terça-feira, 12 de julho de 2011

O murro

No Cachimbo de Magritte:
Por mais injusto que seja, o ‘murro’ da Moody’s traz uma exigência acrescida ao novo Governo. Já não basta cumprir escrupulosamente o acordo com a ‘troika’. Isso é muito mas é pouco. É necessário convencer os portugueses que os sacrifícios que aí vêem fazem sentido, apesar dos maus agoiros. Passos Coelho, que nunca prometeu facilidades, ensaiou isso mesmo ao reconhecer que atravessamos "momentos muito difíceis” mas lembrando as “transformações que precisamos de fazer qualquer que seja o ambiente externo". Esse será o maior desafio político deste Governo: mostrar às pessoas que não há alternativa à consolidação orçamental; que as reformas são necessárias, não por serem impostas de fora, mas por serem necessárias ao crescimento da economia; que os cortes na despesa não são um ataque ideológico ao Estado social, mas a única forma de o manter, nos pontos essenciais, como segurança dos mais necessitados; que as privatizações não são apenas necessárias pelo dinheiro, a curto prazo, mas um passo inevitável para uma economia forte e concorrencial, longe da ‘longa manus’ do Estado.

2 comentários:

José Damião disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
RioD'oiro disse...

JD,

Experimente transformar os seus "comentários" em artigos nos ses blogs.