segunda-feira, 14 de março de 2016

Nicolau Breyner - 1940-2016

E desapareceu um amigo com quem trabalhei mais de 10 anos. O mundo está a ficar deserto.


Nicolau Breyner e Vinicius de Morais, 1971


sábado, 5 de março de 2016

Dos "leberais preocupados"

Há por aí pessoal particularmente sensível à "preocupação" relativamente a Trump ser liberal ou não.

É, quanto a mim, uma preocupação selectiva, tanto quanto se "houve desvios" quando os governantes comunistas fazem chegar a respectiva coutada ao tão almejado destino.

"Trump vai fechar fronteiras". Não vai. Vai colocar barreiras substanciais a quem pensa poder entrar por ali dentro sem dar cavaco. A malta "sensível" parece ter deixado de perceber que anormal é o contrário.

"Trump não quer o livre comércio". Quer, mas primeiro está a liberdade dos americanos. A malta "sensível" parece ter dificuldade em perceber que é isso que se espera de um decisor político face ao seu próprio país.

Na EURSS parece ter-se tornado normal que quanto pior for o desempenho de um político face aos seus próprios, melhor. A prova está no espanto com que encaram as declarações de Schäuble face aos militantes caloteiros e aos inventores de países e economias zombie, economicamente estimulados pelos bancos centrais, eufemismo para luminárias estatais.

" ... ahh ... mas ele vai fechar o mercado dos EUA aos outros países". É muito provável que por aí comece, e será especialmente eficaz se, paralelamente, demolir a 'red tape' que lá, como aqui na EURSS, atravanca toda e qualquer vontade de se trabalhar que não seja apenas para aquecer ... os bolsos da militância estatal em mandar na vida dos outros.

" ... ahhh ... " voltam à carga, "mas nenhum país pode fechar-se ao comércio internacional". Pode, se o fizer temporária e selectivamente e se tiver um mercado interno monstruoso e concorrencial, e imensos recursos naturais que explore .. demolindo a 'red tape'. Não é o caso de Portugal em qualquer dos aspectos.

" ... mas ele não tem planos para um rumo dos EUA". Ainda bem. De timoneiros está pejada qualquer máquina estatal, particularmente as monstruosas como a nossa (de Portugal e da EURSS). Ele que defenestre as luminárias e que permita que cada um governe a sua própria vida.

quarta-feira, 2 de março de 2016

kkk

É muito de pós-modernismo que os media insistam que o kkk não está, desde o seu aparecimento e até hoje, relacionado aos democratas.

Tudo começou no tempo de Abraham Lincoln, republicano, quando na guerra civil o sul foi derrotado e foi possível acabar-se com a escravidão.

Daí para cá, sucessivas campanhas para "compensar" os negros apenas têm resultado no abandono das políticas de igualdade de oportunidades impedindo os negros ao acesso às (mesmas) armas que lhe permitam ser pessoas como qualquer outra. Este cenário resulta no continuar no limbo dos coitadinhos protegidos pelo estado.

Esta política dos protegidos trás aos democratas voto garantido e aos negros a garantia que os democratas não se preocuparão, de facto, com eles, por serem votos em simbiose pela política 'comida para hoje fome para amanhã'.

A porra é que não se pode pretender viver cada dia da vida como se fosse o último e pretender-se vir a viver, ainda, o dia seguinte.