quarta-feira, 24 de junho de 2015

Canhotos e canhotas unidos ... em infinitas píveas para rato

O projecto de Louçã nunca foi o BE mas infiltrar o PS com BEtinhos.

Conseguido o feito, resta aos cretinos das diversas excrescências indignácaras do BE fazer umas quantas pantominices para não só irem tentando arrecadar mais uns cobres à conta dos galináceos como ir conferindo sustentação aos implantes porcinos na quinta dos ratos.

sábado, 20 de junho de 2015

PS- Partido de traidores

Recordo algo que algures no passado já distante, saiu, salvo erro, no jornal O Independente.

Estaria o ido Professor Sousa Franco a jantar com uns amigos, referindo que determinado zote do PS era "um vendido aos espanhóis" e um jornalista que estrategicamente jantava numa mesa próximo transformou a observação num título a condizer.

O Professor defendeu-se dizendo que era uma boca folclórica proferida entre duas garfadas e outras tantas galhofadas e que o jornalista deveria ter percebido isso.

Pareceu-me, na altura, que Sousa Franco estaria de facto na galhofa. Pareceu-me mas a regular insistência com que idiotas do PS propõem a anexação de Portugal pela Espanha leva-me a pensar que Sousa Franco não brincava. O PS é um partido de traidores.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

"Europa" fascista

É assim que as coisas se passam na "europa" que, de acordo com a politicamente fascista Ana Gomes, daria "lições ao mundo" (onde ouvi eu já isto?):


Há algo para ser aprovado mas sem levantar ondas. Na agenda é colocado à votação se se discute ou não o que será mais tarde posto à votação. A 'assembleia', à revelia da sua função, decide-se pela não discussão. Uma boa mão cheia de deputados insurgem-se invocando o regulamento mas, como essa discordância não está na agenda, não pode ser discutida.

E, se bem pergunto, qual a posição do "liberal" PSD?

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Dos pensadores do país

Todo e qualquer político que tem "ideias" para o país o destrói. Todo e qualquer socialista tem "ideias para o país",

Nenhum país precisa de políticos com "ideias" para ele. Todos os povos conseguem, cada pessoa para seu lado, encontrar os caminhos que levam ao progresso. A função da política é reagir às dificuldades em que as pessoas tropeçam e retirar-lhes os calhaus do caminho. Os calhaus são desde há muito implantados por políticos com "ideias para o pais".

Nada mais fascista que ter "ideias para o país". Um fascista tem ideias e usa, desde há muito, a marreta legislativa para sob a capa de "regulação" aplicar calhaus a toda a iniciativa privada. Todo o marxista tem "ideias" para o estado, dono do país, aplicar.

De uma forma ou outra é a receita para a fome. No fascismo ela mantém-se larvar, no marxismo a fome é radical.