terça-feira, 15 de julho de 2014

O PSD e o eco-terrorismo

O maior congestionamento das cidades são as toupeiras "ambientalistas".

Ainda ninguém percebeu que nenhuma cidade em Portugal se aproxima, nem a milhas, de uma cidade realmente congestionada?

Ainda ninguém percebeu que a vida nas cidades se tem tornado mais difícil porque as câmaras, mais ou menos todas, passaram a encarar a cidade como estado ao seu serviço e as tem gerido para potenciar as suas receitas?

Ainda ninguém se apercebeu que sendo as nossas cidades com problemas de trânsito, ou cidades antigas ou cidades em que se permitiu uma densidade de construção absurda (olhem para Massamá), as câmaras permitem sempre o aumento de densidade de construção desde que inclua estacionamento nas caves, exactamente para aumentar o tráfego e aparecerem agora com a solução ... "taxar" o tráfego?

Portugal continua a caminhar a passos largos rumo a uma formulação de estado fascista, tão ao agrado da esquerda, um estado em que cada departamento do estado é dono do país ao ponto de poder pôr e dispor não só do território como da propriedade privada incluindo a capacidade de inovar nas empresas via aplicação de regulamentação asfixiante.

Este tipo de medidas são tralha de cariz eco-terrorista, sem qualquer espécie de utilidade, destinadas a aplicar mais um garrote ao desgraçado do contribuinte a quem resta passar a pedir que lhe seja aplicada a legislação de protecção animal.

Ainda quanto ao "congestionamento" já alguém se 'congestionou' pensando que já se acabou com estacionamento para dar lugar ao transporte público e que seguidamente se derreterem centenas de faixas de BUS para implementar estacionamento que viabilizasse por exemplo o "projecto" EMEL de crescimento da dimensão do estado? Que durante a implementação desse mesmo projecto de "criação de emprego" se derreteram não só centenas de faixas BUS como centenas de passeios, tão necessários até então para que "a cidade tivesse espaços livres de carros"?

Já alguém reparou que esses "projectos" de "criação de emprego" provocam pobreza e problemas sem fim porque deles não resulta qualquer mais valia, apenas despesa da qual nenhuma criação de riqueza resulta?

Armem-se em marxistas e depois queixem-se que a malta não vota porque são apenas mais um muito parecido com os outros.

Se há coisa que pelo mundo civilizado fora está fora de combate na opinião pública são os "ambientalistas" marxistas do tipo QUERCUS ou GreenPeace. Portugal, nesse debate, está atrasado mais de 10 anos e assim vai continuando porque este governo continua infiltrado dessa escumalha.

Sem comentários: