quinta-feira, 1 de março de 2012

O silêncio da esquerda


Lembro-me muito bem das manifestações, dos artigos, das indignações, das petições, das opiniões, e, em suma, de toda a parafernália mediática que a esquerda europeia , incluindo a portuguesa, desencadeou a propósito da operação israelita em Gaza, em resposta a milhares de granadas e foguetes lançados sobre povoações israelitas.
Era uma "resposta desproporcionada", um "massacre", uma "chacina deliberada", inqualificáveis "crimes de guerra", etc,etc.
Nenhum caramelo dito "de esquerda", deixou de ser ouvido pela comunicação social, amplificando vociferações indignadas e exigindo em altos berros o "cessar fogo" e a "intervenção da comunidade internacional" face à "campanha criminiosa dos sionistas".

Nessa operação as forças de defesa israelitas liquidaram cerca de 700 combatentes confirmados do Hamas e entre 200 e 700 "civis", sendo que os "civis" são aqui uma categoria algo fluida, dado que o Hamas utilizou deliberadamente os "civis" como arma de defesa e ataque, incluindo o uso de um Hospital como QG, ambulâncias para transporte de tropas , e uso intensivo de combatentes com roupas civis.

Veja-se agora o caso da Síria.
Na supressão da revolta contra o Presidente Bashar já terão sido abatidas mais de 7000 pessoas, as notícias dão conta do uso livre de todos os meios contra os revoltosos, estejam eles onde estiverem, com civis ou sem civis.

Se a esquerda de que falamos fosse sincera na sua reclamação como defensora dos direitos humanos, manifestar-se-ia mais, berraria mais, indignar-se-ia mais, escreveria mais, exigiria mais.

Mas, uma vez que não faz nada disso, só há uma conclusão a tirar:

A causa dos sírios não é "fashion", ao passo que a dos "palestinianos" é.

A razão? É que para esta esquerda só são "fashion" as "causas" onde é possível apontar o dedo, ou aos americanos ou a Israel.
Esta esquerda é como aquele bêbado que procura a chave do carro junto a um candeeiro, não porque a tenha perdido ali, mas porque é ali que há luz.

2 comentários:

José Gonsalo disse...

Achei oportuno complementar o seu texto com o do post que publiquei a seguir.
Abraço.

Carmo da Rosa disse...

O - Lidador dise: 'É que para esta esquerda só são "fashion" as "causas" onde é possível apontar o dedo, ou aos americanos ou a Israel.'

Sem tirar nem pôr... Não há americanos, nem israelitas, nem ocidentais a matar, não interessa, não dá certo com a ideologia...