domingo, 14 de julho de 2013

Bostas, escarros e o intestino grosso

Há, na Assembleia da República, uma bosta política denominada "Os Verdes", que nunca se apresentou a eleições apesar de existir, há décadas, como "grupo parlamentar".

Inventado no seio do PCP, o escarro "Os Verdes" serve apenas para que o PCP tenha à sua disposição o dobro dos recursos parlamentares relativamente aos restantes partidos. É o PCP a tirar partido de legislação que não foi feita para que na casa da democracia (para o PCP uma instituição da burguesia) fossem albergados partidos cripto-marxistas (por enquanto nazi-socialistas).

Pois, pasme-se(!!!!), o PCP decidiu apoiar a moção de censura de "Os Verdes".

3 comentários:

Freire de Andrade disse...

E quando é que uma maioria de deputados sérios decide acabar com a regra de atribuir um grupo parlamentar próprio, tempo de intervenção próprio e representação própria a um alegado partido que nunca se apresentou a eleições? Porque não toda a sua actividade parlamentar ser incluída na representatividade da CDU?

Carolina Valadares disse...

Suponho que a maioria séria a que se refere seja a maioria psd e cds. Depois dos ultimos acontecimentos, essa afirmação só pode ser uma anedota. Ao menos a cdu apresenta-se a eleições como coligação e não as anda a fazer, enganando os eleitores, à posteriori, como o psd e o cds-pp. E depois andam em nogociatas pra ver quem saca mais secretarias de estado e ministros e companhias limitadas, a fazer figuras tristes à semelhança dos seus superiores exemplos...que bando de carneirada! Seja como for, ainda n percebi se os insultos a os verdes se referem ao seu trabalho concreto (que neste antro ninguém deve conhecer, apesar de criticado!)se ao facto de concorrerem em coligação, conforme é legítimo de acordo com a legislação actual. O facto de terem concorrido - legitimamnte - em coligação, contra as opiniões destes doutos bloguistas e comentadores, é razão pra tamanhos insultos e pra se porem de lado iniciativas parlamentares quem mtas vezes, são votadas favoravelmente pela maioria "séria"? Por amor à santa...já n há paciência!

RioD'oiro disse...

Cara Carolina,

"Ao menos a cdu apresenta-se a eleições como coligação e não as anda a fazer, enganando os eleitores, à posteriori, como o psd e o cds-pp."

Não apresenta em coligação alguma. O escarro e o PCP são uma e a mesma coisa. Nunca, mas nunca o escarro concorreu sozinho a eleições. O escarro serve apenas para que o PCP tenha o dobro dos recursos parlamentares relativamente aos restantes.

As mais tenebrosas negociatas, as mais destrutivas para a economia do país, são as negociatas da esquerdalha que não só está sistematicamente de acordo com todos os "investimentos estimuladores" como instala os seus boys por toda a parte.

Cito, tachos bons, mega-PPP:

..."Os comunistas beneficiam do tipo de tachos que qualquer partido aspiraria a ter: tachos permanentes não sujeitos ao escrutínio democrático. São os tachos nos sindicatos, em empresas Municipais e associações de “cidadãos” (tudo pago com dinheiro público). Eles não têm votos, mas com uma presença desproporcional nos meios de comunicação social influenciam as decisões políticas ao manipular a opinião pública e, acima de tudo, ao manipular a percepção do que é a opinião pública. Eles não têm votos, mas, tal como no PREC, dominam as manifestações de rua, fazendo crer a muitos (até aos partidos rivais) que a opinião pública quer aquilo que eles acham que deveria querer. Os partidos corruptos do centro farão sempre aquilo que acharem que lhes garante mais votos e são os comunistas, através do domínio da rua, que manipulam essa percepção. À falta de poder democrático, os comunistas dominam o maior lóbi do país, a função pública, e têm, através desse domínio, impedido qualquer reforma, contribuindo como ninguém para o empobrecimento do país. Os partidos corruptos do centro podem dominar o espaço governativo, mas são eles, os comunistas, que mais influenciam as políticas."

http://portugalcontemporaneo.blogspot.pt/2013/07/perigo-eminente.html