quinta-feira, 9 de abril de 2015

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Fascismo para todos os gostos

António Costa que que seja a ANA a cobrar a todos os seus clientes a taxa necessária para continuar a pagar os desmandos da CML.

Não foi engano, não foi descuido, é a afirmação de "ética republicana" passando a entidades privadas a cobrança de impostos.

Já com a economia de rastos, já com um insuportável nível de impostos, sendo já difícil continuar com a política de desorçamentação de despesa por via de swaps, insiste-se na cobrança de impostos por via de empresas privadas. A ANA cobra aos seus clientes, entrega à câmara, os portugueses arrotam, o socialismo fascista continua o seu rumo.

Espero que todas a câmaras venham a reclamar igualdade de tratamento para ver se os imensos e imensamente tontos percebem que é 'apenas' mais um esquema em pirâmide.

Mas há no PSD um outro tipo de luminárias que não anda muito longe, pretendendo que entidades privadas recebam de outras entidades privadas impostos recolhidos pelas segundas sobre ... suportes de memória. Neste caso, como no caso das eólicas, é o estado a trespassar parte da sua razão se ser (existir) criando entidades para-estatais trespassando a actividade cobrança de impostos para o estrito domínio do privado.

Para chulice não bastou já o socialismo multiplicativo e redistribuidor keynesiano?

domingo, 5 de abril de 2015

Do dilema dos 44 de todo o mundo


É uma chatice quando os esquerdalhos convencidos que o território que pensavam pertencer-lhes por direito divino (do deus Marx) descobrem que a ocupação se reduz ao reino dos gambozinos.

É o estertor do fascismo gramsciano que os deixa em palpos de aranha, incapazes de sequer balbuciar algo de terreno relativamente ao que quer que seja.

O 44 está no mesmo dilema. Separado de Lula e dos kamaradas do Foro de S. Paulo, separado das grandes tiradas chavistas de quero, posso e mando sobre a economia e as empresas, separado do novo-riquismo parisiense de proleta alcandroado em bicho que se sujeita às delícias chick em prole da qualidade na zenital condição de querido líder, enfim, a triste figura dos tontos amantes do multiplicador keynesiano.

Se pensam que a coisa chegou a este desplante, fiquem e saber que ainda a processão vai no adro e que a reacção não passará.

sábado, 28 de março de 2015

Do engodo "lista VIP"

Eu não tenho a certeza nem tenho, aliás, seguido o assunto em pormenor, mas algo me diz que a lista VIP é um engodo para atrair os idiotas e que o sistema informático começou há uns meses a fazer o registo de todos os acessos de todos os 'utilizadores' da coisa e que, neste momento, é irrelevante se há filtro VIP ou não porque os processos aos PIDES que meteram o nariz onde não deviam andará em frente independentemente da conversa VIP pois nada os ligará a esse filtro.

Basta pegar nos registos de acessos e fazer triagens com base em critérios triviais (como o nº de acessos independentemente de quem se trate) e catrafilar os PIDEs.

A oposição mordeu o isco e ... fez muito bem :) Se a coisa foi como suspeito, o governo está de parabéns. Mais um pequeno 25 de Abril/25 de Novembro. Abaixo os PIDEs/PREC.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Cuba e a farsa dos médicos

O governo cubano sabe que quando médicos cubanos escravizados vêm para Portugal serão submetidos a um exame na Ordem dos Médicos, exame que, mesmo com conhecimento prévio de que haverá exame, chumba 50% dos que lá aparecem.

No Brasil os "médicos" cubanos estão dispensados de qualquer exame.

Entretanto:


E que tem o governo português a dizer relativamente ao pagamento directamente ao estado cubano pelos médicos que aqui mantém em regime de escravatura?

quinta-feira, 19 de março de 2015

Como se faz da mentira profissão e se pretende sair em asas de querubim

Paulo Ralha vem hoje declarar que é de estado fascistóide que exista uma lista VIP nas finanças, sem nunca 'informar' se essa lista VIP bloqueava o acesso de inspectores aos dados dos VIP.

Depreende-se que, segundo o mesmo artista, não é fascistóide que centenas de inspectores estatais andem 'entretidos' a vasculhar as contas de alvos preferenciais.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Da "lista"-anzol

Se a lista é oficial, oficiosa, subreptícia ou de outro qualquer tipo qualquer, claro ficou que os kapangas "progressistas" da CGTP infiltrados no estado se entretinham a praticar tiro aos pombos que ocupam lugares importantes no governo e no estado para efeitos de manipulação política directa ou indirecta, às claras ou às escuras. Pelo menos 100 submarinos dedicavam-se a esta querubínica actividade.

Trata-se de mais um esquema de corrupção escalpelizado na comunicação social como se se tratasse do contrário. É apenas uma variante da máxima: "para defendermos os interesses dos passageiros vamos
massacrá-los obrigando-os a andar a pé".






quinta-feira, 5 de março de 2015

Certificado: O IPCC na qualidade de gabinete marxista fascistoide

"This is probably the most difficult task we have ever given ourselves, which is to intentionally transform the economic development model, for the first time in human history.

This is the first time in the history of mankind that we are setting ourselves the task of intentionally, within a defined period of time to change the economic development model that has been reigning for at least 150 years, since the industrial revolution. That will not happen overnight and it will not happen at a single conference on climate change, be it COP 15, 21, 40 — you choose the number. It just does not occur like that. It is a process, because of the depth of the transformation."

Read more at http://libertyalliance.com/u-n-climate-chief-admits-goal-of-regulation-is-worldwide-redistribution-of-wealth/

A lepra na administração pública

Fica hoje claro que os submarinos marxistas-fascistoides "progressistas" instalados no estado usam o aparelho estatal, nomeadamente a informática, como arma de arremesso a todos os não marxistas-fascistoides, nomeadamente quem vive fora da teta do estado e é empresário, para, chantageando, 'refrear ímpetos políticos' e 'mobilizando boas vontades' para a defesa e financiamento das "boas causas".