quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Candidatos independentes merecem mais confiança

Escrevi em 2005:

Em relação à boa mão cheia de candidatos independentes à presidência das Câmaras Municipais que estão a contas com a justiça, há uma perspectiva que não recordo ter visto abordada.

Parece ponto assente de que a generalidade da população portuguesa está convencida que a corrupção generalizada nas câmaras municipais existe, e com intuitos de financiar partidos políticos, carreiras políticas e equipes de futebol (actividade de que já ouvi falar e que alguns defendem tratar-se de um desporto).

Não faltam aliás acusações vindas exactamente de dentro do meio autárquico.

Suponho que este convencimento pode implicar duas outras possibilidades:

1 – Que os casos que foram parar à justiça resultaram da catrafilagem dos candidatos (outrora presidentes de câmara) pelos próprios correligionários, por não verem fluir a quantidade de bens que acham apropriados em proveito dos respectivos partidos e/ou deles próprios.

2 – Que a denúncia destes casos por adversários políticos se deve somente ao apetite que os mesmos recursos lhes provocam.

Partindo destes pressupostos, parece-me razoável que a população conclua que há que apoiar exactamente aqueles que cortaram amarras aos partidos políticos. Estando quebrado o canal de drenagem de bens, estão finalmente criadas as condições para um exercício mais saudável do poder autárquico. De acusados passam a heróis.

O inexplicável e rocambolesco comportamento do sistema de justiça (demora nas investigações, fugas de informação sobre os resultados das investigações, demora em ser deduzida uma acusação, fugas de informação em relação às decisões de juizes, sentenças contraditórias, julgamentos para as calendas gregas, milhentos adiamentos) parece tornar ainda mais verosímil todo este cenário.

Lembremo-nos do julgamento do General Garcia dos Santos por causa da JAE: levantou a lebre, foi condenado.

Sem comentários: