sábado, 31 de dezembro de 2011

ISLÃOOOOOOO, ISLÃOOOOOOOOO.....




Para variar das cançonetas socialistas e todas politicamente correctas que os meus colegas de redacção nos habituaram, aqui vai aço: O GRANDE HANS TEEUWEN, o melhor ‘stand-up comedian’ da Holanda. Depois da morte de Theo van Gogh, seu grande amigo, esteve durante uns tempos bastante calado, mas voltou agora, E DE QUE MANEIRA. Aproveitemos enquanto está vivo...

 (Traduzi sem me preocupar com a rima, e isso por duas razões: a primeira é que dá uma trabalheira desgraçada e a outra é que, para rimar, teria que alterar bastante o texto…e neste caso faz todo o sentido perceber literalmente o que ele diz…)  



Islão Islão Islão
A culpa nunca é tua 
nada podes fazer
Basta um desenho
para te fazer estremecer

Tens ainda que aprender
A lidar com liberdade
Aceitar os homossexuais
E a não cascar nas mulheres

Liberta-te
Põe os teus cabelos ao vento
Acaba com as circuncisões
Porque isso é chato para as crianças

Vai apanhar banhos de sol
E fá-lo de preferência nu
Come uma costeleta de porco
com um judeu

Islão Islão Islão
A culpa nunca é tua 
nada podes fazer
Basta um desenho
para te fazer estremecer

etc, etc.

18 comentários:

Streetwarrior disse...

http://www.youtube.com/watch?v=oxvdB2O_kKs&feature=related

Para que o vosso Òdio ao Islão nunca vos abandone, aqui vos deixo um video do maior concerto e do maior moshpit do mundo
Record para o Guiness.

Eh eh eh eh
Só vocês....

Carmo da Rosa disse...

Street, não é bem ódio, trata-se de anti-islamismo primário. Um sentimento muito parecido com anti-comunismo primário, que a rapaziada de esquerda antigamente utilizava para caluniar o falecido presidente checo Vaklav Havel…

. disse...

Conferência
Political and Religious Challenges Facing European Muslims
Tariq Ramadan
5 de Janeiro de 2012, 19h00, Fundação Calouste Gulbenkian (Auditório 2), Lisboa

http://www.ces.uc.pt/eventos/index.php?id=4523&id_lingua=1&pag=4524

http://www.ces.uc.pt/ficheiros2/files/entrevista_Ramadan_Expresso.pdf

Carmo da Rosa disse...

Pois pois Ponto,

O Tariq Ramadan (neto do fundador da Irmandade Muçulmana Hassan al Bana) fartou-se de construir pontes multiculturais - entre o Islão e o Islão - à custa da câmara de Roterdão, até eles descobrirem que o bacano tinha um programa de TV em Inglaterra financiado por Teerão e foi imediatamente posto na rua…

E agora vem vender o peixe dele, infalivelmente halal, na Gulbenkian!

Espero que o Lidador e tantos outros estejam presentes para lhe fazer umas perguntas mais pertinentes que as do Expresso, que essas dão para dormir: é o Jerónimo de Sousa a entrevistar o Fidel Castro…

Sorge disse...

Nem sei como é que o Tariq se atreve a vir a Portugal, sabendo que cá mora o Lidador!!!! Só mostra que estes islamitas são mesmo doidos. Boas boas só as prostitutas de Beit Shemesh! Dá-lhes Carmo da Rosa!

Sorge disse...

E mais, Carmo da Rosa, devia convencer o Lidador a não perder a oportunidade para espraiar publicamente as suas estratégias pentagónicas absolutamente geniais sobre a destruição iminente do Irão e a vitória mundial do sionismo. São impagáveis.

Carmo da Rosa disse...

Sorge: ”Nem sei como é que o Tariq se atreve a vir a Portugal…”

Porque lhe pagam e porque sabe que, sem grande resistência, vai poder divulgar a propaganda do costume: o Islão é uma religião de paz e amor e a Irmandade Muçulmana é o equivalente da Democracia Cristã Europeia!!!

Sorge: ” Só mostra que estes islamitas são mesmo doidos.”

Não, os doidos são os parvalhões dos ocidentais que apoiam e subsidiam o islamo-fascismo. E particularmente o Tariq Ramadan não tem nada de doido, é até bastante inteligente e o campeão do “double-speech”.

Sorge: ”…a destruição iminente do Irão…”

Não é bem a destruição do Irão que se deseja, mas sim a destruição do regime clerical dos mulláhs. E não é só o desejo do Lidador, mas meu também e de milhões de Iranianos, fora e dentro do país.

Sorge disse...

A sério? Então querem destruir o regime dos mullahs no Irão e estão a reabilitar o Mullah Fazl no Afeganistão? Parece-me criativa essa sua interpretação. Sabe que o regime dos mullahs no Irão seria tão tolerável como o dos palhaços sauditas se, como estes, funcionasse como mais uma base americana revestida a petróleo. Aí poderiam fazer as barbaridades que os sauditas fazem às mulheres, entre outras merdas islamo-fascistas, como diz, sem que ninguém arrebitasse cachimbo.
Mas não é o caso. Tem de arranjar desculpa melhor.
Pode ter problemas em concretizar o seu desejo, já que há muitos mais milhões de iranianos, talvez a imensa maioria que, infelizmente para eles, não estão de acordo consigo e não o desejam.

Carmo da Rosa disse...

Sorge: ”Então querem destruir o regime dos mullahs no Irão e estão a reabilitar o Mullah Fazl no Afeganistão? Parece-me criativa essa sua interpretação.”

Mas quem é que lhe disse a si, ou onde leu vossemecê, que eu quero reabilitar alguma coisa, e muito menos os Mullahs do Afeganistão?

Isto equivale, caso fosse uma pessoa mal educada claro, a perguntar-lhe: mas então você leva na peida do seu vizinho de cima, que é feio como um bode, e não quer fazer um linguado com o seu jovem e bonitão professor de ballet? Parece-me assaz estranha essa sua preferência!

Sorge disse...

Preferia-o inteligente a bem educado. Dava mais gozo. O seu chefe pentagónico, aquele que lhe diz o que pensar e escrever, põe-no a si a latir ao Irão e ao "islamo-fascismo" mau e apoia os islamo-fascistas bons nas suas costas. O que vai dar, tenha você disso consciência ou não, no alargamento do seu estreito. O idiota útil aqui é você.

Carmo da Rosa disse...

Sorge: ”O seu chefe pentagónico….”

Claro Sorge, depois da minha resposta você tinha que dizer alguma coisa, nem que fosse esta tentativa chocha de ofensa! Humanamente compreendo perfeitamente.

Você ainda não percebeu bem a coisa. Eu até gostaria de ter um chefe que me ditasse o que escrever, o problema é que os chefes não me querem, nem com molho de tomate – sou demasiadamente imprevisível…

Porque o que escrevo, depende do que estou a beber no momento. Olhe, e neste momento estou a beber uísque – nota o ‘spleen’?

Sorge disse...

Era previsível que dissesse isso.
Sabe que a mim ofende-me o que eu deixo.

Carmo da Rosa disse...

Caro Sorge,

Já reparou que o post trata de um comediante a cantar uma canção e você ainda não disse uma única palavra sobre o assunto?

É claro que não reparou, nem lhe interessa! Na realidade nada lhe interessa, apenas passear a sua cretinice entre Cascais e a Báááxa pá…

Porque se fosse mais espertinho, sabia que a máquina e os programas que você utiliza todos os dias debaixo das sais do anonimato, para chatear quem está com insinuações chochas, mal escritas e repetitivas acerca de estratégias pentagónicas, foi inventada precisamente pelo Pentágono, e posta à sua (e nossa) disposição de borla…

Mas é claro, o menino bem, como todos os meninos bem, é mal-agradecido e tornou-se comunista só para chatear o papá. Mas o papá e a mamã não estão nada preocupados com esta nova moda do menino. Sabem muito bem que o Sorginho não pode passar sem os pubs in da Bááxa e Internet livre, e tão cedo não vai querer ir trabalhar para Cuba ou para a Coreia do Norte… É que nestas terras inóspitas o papá não tem influência…

Sorge disse...

Ouça, cuidado, você é mesmo bom nestas coisas da adivinhação. Adivinho imprevisível… você é dos bons…

Sorge disse...

Já que insiste, a performance do seu comediante não é extraordinária. Para o bem dele esperemos que não haja nenhum terrorista loiro à espreita.

Carmo da Rosa disse...

Sorge: ”a performance do seu comediante não é extraordinária.”

Quer você com isto dizer que ele não tinha lugar entre a mediocridade politicamente correcta que paira na Festa do Avante?

Meu Deus, que sorte que tive em me ter pirado do país nos anos 70, na realidade o país não mudou muito, continua reaccionário, conservador, pedante e sem humor como sempre foi…

Sorge disse...

Parece óbvio que nunca frequentou a Atalaia. Ainda bem para ambos. Stand-up a sério só com o grande Seinfeld. Este seu cómico talvez tivesse lugar naquelas gerais de humor da RTP2 entre o Nilton e o Nilton.

RioD'oiro disse...

"Parece óbvio que nunca frequentou a Atalaia."

Frequento.

Até já lá trabelhei mas ainda na Ajuda.