvez num intervalo das conversas com Alexandra Solnado lhe confidenciou: "Chegou a hora da América do Sul." Ou seja, Chávez fez lóbi no Céu e colocou um argentino em Roma. Embora os motivos pelos quais Chávez não arranjou um Sumo Pontífice venezuelano fiquem por esclarecer, os restantes factos são indesmentíveis. Duvidar disto é duvidar do potencial cancerígeno da CIA, do progresso social da Revolução Bolivariana e dos suínos ciclistas.

Quanto ao Papa propriamente dito, o meu discreto ateísmo não me inspira grandes considerações. Em compensação, o ateísmo ruidoso de muitos não os impede de emitir palpites sucessivos acerca da matéria. Pelo menos em Portugal, os media trataram de ouvir avidamente as opiniões de gente sem qualquer vínculo ao catolicismo, o que faz o mesmo sentido que questionar um adepto dos Los Angeles Lakers sobre o momento do Sporting. Neste caso, o fã de basquetebol diria provavelmente não saber nada a propósito. Já os ateus militantes não só sabem imenso a propósito do Vaticano como insistem em partilhar a sabedoria connosco.

Padecendo de uma estranha maleita que os impede de viver em paz sem que o líder de uma fé a que se dizem radicalmente indiferentes concorde com eles, os ateus militantes receberam o Papa Francisco sob três perspectivas. A perspectiva simpática apreciou a circunstância de o homem vir do hemisfério sul (porquê?) e ter sido nomeado contra o "sistema" (apesar de ter sido o "sistema" a nomeá-lo). A perspectiva hesitante lamenta que o homem não defenda o casamento homossexual, o aborto, a eutanásia e, afinal, cada imperativo dos bem pensantes. A perspectiva desconfiada descobriu (ainda que, conforme se comprova no site do Bloco de Esquerda, à custa de manipulações fotográficas) a afinidade entre o sr. Bergoglio e a antiga ditadura argentina. Enquanto os cardeais não designarem um herege para pastorear os crentes, o catolicismo não se redime.

2 comentários:

Menagería Poética disse...

Estimado/a,

Te invitamos a visitar nuestro blog de literatura. Ojalá hagas comentarios y podamos estar en contacto.

http://menageriapoetica.blogspot.com/

Saludos

Manuel de Castro disse...

Não acho que os portugueses (aqueles que não estão fidelizados partidariamente) estejam directamente contra a troika, embora não o saibam verbalizar de outra forma. Parecem-me estar sim contra uma governação que apresentou um programa eleitoral e tenta executar outro, e que mesmo em relação a este último, o faz de forma incompetente e ineficaz.

Declaração de interesses: votei PSD nas legislativas