quarta-feira, 19 de junho de 2013

As elites, novas e velhas

No Blasfémias, algo que todos devem colocar na mesa de cabeceira, na mesa de trabalho e pendurado no retrovisor. Algo que todos os políticos e sindicalistas devem obrigatoriamente ler 10x antes de abrirem a boca (mesmo para arrotar, exactamente para evitarem iluminados arrotos).
Agora que se sente no ar alguma descompressão e se aproxima a saída da Troika vale a pena seguir as soluções propostas pelas velhas e novas elites. Estas soluções serão de vários tipos:

Soluções “culto da carga”: A ideia será sempre simular os sintomas de desenvolvimento imitando-os. Por exemplo, países ricos têm taxas de juro baixas, a solução para Portugal é taxas de juro baixas. Os países ricos têm elevados níveis de educação, a solução para Portugal é aumentar o número de licenciados e gastar dinheiro em educação. Os países ricos têm um número elevado de patentes, sai um subsídio para promover o registro de patentes.

Soluções “políticas”: São as soluções em que um passe de mágica político resolve um complexo problema económico. O grande exemplo desta categoria de soluções é a proposta já quase unânime entre as elites de demitir Vitor Gaspar. Mas podia ser demitir o governo, fazer um governo de salvação nacional, eleger um líder alternativo etc.

Aposta nas “apostas”: Algumas palavras chave para reconhecer más ideias: “aposta”, “prioridade”, “designio”, “cluster”, “crescimento”. Mal se sintam libertas de constrangimentos, as nossas elites vão começar a debitar mais vezes estas palavras.

Soluções “mandem dinheiro”: Eurobonds, orçamentos europeus, subsídios de desemprego europeus, juros mais baixos, perdões de dívida. Também conhecida pela solução “Pai Natal”, as nossas elites adoram dinheiro caído do céu.

Soluções “não sei fazer contas”: Tudo o que envolva resolver um problema de milhares de milhões de euros com soluções de milhares de euros. Do tipo, “temos que acabar com as mordomias dos políticos”. Outra variante é pagar o défice com dinheiro virtual, seja da economia paralela, seja dos off shores seja da Taxa Tobin.

Soluções “back to 2007″: Estas soluções envolvem recuperar o modelo de Estado e de economia pré-crise. Inclui sempre mais despesa, mais défice, mais dívida, mais obra e mais projectos sem procura.
Haverá sempre algo de comum a estas soluções: não envolverão nem trabalho, nem esforço, nem poupança.

2 comentários:

António Gomes disse...

Li por alto, e achei interessante...

MAS permita-me opinar sobre "Soluções “não sei fazer contas”, Eu sentir-me-ia mais propenso a acreditar num país ou "políticos" se essas mordomias fossem completamente limpas. São tostões! OK! Mas se queres ser exemplo (políticos) tens de o demonstrar.


Até lá, continuarei a não acreditar nesta "escumalha".

A. Gomes

António Gomes disse...

Li por alto, e achei interessante...

MAS permita-me opinar sobre "Soluções “não sei fazer contas”, Eu sentir-me-ia mais propenso a acreditar num país ou "políticos" se essas mordomias fossem completamente limpas. São tostões! OK! Mas se queres ser exemplo (políticos) tens de o demonstrar.


Até lá, continuarei a não acreditar nesta "escumalha".