sexta-feira, 15 de julho de 2011

Mais uma prova de que a coisa se pega





Estas coisas são típicas de quem anda lá pelas "europas" metido em causas transcendentes de zenital alcance.

Que tal racionar as folhas de papel higiénico? As arvorezinhas que seriam poupadas ao voraz apetite do olho que não vê a gravata...!

Minha senhora, acorde. Deixe-se de parvoeiras e mexa-se. Faça algo ou o que pensa que faz dará muito nas vistas.

8 comentários:

José Gonsalo disse...

Hmmm...! Julgo que a justificação é uma jogada psicológica (muito bem calculada) que serve para despistar através do "modernaço". Parece-me que o objectivo é o de criar um ambiente de "arregaçar as mangas", e, ao mesmo tempo, desconcertar a Heloísa Apolónia e seus pares, que devem ter ficado com as cristas verdes de raiva.
Eu cá, dar-lhe-ia antes os parabéns pela inteligência, algo que toda a gente, aliás, lhe reconhece.

David Levy disse...

Estou basbaque com tanta estupidez. Não terão nada que fazer nesse ministério??

RioD'oiro disse...

JG:

Deus o oiça.

Quanto à Apolónia, valha-nos a santa.

Caro JG, é bem capaz de ter razão, mas, mesmo assim, acho que é de lhe atazanar a cabeça porque o que está em causa dá demasiado importância à Heloísa permitindo-lhe, e às respectivas tropas (naturalmente de choque), reclamar pela continuação da mesma toada.

Se a miúda for esperta como refere, passará a ter mais cuidado.

Já agora, que resposta terá ela para os funcionários que trabalham sem ar-condicionado que venham a reclamar por igual tratamento?

José Gonsalo disse...

Rio d'Oiro:

Não sei. Pelo que ela deu a entender quanto ao incremento desse "arregaçar de mangas", acho que a medida lhes será extensiva. Ou, quem sabe, talvez lhes aconselhe antes o uso de um boné. ;D

José Damião disse...

Ah!!! mas existe uma obrigatoriedade no vestir, por exemplo usar gravata, ou isso é um mero uso social em certos meios mas cada um se for sem gravata não esta em trangresssão, ou esta? qual a lei que obrigava a gravata? a pessoa se decidir não usar gravata esta a cometer uma infracção,deixa de ser competente por isso? bem só tristezas como aquela de viajar de avião em segunda classe.

“Já agora, que resposta terá ela para os funcionários que trabalham sem ar-condicionado que venham a reclamar por igual tratamento?”

Valha-lhes santa engracia a estas mentes, ela fez alguma lei ou decreto lei? Ou propos que todos os ministerios ou empresas deste pais teriam que seguir essa orientação? Não. Porque se muda por exemplo a hora de verão e inverno se a poupança é insignifcante. Porque ha lei nesse sentido.

Tomou uma medida em relação ao seu ministerio, talvez para contrariar um uso social em que todos se sentiam na necessidade de usar gravata, mas isto, não é inedito nem foi inventado por ela, é uma medida aplicada por esse mundo fora, por exemplo práticas seguida na sede da onu, em nova iorque, e em várias empresas europeias , os chineses instituíram que nos meses mais quentes não usam gravata, e depois??Se não se poupa por ai além também não se gasta mais,

RioD'oiro disse...

JG:

"arregaçar de mangas"

Hmm. Li, algures, que por cada 4 agricultores há um funcionário do ministério da agricultura. Pode, ou não, ser verdade.

Suponhamos que é. Nesse pressuposto, a postura de arregaçar as mangas quererá dizer o quê? Que há lá trabalho para aquela malta toda? Que há mais trabalho do que aquele que é executado? Haverá falta de funcionários(!!!)?

Independentemente deste exercício de fofoca e tendo em atenção a premência do que é preciso fazer (reduzir a despesa), parece-me que a medida anunciada pode bem virar-se muito mais significativamente contra ela se ela não tomar outras medidas que tornem irrelevante esta dita. De outra forma ver-se-á rapidamente incluída no anedotário indígena. Dos cartoons já não se livra.

De qualquer forma, esta argolada (parece-me, apesar de tudo, uma argolada) é irrelevante face à escolha de Fernando Nobre para a AR. Foi de caixão à cova.

José Gonsalo disse...

Rio d'Oiro:

"Que há mais trabalho do que aquele que é executado?"
Já se viu algum trabalho real por parte do MA e congéneres desde o 25 de Abril? Eu não dei por ele! E tenho familiares na ingrícola que o atestam.

"(...) a medida anunciada pode bem virar-se muito mais significativamente contra ela se ela não tomar outras medidas que tornem irrelevante esta dita. De outra forma ver-se-á rapidamente incluída no anedotário indígena."
Pois. Ao nível da "cabecinha pensadora" dos Malucos da Lavoura. Esperemos pelo resto do programa.

"De qualquer forma, esta argolada (parece-me, apesar de tudo, uma argolada) é irrelevante face à escolha de Fernando Nobre para a AR. Foi de caixão à cova."
Este pessoal é botóxico, não morre. Fica a andar por aí e, depois, volta como protagonista ou padrinho de outrem.

RioD'oiro disse...

JG:

"Já se viu algum trabalho real por parte do MA e congéneres desde o 25 de Abril?"

Bem, eu já dava de barato que apenas parecessem atarefados. Mas tem razão.

Esta: http://www.publico.pt/Sociedade/portugal-e-espanha-gastam-48-milhoes-em-150-mil-cabras-para-prevenir-fogos-na-raia_1452780
tenho-a pendurada junto ao computador. Rio-me sempre só de olhar para ela. 187 entidades a tratar de 150000 cabras. Imagine-se só a quantidade de mails que trocariam sobre o assunto e as reuniões que planeariam para tratar da coisa. Seriam, autenticamente, congressos atrás de congressos.

"Fica a andar por aí e, depois, volta como protagonista ou padrinho de outrem."

Eu não consigo perceber como gajos que têm condições para acabar bem, insistem em meter-se em coisas para as quais qualquer avestruz percebe que não têm jeito.

Mário Soares ainda é pior. Só a idade o salva de ser levado (pelo menos por mim) a sério.