domingo, 14 de novembro de 2010

Ódio aos judeus ( "Anti-sionismo!", em novilíngua)

O ódio aos judeus é recorrente, é milenar e mais intenso nas direitas e esquerdas extremistas.

Perante a irracionalidade deste ódio, importa talvez recordar que eram/são judeus, figuras como Marx, Trotsky, Jesus Cristo, Egas Moniz, S.Pedro, a Virgem Maria, Einstein, Feynman, Bohr, Barba Streisand, Woody Allen, Stanley Kubrik, Mendelsohn, Espinosa, Serge Gainsbourg, Freud, Andre Agassi, Debra Winger, Sara Jessica Parker, Isaac Newton, Ben Afleck, Mel Brooks, George Lukas, Steven Spielberg, Noam Chomsky, Leonard Bernstein, Jorge Sampaio, Lenny Kravitz, Erdos, Abraão Zacuto, Garcia de Orta, Rodrigues da Fonseca, Pedro Nunes, Milton Friedman, Jerry Lewis, Lewis (o das jeans), o inventor do Facebook, etc,etc, para além de mais de 100 prémios Nobel em areas científicas nos últimos 50 anos.

Perante gente desta, que tanto deu e dá ao mundo, só gentalha mais bronca que um cabo de vassoura, com a ignorância a queimar-lhe a língua, se pode permitir alimentar este tipo de ódio tão irracional, que se funda na convicção de que os judeus, para além de "dominarem o mundo", devem ter cornos na cabeça, cascos de bode, são maus, feios, porcos, arrotam a chouriço de cebola e peidam-se à mesa.

Nada de novo:

Há 500 anos uma multidão imbecil matou 4000 judeus em Lisboa, e expulsou de Portugal alguns dos seus mais cultos filhos. A perseguição durou séculos...até ao Marquês de Pombal a quem o rei D. José pediu que decretasse um distintivo obrigatório para quem tivesse sangue judeu. No dia seguinte, Pombal apareceu com três distintivos ao peito. O rei perguntou a razão e Pombal respondeu: “Um por mim, outro pelo inquisidor-mor e outro por Vossa Majestade.” Judeus somos, os portugueses, todos um pouco. Ignorantes de nós somos todos muito.”
(Ferreira Fernandes, Correio da Manhã)

64 comentários:

LGF disse...

Na mouche. 5 estrelas.

LGF disse...

"Perante gente desta, que tanto deu e dá ao mundo, só gentalha mais bronca que um cabo de vassoura, com a ignorância a queimar-lhe a língua, se pode permitir alimentar este tipo de ódio tão irracional, que se funda na convicção de que os judeus, para além de "dominarem o mundo", devem ter cornos na cabeça, cascos de bode, são maus, feios, porcos, arrotam a chouriço de cebola e peidam-se à mesa"

Além de serem responsáveis:

- pela Peste Negra
- pela SIDA
- envenenamento de poços
- sacrifício de crianças
- utilização de sangue cristão para bolos
- pactos como o Diabo
- invenção da usura
- invenção do comunismo e do socialismo
- revolução russa
- domínio do mundo
- domínio dos EUA
- domínio das estrelas
- domínio das finanças
- crise económica actual
- incêndio de Londres de 1666
- Terramoto e tsunami de 2004 no Oceano Índico

Esta é uma pequena lista de "responsabilidades" atribuídas aos judeus. Esqueci-me de algo?

LGF disse...

The Roman Catholic historian Edward Flannery distinguished four varieties of antisemitism:[5]

* political and economic antisemitism, giving as examples Cicero and Charles Lindbergh;
* theological or religious antisemitism, sometimes known as anti-Judaism;
* nationalistic antisemitism, citing Voltaire and other Enlightenment thinkers, who attacked Jews for supposedly having certain characteristics, such as greed and arrogance, and for observing customs such as kashrut and Shabbat;
* and racial antisemitism, with its extreme form resulting in the Holocaust by the Nazis.

In addition, from the 1990s, some writers claim to have identified a new antisemitism, a form of antisemitism coming simultaneously from the far left, the far right, and radical Islam, which tends to focus on opposition to Zionism and a Jewish homeland in the State of Israel, and which may deploy traditional antisemitism motifs, including older motifs like the "Blood Libel".[6]

Holocaust denial and Jewish conspiracy theories are also considered a form of antisemitism

LGF disse...

http://en.wikipedia.org/wiki/Antisemitism

Carmo da Rosa disse...

LGF disse: ” Esqueci-me de algo?”

E o ataque às Torres Gémeas? E o terramoto de Lisboa, o extermínio dos dinossauros e dos lobos em Portugal, a queda do Império Romano… A lista é infinda, quando me lembrar de mais alguma coisa apito.

Estas coisas têm que ser ditas.

José Gonsalo disse...

Eu, por exemplo, fiquei muito desconfiado com aquela derrota do Benfica por 5-0, no Porto...

LGF disse...

Iranian writer and researcher Ali Baqeri, who researched the Protocols, finds their plan for world domination to be merely part of an even more grandiose scheme, saying in Sobh in 1999:

"The ultimate goal of the Jews... after conquering the globe... is to extract from the hands of the Lord many stars and galaxies".

http://en.wikipedia.org/wiki/Contemporary_imprints_of_The_Protocols_of_the_Elders_of_Zion

LGF disse...

"Eu, por exemplo, fiquei muito desconfiado com aquela derrota do Benfica por 5-0, no Porto..."

A conspiração é clara. A ideia é que o clube perca, para ~que o valor das acções desça e um eventual take-over seja mais barato.
Como o Benfica é um clube mundial, a sua aquisição é fulcral para os planos de domínio mundial dos judeus.

P.S.: É assim que tenho de escrever ou falta algo? Aceitam-se sugestões. esta conspiração não pode ficar impune.

Carmo da Rosa disse...

José Gonsalo: ”fiquei muito desconfiado com aquela derrota do Benfica por 5-0, no Porto..”

Pinto da Costa!

Como dizem os franceses, mais judeu do que isto ‘je crève’…

LGF disse: ”…eventual take-over seja mais barato.”

E quem tem o Benfica, tem Lisboa.

Streetwarrior disse...

5 Estrelas...na Mouche!

Muito bem dito, falta referir que os que fazem da sua luta, a bandeira contra o Anti-Semitismo e o Anti-Sionismo, são os maiores Islamofóbicos que tudo o que condenam por se apontar aos Judeus Sionistas, já é uma verdade Inquestionavél quando se trata de um Muçulmano.

Razão tinha o Marquês de Pombal, esqueçem-se é de referir o que ele fez aos Jesuitas...Realmente a Ignorançia do Chose a side, é mais que muita.

Mais alguém para dar palmadinhas nas costas...O Blog agora só está aberto a Criticas favoráveis, é chegar á frente.

RioD'oiro disse...

SW:

"Muito bem dito, falta referir que os que fazem da sua luta, a bandeira contra o Anti-Semitismo e o Anti-Sionismo, ... "

Veja lá se consegue tornar esta frase em algo inteligível.

Anónimo disse...

Esta malta enche a boca de antisionistas antisemitas.judeus palestinos etc etc, e é cega como as toupeiras Os palestinos não aceitaram não reconheceram etc. etc. Quem são então esses palestinos. Os palestinos não eram ninguém, era uma população que vivia na zona e se viu invadida e enrolada numa guerra pela formação de dois estados e foi obrigada a fugir das suas terras pelo invasor e depois não pode regressar porque entretanto o invasor apossou-se das terras anexadas construiu colonatos e assentamentos.

Mas então os israelitas não lutraram contra os palestinos? Essa é boa, ou melhor lutaram no inico da guerra da independencia israelita, colonos contra “palestinos” praticamente uma luta de civis armados sem qualquer material sério militar, mas depois as coisas mudaram tudo devido a um cessar fogo nesta refrega, a onu pede um cessar fogo, é aceite as posiçoes de ambos estavam fragilizadas, entretanto em israel golda mayer vai aos estados unidos e pede apoio militar recebe-o, também da russia, quando o cessar fogo acaba os israelitas estavam numa posição muito diferente de forças com apoios materiais e meios logisticos totalmente opostos e levam de vencida, quem? Os palestinos, boa boa é so rir, não os arabes as naçoes arabes limitrofes, e alguns palestinos que se tinham integrado nos exercitos arabes. Ha um filme que anda pela tv cabo que procura documentar esta parte da historia quem não le que veja.

Mas então o que os paises arabes tinham a ver com os israelitas? Bem o que esta malta não sabe é isso, é preciso recuar ao tempo do imperio otomano, quem dominava aquela zona? O imperio otomano mas acontece entretanto uma I guerra mundial, os ingleses estavam nela e estavam na zona como uma das potencias rivais do imperio otomano dominavam o egipto, era preciso derrotar o imperio otomano mas como? Unir as tribos arabes a volta da bandeira inglesa e po-los a lutra pela inglaterra, assim sem mais nem menos os arabes entraram nesssa aventura? Não, um sir lawrence da arabia fartou-se de andar por la a arregimentar essas tribos e conseguiu prometendo-lhes que depois do desmembramento do imperio otomano sua majestade deixaria aquelas terraa sob mandato britanico integrar a nação arabe, os arabes vencem o imperio otomano tomam a palestina e isso aconteceu? Pois é, não aconteceu o império britanico entretanto tinha mudado de ideias, o governo britanico tinha feito previsões e tinha prometido aos judeus um quinhão para eles la assentarem e não podia dar tudo aos arabes, alias os sionistas ja la estavam a praticar actos de terrorismo tal como os arabes , uns contra os outros e contra os ingleses. Quem não gosta de ler que veja o filme autobiografico do lawrence.

Os ingleses decidem que não são capazes de fazer a partilha e passam a batata quente para a onu esta decide dois estados, da-se a guerra da independencia 1947/48 e depois a dos seis dias, israel derrota quem os palestinos? Pois pois, derrota os arabes a quem depois devolve as terras entretanto ocupadas e as terras dos palestinos, oh isso paciencia, quem são os palestinos para reinvindicar o que quer que seja, tem governo orgãos representativos, exercito,sobrerania? não, então que vão lambendo as feridas, as naçoes arabes recebem as suas terras por meio de pressoes e negociaçoes esquecem o assunto e que os palestinianos não tiveram direito ao seu pais, e as coisas tendem a voltar ao normal é o que interessa o que la vai la vai, e os palestinoa então quem os representa se eles politamente e admnistrativamewnte não tinham essa capacidade negocial? Pois bem a comunidade internacional a onu, que vai decidir atraves de resoluçoes tentar por tudo no incio para começar de novo, isso é possivel? Não tem sido possivel, dizem “eles” a culpa e´toda dos palestinos. Boa boa.

LGF disse...

Os "palestinianos", tal como os judeus sempre viveram sob ocupação.
Os judeus sofreram a ocupação romana, islâmica, cruzados, otomana e inglesa.
Os palestinianos sofreram a ocupação inglesa.
Entre 1948 e 1967, Gaza foi ocupada pelo Egipto e a Cisjordânia foi ocupada pela Jordânia. Porque será que os palestinianos nunca lutaram contra essa ocupação? Porque será que só depois da guerra dos 6 dias começaram a ser conhecidos por palestinianos, quando anteriormente eram apenas árabes?
Porque é que nunca se preocuparam em criar o seu Estado?
Porque é que não se preocupam em criar o seu Estado?

A resposta é simples. Porque preferem perder tempo a conspirar para acabar com Israel do que a trabalhar no duro para construir um Estado.

LGF disse...

"Os ingleses decidem que não são capazes de fazer a partilha e passam a batata quente para a onu esta decide dois estados, da-se a guerra da independencia 1947/48 e depois a dos seis dias, israel derrota quem os palestinos? Pois pois, derrota os arabes a quem depois devolve as terras entretanto ocupadas"

O anónimo reconhece que Israel cumpre obrigações... derivadas dos acordos de paz que assina.
Quando não há acordo de paz...

Ou seja, o que o anónimo está a dizer é que os palestinianos terão de assinar um acordo de paz para terem o seu Estado (exactamente o que eu e outros já afirmamos).

O que o anónimo não diz é como pensa conseguir fazer os palestinianos assinarem um acordo de paz com Israel...

LGF disse...

"e as terras dos palestinos, oh isso paciencia, quem são os palestinos para reinvindicar o que quer que seja, tem governo orgãos representativos, exercito,sobrerania? não, então que vão lambendo as feridas, as naçoes arabes recebem as suas terras por meio de pressoes e negociaçoes esquecem o assunto e que os palestinianos não tiveram direito ao seu pais, e as coisas tendem a voltar ao normal é o que interessa o que la vai la vai, e os palestinoa então quem os representa se eles politamente e admnistrativamewnte não tinham essa capacidade negocial? Pois bem a comunidade internacional a onu, que vai decidir atraves de resoluçoes tentar por tudo no incio para começar de novo, isso é possivel? Não tem sido possivel, dizem “eles” a culpa e´toda dos palestinos. Boa boa"

Terão as suas terras quando assinarem um acordo de paz. Até lá...

LGF disse...

CARTA DO HAMAS

"Israel will exist and will continue to exist until Islam will obliterate it, just as it obliterated others before it." (The Martyr, Imam Hassan al-Banna, of blessed memory).

"The Islamic Resistance Movement believes that the land of Palestine is an Islamic Waqf consecrated for future Muslim generations until Judgement Day. It, or any part of it, should not be squandered: it, or any part of it, should not be given up. "

"There is no solution for the Palestinian question except through Jihad. Initiatives, proposals and international conferences are all a waste of time and vain endeavors."

"After Palestine, the Zionists aspire to expand from the Nile to the Euphrates. When they will have digested the region they overtook, they will aspire to further expansion, and so on. Their plan is embodied in the "Protocols of the Elders of Zion", and their present conduct is the best proof of what we are saying."

LGF disse...

O anónimo que diga , na sua sabedoria, como pensa fazer com que o Hamas (governo eleito da Palestina) assine um acordo de paz com Israel conforme as resoluções da ONU.

A solução do Hamas é a destruição de Israel e atirar os judeus ao mar. E não aceitam nada menos do que isso.

Agora, quero ver como o anónimo descalça esta bota.

Anónimo disse...

o lgf tudo o que tu dizes passa ao lado da historia vai estudar. tens ai um resumo de 100 anos.
esforça-te mais e não trgas propaganda do governo israelita e do middle east true. estuda

Carmo da Rosa disse...

Quem representa os palestinos é você mas ainda não sabe. Mas para oficializar a coisa tem que dar uma geraldina, que os gajos do Hamas já estão fartos de cabras...

Go_dot disse...

Caro anónimo. Gostei da simplicidade:”dá-se a guerra da independência 1947/48 e depois a dos seis dias… fez-me lembrar a ida à guerra do Raul Solnado”.
Mas os seus critérios de referencia, continuam incompreensíveis. Porque razão é que nega com tanta ferocidade aos judeus, o que defende tão apaixonadamente para os palestinos? Que nome é que dá à sua predilecção? Francamente, a mim soa-me a racismo.

Anónimo disse...

“Caro anónimo. Gostei da simplicidade:”dá-se a guerra da independência 1947/48 e depois a dos seis dias… fez-me lembrar a ida à guerra do Raul Solnado”.

Go dot senão conheces não vale a pena meteres-te ao barulho, eu citei factos relevantes para aquele local, não dia a dia e mes a mes. Guerra da independencia, depois houve uma acalmia e guerra dos seis dias, são esses os episodios belicos relevantes e que motivaram a intervenção da ONU condenando israel, quantas condenaçoes teve o povo palestino pelo conselho segurança da onu? Quantas resoluçoes condenaram israel e cumpriu israel? Pois é. se te faz lembrar o solnado ri-te ri-te.

“Porque razão é que nega com tanta ferocidade aos judeus, o que defende tão apaixonadamente para os palestinos? Que nome é que dá à sua predilecção? Francamente, a mim soa-me a racismo.”

A segunda questão chegas tarde, ja me foi feita essa pergunta e ja respondi a tudo sobre este tema no outro post, esta esgotado lamento remeto-te para um copy paste meu.

“Lidador
Caro anónimo.

Repito a pergunta: o que o leva a ser contra a existência de Israel e não contra a existência dos outros 200 países do mundo”

Respondi eu:

Se me faz esta pergunta pessoalmente eu respondo, não sou antisemita nem antisionista, esta claro. Não concordo é com certas politicas musculadas do estado israelita principalmente dos “herdeiros do irgun” e que ja aqui tive tempo de reafirmar, fora isso ate nutro simpatia pelo povo judaico do qual nos recebemos bastante influência, mas todos temos que conviver uns com os outros e aquela região tem que ter dois estados e não se vai la com os actores actuais de um lado ou do outro.

Sectaristas são voces meu caro e desconhecem factos basicos do problema, não é meu problema, eu sei a historia estudei-a analiso os factos e só pode haver uma conclusão dois estados como definiu a onu. Ponto final

O-Lidador disse...

"Não concordo é com certas politicas musculadas do estado israelita "

Mas porque razão só certas politicas musculadas do estado israelita lhe suscitam a indignação.
Então e as politicas musculadas dos outros países?

Israel porquê?
É um país minúsculo. Porque razão, por exemplo, as politicas musculadas do Zimbabwe, por exemplo, não surgem no seu radar?

Essa é a resposta que eu gostaria de ter. É que há quase 200 países, meu caro e tem de concordar que a fixação em Israel é bastante estranha.

Até porque, por exemplo, a Jordânia já liquidou mais palestinianos do que Israel.
Porquê Israel?

O-Lidador disse...

"só pode haver uma conclusão dois estados como definiu a onu. Ponto final"

Os árabes recusaram. Como pensa resolver o problema?

Outra questão: porque razão de 1948 a 1967, os palestinianos não formaram o tal estado, quando as suas terras estavam sob soberania egípcia e jordana?

O-Lidador disse...

" a jordania e os outros paises arabes limitrofes, não tem nada a ver com os palestinos"

Não?

A Jordania e o Egipto tiveram a soberania sobre as terras palestinianas de 1948 a 1967.
A Jordania tem uma enorme percentagem de palestinianos. De resto matou mais do que Isral, no Setembro Negro há registos de milhares de palestinianos a fugir da Jordania para Israel.
FOram os árabes que invadiram Israel várias vezes, para destruir os judeus.
São os árabes que instrumentalizam os palestinianos.
Os palestinianos são árabes. O Líbano ainda há dois anos atacou um campo de palestinianos e matou largas centenas.

Para quem não tem nada a ver, o registo não é mau.

" as naçoes arabes que atacaram israel fizeram-no porque foram enganados "

Fizeram-no para destruir os Judeus. Há declarações dos líderes árabes, registadas e documentadas.

" derrotar o imperio otomano e depois foram postos de lado e aquilo que lhe prometeram a integração da palestina na nação arabe"

Prometeram o quê? Você anda a beber gasóleo...

" foram usados como moeda pelos arabes para atacar e querer impedir a criação de israel e uma vez perdida a guerra nunca se importaram pelo seu destino nos campos de refugiados. "

Ah, afinal sempre têm algo a ver. Bem me parecia, E nesta parte tem inteira razão.



"Os arabes não são os palestinianos"
Mas os palestinianos são árabes.



P.S. Todos os seus comentários que incluam insultos de taberna serão apagados, mais tarde ou mais cedo.

Tem uma solução: expor as suas razões sem usar adjectivos para exorcizar a frustração de não ter sido dotado de capacidade para argumentar com clareza, urbanidade e bom trato da língua pátria.

Anónimo disse...

O lidador esqueça tudo não ha mais nada a discutir consigo nem com as suas comparçoes sem nexo, esta resumido por mim em cinco pontos no outro post. A ver se entende, a jordania e os outros paises arabes limitrofes, não tem nada a ver com os palestinos israel onu e formação dos dois estados. Voce não entende e vem com comparaçoes estapafurdias, as naçoes arabes que atacaram israel fizeram-no porque foram enganados ou sentiram-se engandas pelos ingleses quando precisaram deles para derrotar o imperio otomano e depois foram postos de lado e aquilo que lhe prometeram a integração da palestina na nação arabe não foi cumprido, isto levou esses paises a atacar israel. Os palestinos nesta embrulhada foram peoes nunca ninguém se interessou por eles foram usados como moeda pelos arabes para atacar e querer impedir a criação de israel e uma vez perdida a guerra nunca se importaram pelo seu destino nos campos de refugiados.

"Os arabes não são os palestinianos"
Mas os palestinianos são árabes.”

Como é que é possivel discutir condigo nesta base se voce não entendeu nada do que eu disse. Os palestinos era a população local autotone que viria a beneficiar da partilha da onu, os outros estados arabes ja eram soberanos e tinham fronteiras, enfim desisto mesmo.

Os árabes recusaram. Como pensa resolver o problema?

Oa arabes não são os palestinianos, estes nunca tiveram vos representação soberania, o problema parte dele esta resolvido nos acordos de paz de 1993 falta a vontade de o concretizar, principal obstaculo.

E desculpe la ponto final não vale a pena chover no molhado

Compreendo então que preteja os seus acolitos e censure a forma menos elegante em retorquir no mesmo tom, ja que insultar é privilegio da casa, por exemplo o rosa . esta é de intectual de...... bairro

“ Mas para oficializar a coisa tem que dar uma geraldina, que os gajos do Hamas já estão fartos de cabras”

Correcto não. Por mim sem comentarios, quanto as suas opçoes quanto aos amigos de blogue.

Anónimo disse...

ah é verdade e o hamas não representa os palestinianos nem tem capacidade negociar para celebrar acordos de paz, pois.

Streetwarrior disse...

http://www.vimeo.com/15763952

LGF disse...

"ah é verdade e o hamas não representa os palestinianos nem tem capacidade negociar para celebrar acordos de paz, pois."

O primeiro problema é que o Hamas representa os palestinianos. Foi eleito.
O segundo problema é que o Hamas não reconhece a Israel o direito a existir, conforme as resoluções da ONU. Basta ler a carta do Hamas... está lá tudo.

LGF disse...

"o lgf tudo o que tu dizes passa ao lado da historia vai estudar. tens ai um resumo de 100 anos.
esforça-te mais e não trgas propaganda do governo israelita e do middle east true. estuda"

Parece-me que quem precisa de estudar és tu, caro anónimo. Nem leste a Carta do Hamas. Lê primeiro e fala depois.

E ainda estou à espera que me digas como é que Israel assina um acordo de paz com o Hamas.
Um acordo baseado nas resoluções da ONU, garantindo dois estados.

LGF disse...

"mas todos temos que conviver uns com os outros e aquela região tem que ter dois estados e não se vai la com os actores actuais de um lado ou do outro."

Óptimo. Agora experimente dizer isso ao Hamas e veja a resposta....

É o que dá a ignorância. Uma breve leitura da Carta do Hamas e dos seus objectivos deita por terra qualquer hipótese de uma solução negociada com o Hamas... a menos que os israelitas resolvam suicidar-se em massa.
Como os israelitas não estão para aí virados... e os palestinianos estão cada vez mais a suportar o Hamas (dado que a Fatah ou OLP é do mais corrupto que há), o conflito não tem fim.

Mas de quem é a culpa? Dos israelitas que se recusam a suicidar ou a deixarem-se matar ou é dos palestinianos que recusam a partilha da ONU?

LGF disse...

"Sectaristas são voces meu caro e desconhecem factos basicos do problema, não é meu problema, eu sei a historia estudei-a analiso os factos e só pode haver uma conclusão dois estados como definiu a onu. Ponto final"

Essa conclusão, meu caro, já todos chegamos. O que ainda ninguém conseguiu dizer é como irão os palestinianos reconhecer e aceitar a existência de Israel.

Aceitam-se sugestões.

LGF disse...

"E o ataque às Torres Gémeas?"

http://www.vimeo.com/15763952

Já cá faltava o Streetwarrior e as teorias da carochinha da conspiração judaica do 11 de Setembro.

O anti-semitismo é uma merda que nunca irá desaparecer. pelo menos enquanto houver judeus.
Quando os judeus desaparecerem, quem tomará o seu lugar?
Isto faz-me lembrar a velha anedota arménia:

No Império russo, nos tempos do czarismo, um velho arménio, às portas da morte, mandou chamar os seus filhos para lhes dar as suas últimas instruções:
- Meus filhos, honrem sempre a família e defendam sempre os judeus.

Os filhos estranharam tal sugestão acerca dos judeus e perguntaram o porquê.
Resposta do velho:
- Lembrem-se que quando acabarem com os judeus, nós seremos os próximos...

A minha pergunta para o Streetwarrior:
- Quem são os seguintes? Mormóns? Budistas? Surfistas? Adeptos do Benfica?

Já estou a ver "Os protocolos dos sábios da Luz" ou "conspirações benfiquistas para dominar o mundo" ou "o 11 de Setembro foi uma conspiração benfiquista"....

LGF disse...

"A ver se entende, a jordania e os outros paises arabes limitrofes, não tem nada a ver com os palestinos israel onu e formação dos dois estados."

Estranho. Em 1948, tinham muito a ver. Tanto, que foram a correr querer destruir o estado israelita e atirar os judeus ao mar. Lixaram-se...

Azzam Pasha, the Arab League Secretary: "This will be a war of extermination and a momentous massacre which will be spoken of like the Mongolian massacres and the Crusades"

Streetwarrior disse...

Eu acho-vos a todos uma graça do caraças.

Quando 1 lider Judeu diz coisas tipo que " os Goyns Nasceram para nos servir ":..é a voz de 1 homem que não representa todos os Judeus, mas o contrario já vale, qualquer coisa que algum arabe diga contra os Judeus, já representa os Palestinos, Jordanos, Hamas, todos e ainda mais alguns.

Se quiserem colar Citações inflamadas, então peguem nos vossos Racistas Sionistas, esses é que são o Povo escolhido por Deus.

Não vão por aí....

RioD'oiro disse...

SW:

"qualquer coisa que algum arabe diga contra os Judeus, já representa os Palestinos, Jordanos, Hamas, todos e ainda mais alguns"

É ao contrário. dê um exemplo de um palestiniano moderado.

Palestiniano moderado é palestiniano morto. O Hamas, por quem todos os anti-semitas suspiram (incluindo o Streetwarrior) encarrega-se de afinfar com umas quantas balas de Kalasnikov, essa coisa que passa a ferramenta do pós moderno nas mãos dos "libertadores".

Anónimo disse...

“Palestiniano moderado é palestiniano morto”

Engraçado o mesmo se passa com os judeus.

O assassinato de rabin pelo judeu ultradireitista yigal amir. Com este crime, amir procurava perturbar o processo de paz que rabin e o líder palestiniano yasser arafat tinham iniciado em oslo dois anos antes.

Anónimo disse...

E engraçado também

Sadat é assassinado durante uma parada militar no cairo por membros da jihad islâmica egípcia infiltrados no exército e que eram parte da organização egípcia que se opunha às suas negociações com israel.

Anónimo disse...

E engraçado também

Sadat é assassinado durante uma parada militar no cairo por membros da jihad islâmica egípcia infiltrados no exército e que eram parte da organização egípcia que se opunha às suas negociações com israel.

RioD'oiro disse...

Anónimo:

"Engraçado o mesmo se passa com os judeus.

O assassinato de rabin pelo judeu ultradireitista yigal amir. Com este crime, amir procurava perturbar o processo de paz que rabin e o líder palestiniano yasser arafat tinham iniciado em oslo dois anos antes. "

Em Israel, uma democracia, não faltam idiotas úteis como o caro anónimo.

Houve até uma parlamentar israelita que se juntou ao barco do amor.

Pena é que entre os palestinianos isso não aconteça.

Amir, nada era. Apenas um cabeça rapada. Os dirigentes do Hamas e da Fatah representam algo e afirmam que a "palestina" será toda deles e que os israelitas devem ser afogados.

Quantos aos outros assassinatos, tudo por conta da Mossad?

RioD'oiro disse...

"e para alem disso foram reconhecidos por israel e palestinos,"

Não minta. Os palestinianos NUNCA reconheceram Israel. Não reconhecem, sequer, o direito à vida para israelitas.

Israel já declarou estar disposto a aceitar a existência de um estado palestiniano.

Anónimo disse...

“Israel já declarou estar disposto a aceitar a existência de um estado palestiniano.”

Pois, pois, os palestinos também, grande coisa, e então, e então porque foi morto o rabin? Por isto

Os Acordos de Oslo I (1993) e II (1995) estabeleceram autonomia palestina na Faixa de Gaza e em parte da Cisjordânia, além de instituírem a Autoridade Nacional Palestina (ANP) como entidade política e administrativa para os territórios ocupados. No âmbito dos Acordos de Oslo, a OLP reconheceu a existência do Estado de Israel e foi reconhecida por Tel Aviv como a legítima representante do povo palestino.
Valha-me deus não veem nada.

RioD'oiro disse...

"so veem um unico estado o de israe"

Só há um estado, o de Israel. A Palestina não é nem nunca foi um estado.

Mesmo assim Israel concorda com a formação de um Estado palestiniano e os palestinianos apenas pretendem o desaparecimento de Israel não sem dizimares os israelitas.


"I will never allow a single Israeli to live among us on Palestinian land"
Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana, em 28/07/2010."

LGF disse...

"Os Acordos de Oslo I (1993) e II (1995) estabeleceram autonomia palestina na Faixa de Gaza e em parte da Cisjordânia, além de instituírem a Autoridade Nacional Palestina (ANP) como entidade política e administrativa para os territórios ocupados. No âmbito dos Acordos de Oslo, a OLP reconheceu a existência do Estado de Israel e foi reconhecida por Tel Aviv como a legítima representante do povo palestino.
Valha-me deus não veem nada."

Bolas, que o pior cego é aquele que não quer ver. Qual é parte que não entende que o actual governo eleito palestiniano (do Hamas) não reconhece os acordos de paz?
Esqueça a OLP. A OLP já não existe! Apenas existem dois movimentos palestinianos: a Fatah e o Hamas. E é o Hamas que governa. Foram eleitos.
E o Hamas não reconhece nem acordos de paz nem partições nem resoluções da ONU.

Bolas, que é preciso ser-se cego para não ver isto.

Anónimo disse...

ainda bem que ja percebeu que o amir é da vossa laia.

LGF disse...

"Este lgf é um maçarico, percebe la ele o que são sujeitos de direito internacional e para alem disso foram reconhecidos por israel e palestinos, com capacidade negocial. ah deixa ver ganhou as eleiçoes. Boa boa."

Nota-se quem é que percebe.
Um bocado de leitura não fazia mal, mas se calhar vai contra as ideias já pré-estabelecidas e isso é uma chatice.

Saberá este anónimo ignorante que o Hamas substituiu a Fatah na liderança da Autoridade Palestiniana, em eleições decorridas?

http://en.wikipedia.org/wiki/Elections_in_the_Palestinian_National_Authority

LGF disse...

"Ò maçarico a ver se entendes, eu diria que estas uns patamares abaixo do normal e que qualquer pessoa com um alguns conhecimentos de causa percebe e entende, no entanto tu pelas tiradas do texto contexto e resposta revelas estar ao patamar do ze da esquina, sem desprimor para ninguém."

Eu diria que tu és um idiota, dado os fracos conhecimentos que revelas sobre a Palestina.

Embora eu e outros foristas estejamos fartos de te dizer como é que são as coisas, mas tu insistes na tua. Ideias pré-estabelecidas, sem bases nem fundamentos dão nisto.

Mas ainda não respondestes à minha questão (deve ser por falta de tempo):

- Como pensas fazer o Hamas (actual governo palestiniano)aceitar a partilha da Palestina e as resoluções da ONU?

Gostava de saber.

LGF disse...

"E o Hamas não reconhece nem acordos de paz nem partições nem resoluções da ONU."

pois pois é mesmo macarico

idem para israel.quantas cumpriu e aceitou. espera-se uma.

raios parta o maçarico"

Quando não há respostas.. é isto.

Resolução 181: Israel aceitou.
Resolução 242: Cumprida com quem Israel assinou acordos de paz.
Resolução 338: Cumprida
Resolução 425: Cumprida
Resolução 1701: Cumprida

LGF disse...

"ah é verdade e o hamas não representa os palestinianos nem tem capacidade negociar para celebrar acordos de paz, pois."

Ora deixa cá ver, os palestinianos fazem eleições legislativas, formam governos, elegem primeiros-ministros que depois não têm autoridade negocial nem representam o povo palestiniano.

É a mesma coisa que dizer que nós portugueses elegemos o Sócrates para primeiro-ministro, mas ele não tem capacidade negocial nem representa o povo português. ERRADO.
Os líderes eleitos, quer se queira quer não, são os representantes dos seus eleitores e têm capacidade de decisão e negociação (dentro das suas competências, claro).

O governo português (PS) ou o governo palestiniano (Hamas) são os representantes eleitos e têm capacidade de decisão e de negociação.
Se o Sócrates quisesse, podia fazer saír Portugal da NATO e da União Europeia.
Assim como o Hamas tem legitimidade para não reconhecer os acordos de paz.
Se os palestinianos querem mesmo a paz com os Israelitas e a implementação da partilha e das resoluções da ONU, têm bom remédio: não votem no Hamas.
Se votam no Hamas, depois não se queixem.
O Hamas diz claramente o que quer.

Anónimo disse...

Resolução 338: Cumprida

so uma
Resolução 338: Cumprida

resolução 338

Adoptada pelo Conselho de Segurança o 22 de outubro de 1973, durante a guerra do Yom Kippur, a resolução confirma a validade da resolução 242 e recomenda o alto ao fogo e o início das negociações em vista de “instaurar uma paz justa e duradoura no Oriente Médio”.

ah ah ah

LGF disse...

"O maçarico nas relaçoes internacionais não é sujeito de direito quem quer ou venceu eleiçoes, tem que ser reconhecido e o hamas não é reconhecido e é considerado como organização terrorista pelo canadá, união européia ,israel, japão e estados Uunidos"

Irra que é burro. O Hamas só não é reconhecido porque persiste na actividade terrorista.

Agora que é o legítimo representante do povo palestiniano, isso é inegável.

LGF disse...

"Como ve a situação é mais complexa, o problema é voltar aos acordos de oslo, e aos sujeitos ai reconhecidos, mas os amir como voces e jihads islamicas não deixaram nem deixam. Maçarico"

Quando não se sabe, desconversa-se.

Ainda estou à espera de resposta. Que já sei que tu não tens...

Explica lá, na tua imensa sabedoria, como é que os palestinianos vão regressar aos acordos de oslo.

LGF disse...

"Resolução 338: Cumprida

so uma
Resolução 338: Cumprida

resolução 338

Adoptada pelo Conselho de Segurança o 22 de outubro de 1973, durante a guerra do Yom Kippur, a resolução confirma a validade da resolução 242 e recomenda o alto ao fogo e o início das negociações em vista de “instaurar uma paz justa e duradoura no Oriente Médio”.

ah ah ah"

Eu arranjei 5. E sem esforço nenhum.

Para quem só pedia uma...

Mas responde lá à questão que te foi colocada. Isso é que interessa.

Anónimo disse...

lista de resoluções da ONU não cumpridas por Israel:
Palestinian Refugees have the right to return to their homes in Israel.
General Assembly Resolution 194, Dec. 11, 1948

“Resolves that the refugees wishing to return to their homes and live at peace with their neighbors should be permitted to do so at the earliest practicable date, and that compensation should be paid for the property of those choosing not to return and for loss of or damage to property which, under principles of international law or in equity, should be made good by the Governments or authorities responsible.”

Israel’s occupation of Palestine is Illegal.
Security Council Resolution 242, Nov. 22, 1967

Calls for the withdrawal of Israeli forces from territories occupied in the war that year and “the acknowledgment of the sovereignty, territorial integrity and political independence of every state in the area and their right to live in peace within secure and recognized boundaries free from threats or acts of force.”

Israel’s settlements in Palestine are Illegal.
Security Council Resolution 446, March 22, 1979

“Determines that the policy and practices of Israel in establishing settlements in the Palestinian and other Arab territories occupied since 1967 have no legal validity and constitute a serious obstruction to achieving a comprehensive, just and lasting peace in the Middle East.”

Palestinian have the right to Self-Determination.
General Assembly Resolution 3236, November 22, 1974

Affirms “the inalienable rights of the Palestinian people in Palestine…to self-determination without external interference” and “to national independence and sovereignty.”

Reaffirmation of a Palestinian State
Security Council Resolution 1397, March 12, 2002

Affirms “a vision of a region where two states, Israel and Palestine, live side by side within secure and recognized borders.”

UN General Assembly Resolution 181 – the 1947 Partition plan of Palestine and the creation of Israel.

Anónimo disse...

Então cumpriu a resolução 338, que confirma a 242 que manda abandonar os territorios anexados pela guerra. E cumpriu. os factos demonstram-no.
O que é preciso é regressar aos acordos de paz de 93 a uma autoridade palestiniana e com homens de espirito aberto e que não sejam abatidos por amires da vossa laia

O-Lidador disse...

Anónimo, já lhe disse que pode argumentar sem atirar epítetos aos outros.

Contrariamente ao que pensa, não é por repetir insultos que os seus argumentos ganham credibilidade.
Pelo contrário.

Anónimo disse...

ah sim e fez-lhe cocegas que eu tenha colocado ai a lista de resolçoes da onu não cumprida por israel, porque,é lamentavel não é

Anónimo disse...

lista de resoluções da ONU não cumpridas por Israel:
Palestinian Refugees have the right to return to their homes in Israel.
General Assembly Resolution 194, Dec. 11, 1948

“Resolves that the refugees wishing to return to their homes and live at peace with their neighbors should be permitted to do so at the earliest practicable date, and that compensation should be paid for the property of those choosing not to return and for loss of or damage to property which, under principles of international law or in equity, should be made good by the Governments or authorities responsible.”

Israel’s occupation of Palestine is Illegal.
Security Council Resolution 242, Nov. 22, 1967

Calls for the withdrawal of Israeli forces from territories occupied in the war that year and “the acknowledgment of the sovereignty, territorial integrity and political independence of every state in the area and their right to live in peace within secure and recognized boundaries free from threats or acts of force.”

Israel’s settlements in Palestine are Illegal.
Security Council Resolution 446, March 22, 1979

“Determines that the policy and practices of Israel in establishing settlements in the Palestinian and other Arab territories occupied since 1967 have no legal validity and constitute a serious obstruction to achieving a comprehensive, just and lasting peace in the Middle East.”

Palestinian have the right to Self-Determination.
General Assembly Resolution 3236, November 22, 1974

Affirms “the inalienable rights of the Palestinian people in Palestine…to self-determination without external interference” and “to national independence and sovereignty.”

Reaffirmation of a Palestinian State
Security Council Resolution 1397, March 12, 2002

Affirms “a vision of a region where two states, Israel and Palestine, live side by side within secure and recognized borders.”

UN General Assembly Resolution 181 – the 1947 Partition plan of Palestine and the creation of Israel.

Anónimo disse...

Então cumpriu a resolução 338, que confirma a 242 que manda abandonar os territorios anexados pela guerra. E cumpriu. os factos demonstram-no.
O que é preciso é regressar aos acordos de paz de 93 a uma autoridade palestiniana e com homens de espirito aberto e que não sejam abatidos por amires

LGF disse...

Anónimo:

E que tal se respondesses à questão que te pus (se fores capaz, claro)?

Estou sentado à espera da tua resposta...e apenas vejo que foges a dar a resposta como o diabo foge da cruz.

RioD'oiro disse...

... continua a ser o mesmo anónimo-melga.

LGF disse...

"O que é preciso é regressar aos acordos de paz de 93 a uma autoridade palestiniana e com homens de espirito aberto e que não sejam abatidos por amires"

O que é preciso é que expliques o COMO é que se irá regressar a Oslo. Que toda a gente sabe que é preciso regressar aos acordos de Oslo, isso não é novidade.

Eu queria era saber como é que o anónimo iria convencer o Hamas a aceitar os acordos de Oslo, mas como é evidente, o anónimo não sabe.

Por isso, refugia-se no "é preciso regressar aos acordos de paz de 93"... sem explicar o COMO.

É que convencer o Hamas a aceitar a partilha, as resoluções da ONU e o reconhecimento de Israel é quase impossível.

O-Lidador disse...

Caríssimo, veja se, por uma vez, entende o que lhe dizem.

Não utilize adjectivos pretensamente insultuosos quando argumenta.

Exemplo: Fulano argumenta com Beltrano e pretende provar que o vinho tem álcool.

Forma educada e aceitável:
O vinho tem álcool.

Forma inaceitável.
Ó marisco. O vinho tem álcool.

Entendeu o conceito?
Então tenha a bondade de agir em conformidade, se quiser que o respeitem.

Anónimo disse...

O conceito da anexação? aunschlusss forever?
morrer por danzig?

Anónimo disse...

Pois é o lgf, o lidador não me deixa responder. cooooortaattttaaaaa,
Eu ja lhe dei a resposta adequada