terça-feira, 6 de junho de 2017

O problema do ódio "progressista" às suas próprias gentes.


Sobre a palermice europeia de afirmar que "temos que integrar os imigrantes" sem pretender que essa tarefa cabe exclusivamente aos imigrantes. E não o pretendem intencionalmente, jogando no limbo da semântica, porque pretendem que sejam os europeus a adaptar-se a quem chega.

É o problema do ódio "progressista" às suas próprias gentes.

Entretanto, o fascismo da "europa" faz-se sentir criminalizando as opiniões quem não vai ao encontro da conversa fascista de Bruxelas e dos seus apaniguados.

Sem comentários: