domingo, 5 de junho de 2011

Comentário de Nicolau Saião ...

... aqui.
Estive para escrever um post. Mas para não dar trabalho ao director, escrevo um comentário, sublinhando que muito do que eu poderia dizer já ele o disse.E de uma maneira exemplar.

Ouvi o discurso de demissão e assumpção da derrota calamitosa de Sócrates. Coroada por frequentes aplausos, o que diz bem do estado, tanto de caracter como de ideologia, a que este partido desceu. Um espectáculo ignominioso de baixeza, de lambe-botiosmo e de falta de vergonha política mas também, é claro e reflectidamente, pessoal desses militantes.

Quanto a Sócrates, mostrou o seu rosto de manipulador, de hipócrita e de falso irmão. Ele, que desprezava claramente os cidadãos que lhe competia governar por bem, e que tripudiava sobre eles com a sua malbaratação e os seus estranhos conluios - que terão de ser convenientemente apurados - veio falar com voz doce e afivelando uma mansuetude e uma grandeza de propósitos que a realidade crua nos diz que nunca teve, que é só cinismo e de mau quilate.

Mas não é só ele que está apodrecido dum ponto de vista político. Também os consabidos áulicos que o rodearam e que ali, na derradeira jaculatória pindérica do líder exibiram os seus perfis de desconchavados governantes ou apoiantes da alta escala,mostraram que este PS é dominado por gente sem grandeza, sem ética humanizada e sem rumo. Desde o aparentemente senil Almeida Santos ao deslustrado Ferro Rodrigues, desde o fantasmal Alegre ao inenarrável Lacão, todos eles fizeram jus a esta coisa simples: vão-se embora quanto antes, desamparem-nos a loja!

Pois nenhum consegiu ter a dignidade de dizer, (de confessar?) esta coisa simples e óbvia: o que os portugueses pricipalmente recusaram e exautoraram não foi a crise, por dura que seja: foi esse indivíduo que agora procura compaixão untuosamente, fazendo-se gentil e colaborativo.

Foi, em suma, tudo aquilo que vós representais - e que é tão desagradável como aquelas imendícies que em certos sítios se nos colam nos fundilhos quando nos sentamos em lixo inoportuno.

Não percebem que a vossa presença política, os vossos sinais, nos são odiosos?

Sem comentários: