segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Os inimigos da Revolução

A revolução bolivariana já leva quase uma década, e vai desembocando a passo de ganso no pântano onde costumam atolar-se as engenharias sociais socialistas (inflação galopante, escassez de produtos básicos, mercado negro, queda do investimento estrangeiro, progressiva descrença dos cidadãos e paradoxal enriquecimento da nomenklatura de serviço.)
Os porcos triunfam, garante a fábula orwelliana.
A resposta suina está também no guião: perseguição dos inimigos internos, feitos responsáveis pela falência das grandiosas ideias socialistas, doses cavalares de propaganda e, in extremis, a invocação de um inimigo externo.

É dos livros.
Quanto aos inimigos internos e à propaganda, Chavez tem-nos usado com galhardia e generosidade. Os bodes expiatórios servem justamente para expiar pecados e incapacidades.
Em termos de inimigo externo, Chavez não se poupa.
Os EUA naturalmente, afinal trata-se do ogre habitual da mitologia dos idiotas latino-americanos, mas é um tema batido e apesar do reconhecido dom do Tenente-Coronel no métier de farejar enxofre e conspirações gringas em todos os cantos, a generalidade das pessoas já não liga muito aos gritos alarmados sobre o lobo que desta vez é que vem.
A Espanha também ainda serve para excitar as febres nacionais e socialistas sul-americanas, e Chavez bem tentou explorar o filão, mas a resposta seca do Rei de Espanha, sentou-o e deixou-o a ganir, exposto ao ridículo e à mercê da gargalhada do pagode.
Todavia a Espanha e EUA são apenas inimigos de estimação, bons para farroncas verbais e gesticulações ao longe.
E poucos acreditam seriamente que estes países passem as noites em branco e afiar as facas e a planear invadir a chácara do Hugo.

É aqui que entra a Colômbia. O modo como Chavez tem inflamado a retórica contra este país e o facto de se ter colocado ostensivamente do lado das guerrilhas comunistas, especialistas em narcotráfico e sequestros (tudo em nome do bem, do povo e das causas, e essas coisas, claro), é algo de preocupante.
A Colômbia é do mesmo campeonato, faz fronteira com a Venezuela, e um conflito armado oferece uma fuga para a frente ao novo El Comandante, servindo de desculpa para a cada vez mais manifesta incapacidade em criar o prometido paraíso socialista.
Chavez está a escalar a crise até ao ponto em que pode estalar um conflito militar.
Até agora as suas megalomanias têm-se “apenas” traduzido em pouco subtis interferências nos processos eleitorais dos países vizinhos.
Com a Colômbia, o patamar é outro.
Nos últimos tempos Hugo Chavez gastou biliões de dólares na compra de sofisticados sistemas de armas, muito para além das suas necessidades de autodefesa, e tem neste momento em armas, os maiores efectivos da América do Sul, que sobem para cerca de 2 milhões de homens, se contarmos com a milícia “revolucionária”.
É muito pessoal a coçar os tomates.

Com a produção petrolífera a baixar, em resultado da nacionalização e da concomitante falta de investimento, Chavez depende desesperadamente da manutenção em alta dos preços do petróleo.
Um conflito na zona, teria, pelo menos no imediato, um efeito mágico: subida dos preços do petróleo, poder total para o Tenente-Coronel e inflamação dos sentimentos nacionalistas em redor do líder.
É tentador e a Colômbia está a jeito.
Só é pena os gringos

5 comentários:

Range-o-Dente disse...

Suponho que não sejam fábricas dos Estados Unidos que lhe vendem aviões ou os idiotas úteis locais já tinham começado aos guinchos.

Antecipa-se uma enorme quantidade de sucata.

Se aquilo descamba em derrocada, teremos, provavelmente, mais uma crise de refugiados a chegar à Portela (a que os idiotas úteis internos chamarão de "retornados"), com a agravante de não haver exportação de idiotas para o novo país do amanhã que canta - a revolução socialista é boa apenas para os outros.

.

Anónimo disse...

Suinicultura reolucionária. Quando é que esta gente ganha juízo? Não bastou o Stalin? E o Mao? Ou ain da o Pol Pot?
Mais porcaria à moda Fidel?
Draco

Anónimo disse...

Suinicultura reolucionária. Quando é que esta gente ganha juízo? Não bastou o Stalin? E o Mao? Ou ain da o Pol Pot?
Mais porcaria à moda Fidel?
Draco

Anónimo disse...

"apoio do Fidel, do Moralez, do Ortega e mais recentemente do Lulinha, ele deve estar com a "corda" toda..."


O famoso Fórum de São Paulo.
A Mafia dos verdadeiros idiotas latino-americanos....

osátiro disse...

Um ex agente secreto cubano( ou da polícia política...), de seu nome Anton Mario Hernández, refugiado em Miami, "trabalhou" na Venezuela e revelou que o HUguito é totalmente controlado por Cuba, que lhe forneceu 200( isso é que eles têm medo do povo...)guarda-costas; os " voluntários" cubanos que trabalham na Venezuela-e noutros países- estão constantemente vigiados, bem como as famílias em Cuba.
Esses agentes e os FARC têm documentos de identificação Venezuelanos para votar.
Os cubanos só não controlam mais porque ainda não calaram totalmente a oposição.
Enfim,uma democracia...que, ou muito me engano, ou o HUgo bate a bota para se construir um "herói!!!"