quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Um Dia É Dia na União das Aldeias Encantadas



Lugar: Delegação de Atenas da União das Aldeias Encantadas
Presentes:
Papa Euros, grego, 50 anos, reformado.
Papa Gregos, grego, 30 anos, banqueiro discreto.
François Convaincu, francês, 40 anos, político
Fritz Parvo, alemão, 70 anos, parvo.

François Convaincu (amistoso) - "mes amis", estamos reunidos à volta desta mesa porque temos problemas muito sérios para resolver. O Para Euros está zangado com o Fritz Parvo, e o Fritz Parvo está zangado com o Papa Euros.

Papa Euros (desafiador) - Oh François Convaincu, eu não vim aqui para ouvir dizer que o Fritz Parvo está zangado comigo! Não foi para isso que eu te fiz Presidente da Junta aqui de Atenas o que me obrigou a reformar o anterior presidente da junta aos 40 anos. Tu estás aqui para defender a União das Aldeias Encantadas, e isso implica que tens de ser solidário com as Aldeias em dificuldades.

François Convaincu (amistoso) - “mon ami” Papa Euros, pois claro, tens toda a razão, mas não te preocupes, eu é que sou o Presidente da Junta e vou resolver isto. Explica o teu problema.

Papa Euros (aborrecido) - O meu problema é que preciso de comprar um iphone 6G porque o meu iphone 5G caiu na areia da praia. E fui ao supermercado do Fritz Parvo e ele não quer vender fiado. Achas bem?

François Convaincu (espantado) - Oh, mas isso não pode ser! Fritz Parvo, então tu agora não queres vender fiado? Não estás a ser solidário com o Papa Euros e isso vai contra as regras da harmonia na nossa União das Aldeias Encantadas.

Fritz Parvo (paciente) - Sim, pois, mas acontece que ele ainda anda a pagar a prestações o plasma que comprou há três meses, e eu acho que ele não tem dinheiro para me pagar o iphone 6G.

François Convincu (risonho) - ”mon ami” Fritz Parvo, mas isso não é problema. O Papa Gregos, que é banqueiro, empresta dinheiro ao Papa Euros e o Papa Euros fica a pagar o iphone em prestações ao Papa Gregos. Não é assim, “mon ami” Papa Gregos?

Papa Gregos (prestimoso) - Sim, por mim tudo bem, mas como o Paga Euros já me deve as prestações do barco insuflável que comprou para ir à pesca nas ilhas, e também me deve as prestações do iphone 5G que deixou cair na praia, eu agora não tenho mais dinheiro para lhe emprestar.

François Convincu (risonho) - “mon ami” Papa Gregos, mas isso não é problema. Eu, que sou o Presidente da Junta, sei muito bem que tu tens um papel fundamental na manutenção da felicidade na nossa União das Aldeias Encantadas. Então, se não tens dinheiro, o Fritz Parvo empresta-te e tu depois já podes financiar o Papa Euros.

Papa Gregos (serviçal) - E a minha comissão pelo stress de andar a dar crédito a quem sei que não o pode pagar, também recebo?

François Convaincu (risonho) - "mon ami” Papa Gregos, claro que recebes. Não te esqueças que és banqueiro, eu e o Fritz Parvo fazemos tudo por ti!

Fritz Parvo (ligeiramente impaciente) - olha, François Convaincu, eu não sei se isso vai continuar a ser possível porque eu já emprestei muito dinheiro ao Paga Gregos para ele financiar o Papa Euros quando vai comprar ao meu supermercado aqui em Atenas. Além do mais, também empresto dinheiro ao Papa Gregos, para ele emprestar dinheiro a ti, François Convaincu, para tu pagares a reforma do Papa Euros. É que eu começo a ter dificuldades em fabricar plasmas e barcos e iphones e ainda ter de emprestar ao Papa Gregos, ao Para Euros e a ti, François Convaincu. Com isto tudo eu próprio já devo imenso dinheiro ao Deng Pilim e vou ter que lhe pedir mais.

Papa Euros (indignado) – Mas tu és um fascista, é isso que tu és, um nazi igual ao teu avô que passou aqui pela aldeia há 60 anos, partiu tudo e não pagou nada! Tu és uma vergonha, consegues ser mais nazi que o teu avô!

Fritz Parvo (paciente) - Sim, pois, mas também me partiram tudo lá na minha aldeia. E não te queixes porque aquela seguradora americana, a Eisenhower Insurances, pagou a reconstrução das aldeias destruídas a toda a gente, por isso...

Papa Euros (indignado) - Tu não brinques comigo, nazi! Com as praias das ilhas aqui ao lado achas que era possível um homem pegar no dinheiro dos americanos e ir reconstruir alguma coisa? Isso é fácil de dizer para ti, que tens Invernos gelados e que se não fizeres uma casa e semeares no Outono não chegas à Primavera. Aqui tudo é mais difícil, a maior parte do ano podemos dormir na rua e uma cana de pesca traz sempre um peixe agarrado para um pobre grego poder comer.

François Convaincu (sério) - "mon ami" Fritz Parvo, tu tens que moderar essa linguagem nazi que herdaste do teu avô. Não foi para isso que fundaste comigo a União das Aldeias Encantadas. Esta gente aqui passa dificuldades, têm de andar a apascentar ovelhas em terrenos pedregosos, não é como tu que tens vacarias onde podes tirar 50 litros de leite a cada vaca cada vez que carregas num botão.

Fritz Parvo (paciente) - sim, pois, mas as vacarias tive de as construir e as máquinas com botões também.

Papa Euros (indignado) – Continuas com conversas de nazi! Achas que eu posso andar a fazer currais e máquinas para ordenhar ovelhas se o leite que tu envias para aqui é mais barato e ainda me dá tempo para ir todos os dias para a praia nas ilhas, achas? Tu devias estar agradecido por eu comprar o leite das tuas vacas que tu vendes no supermercado que abriste aqui.

Fritz Parvo (paciente) - olha, por falar nisso, nestes últimos meses também não tens pago o leite que tens levado...

François Convaincu (conciliador) - Bem, bem, "mes amis", vamos pôr termo a esta discussão. Olha, Papa Euros, eu vou falar a sós com o Fritz Parvo e depois falamos os dois contigo.


Alguns minutos depois…

François Convaincu (circunspecto) - O Fritz disse-me que vai fechar o supermercado que abriu na tua aldeia. Se quiseres beber leite vais ter de ir ordenhar as tuas ovelhas e se quiseres dinheiro vais ter de baixar os preços e ir tomar conta dos chapéus-de-sol que alugas aos turistas nas praias das ilhas.

Para Euros (indignado) - Grande par de malandros vocês me saíram! E pensar que te escolhi para Presidente da Junta da minha Aldeia...

François Convaincu (circunspecto) - Pois, Papa Euros, mas a realidade, afinal, também se aplica à União das Aldeias Encantadas, apesar de todos os meus esforços para evidenciar o contrário. E houve outra coisa que mudou: o Fritz Parvo agora chama-se Fritz Marco.

2 comentários:

António Pedro Pereira disse...

O outro lado das coisas:
Como um Grego ensina a um Alemão a história das dívidas.
http://aventar.eu/2011/11/07/como-um-grego-ensina-a-um-alemao-a-historia-das-dividas/

Paulo Porto disse...

@APP

Conheço a carta que refere. Acho-a tão ridícula que resolvi meter este post de ridicularização desta gente toda e desta união europeia farsolas e ridícula que está a levar todos os seus membros, ricos e pobres, à ruína.

A carta tem passagens só possíveis a um mentecapto, o que me leva a concluir que o autor é um militante de esquerda, quem sabe até o indignado do post.

Por exemplo:
“Exijo a devolução da civilização que nos roubaram”. Será que é pelo facto de alemães, franceses, ingleses, italianos terem roubado obras de arte da Grécia antiga que os gregos de hoje têm mentalidade de pendura e de penetra? Se for assim, isso explica alguma coisa sobre nós, portugueses. É que, aquando das invasões de Napoleão, os franceses fizeram roubos monumentais de obras de arte portuguesas, e o que não queriam levar partiam - aliás, tema tabu nos livros de história usados para imbecilizar os adolescentes.
Será que é por isso que nós hoje, tal cmo os gregos, somos também somos uns pendurões e uns penetras?
Tenho dúvidas.

Depois a questão das indemnizações é uma delícia. Bem, olhe se os jordanos, os egípcios, os iraquianos ou os iranianos resolvem pedir indemnizações de guerra aos gregos com cálculos de juros de mais de 2000 anos? Não há U.E. nem FMI nem BCE que lhes valham.
Já agora, os gregos podem ameaçar os turcos com pedidos de indemnização; vai ver que eles mudam logo de ideias quanto aas vantagens da adesão aa UE (se é que não mudaram já)

Por fim, os negócios com as empresas alemães; esse assunto vai ficar melhor esclarecido quando o APP ler a carta que o Grego enviou aos alemães em 2007. Se ainda não a tem, vai poder lê-la aqui no FI brevemente.