sexta-feira, 12 de junho de 2009

ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009


Querendo dar a minha modesta contribuição para a qualidade das próximas eleições, achei por bem dedicar umas cartas (curtas mensagens) abertas com alguns conselhos e críticas positivas aos diferentes partidos nacionais que participaram nas
eleições europeias 2009.



PARTIDO SOCIALISTA: Manifesto Eleitoral
As «Pessoas primeiro» é o lema da campanha do PS às eleições europeias de 7 de Junho. Os candidatos do PS definiram 12 prioridades para a Europa, entre elas, promover o emprego. Para isso, defendem «revalorizar o papel do investimento público e o apoio da UE ao investimento» e a «aplicação determinada da Estratégia de Lisboa». O PS aposta ainda, como prioridade, «construir uma nova Europa Social».

Ana Gomes
Actual deputada europeia. Coordenadora do PSE para os assuntos de segurança e defesa.




Sónia Fertuzinhos
Licenciada em Relações Internacionais. Actual deputada.






Rita Miguel
Arquitecta. Actual deputada






Sim senhora, belas fotografias, todos alinhadinhos de cima para baixo, em que se destaca, ou melhor, eu destaco, a Senhora Ana Gomes (com uma permanente moderna que lhe fica muito bem); a Senhora Sónia Fertuzinhos (deve ser uma senhora muito simpática, ligeiramente tímida o que aumenta consideravelmente o seu charme); a Senhora Rita Miguel (indiscutivelmente o borracho de toda a Social-Democracia, e com uma cabeça tão linda tão linda que devia estar à cabeça da lista).

Bem, meus caros socialistas, vamos lá ao que interessa: “As pessoas primeiro é o lema da campanha”! Então meus caros, o que é que havia de ser primeiro, os autocarros? E depois definiram “12 prioridades”, que é só para serem mais duas que os “10 compromissos” do PPD-PSD - ou lá como eles se chamam!...

E o que é que querem fazer mais?

- promover o emprego
- revalorizar o investimento público
- construir uma nova Europa

E vão pagar estas coisas todas com que dinheiro?
Com o dinheiro do reembolso de despesas abusivas que os militantes do PS durante anos se abotoaram e que agora vão gentilmente devolver ao Estado, como fizeram os vossos colegas em Inglaterra? Será?

“construir uma nova Europa”. Eh pá, vocês não estão bons da bola?
Então esta Europa ainda não está pronta e vossas excelências já querem construir uma nova!!!


PARTIDO NACIONAL RENOVADOR: Participe na mudança

Para o PNR «a Europa prejudica Portugal». Este é, alías o lema do PNR para as eleições europeias de 7 de Junho. Por outro lado, para o PNR, «é escusado engrossar» os grupos políticos europeus. A indicação que dão é o voto «uma voz diferente, ousada e crítica»


O PNR desiludiu-me completamente. Apresenta uma lista de nomes sem fotografia, sem idade, sem profissão – nada. E estava à espera de um programa polémico e controverso e deparo-me com uma proposta tímida, escrita a medo, que não diz coisa com coisa! Resumindo, uma mariquice...

“A Europa prejudica Portugal”. Sim pá, mas prejudica como? Desembucha pá. "é escusado engrossar os grupos políticos", o que é que isto quererá dizer? Será que agora também vão discriminar os gordos? Não querem gente gorda nos partidos políticos, que é para caberem todos no Parlamento Europeu!!!
E chamam eles a isto «uma voz diferente, ousada e crítica»! Quem lhes fosse ao pacote...


Partido Humanista: Manifesto Eleitoral
O Partido Humanista aposta num «futuro em que o valor central seja o ser humano e a metodologia de acção seja a não-violência». Neste sentido defeniram como prioritário o «desarmamento nuclear universal, a partir da iniciativa europeia». O PH defende ainda a retirada «imediata das tropas europeias dos territórios estrangeiros ocupados».

Outra lista sem caras!
Não conhecem o ditado: quem não vê caras, não pode ver corações...
Porque as caras são um espelho da alma, da humanidade, ou desumanidade dos candidatos...

Por isso, meus filhos, tenho muita pena mas vou votar numa cara mais bonita: na jornalista muito gira do MEP. Além disso, vocês são tão líricos tão líricos que me dá vontade de vos bater, de ser violento, sobretudo quando escrevem defeniram em vez de definiram. “O Partido Humanista aposta num «futuro em que o valor central seja o ser humano”, têm a certeza? Não querem apostar no futuro dos marcianos, que hão-de vir, no futuro?



CDU - Coligação Democrática Unitária -PCP-PEV
O PCP considera erradas as políticas seguidas pelo Governo de Portugal e pela União Europeia. Defende políticas alternativas e adianta que neste processo eleitoral o PCP reafirma a vontade de «intensificar a luta pela ruptura com as políticas que conduziram ao desastre económico e social que se vive em Portugal e na União Europeia e combater ilusões assentes em visões federalistas da Europa.»






José Saramago
86 anos
Escritor – Prémio Camões. Prémio Nobel da Literatura
Membro do PCP



Camaradas, vocês são os melhores, mas infelizmente apenas a organizar festas e na quantidade de letras: CDU-PCP-PEV. Para quê tanta letra? Para quê tanta especialização, se somos todos comunistas?


Camaradas, acreditem em mim, não existe nenhuma relação entre a quantidade de letras e o número do votos... Vejam lá se aprendem para a próxima com os finórios modernaços do BLOCO de ESQUERDA: uma coisa curta e eficaz. Como o Obama: ‘YES WE CAN’. Assim é que se ganham eleições.

Aproveito para fazer um apelo ao camarada-nobel-da-literatura, que entende muito de letras, para que, a bem do partido, faça ver este meu ponto de vista na próxima reunião do comité central.

De resto, gostaria de acrescentar que o programa político, como habitualmente, é um pouco repetitivo para o meu gosto. Camaradas, TODA A GENTE (de Cascais a Vladivostok) já está farta de saber que o PCP considera todas as políticas que NÃO tenham sido elaboradas no seio do Comité Central do PCP erradas... Vá lá, arranjem maneira de dizer isto de maneira mais discreta, façam um apelo ao camarada José Saramago....


: Contrato Europeu com os portugueses

Os candidatos do PSD assumiram um compromisso com o eleitorado. Designado como «Contrato Europeu com os portugueses», no documento, são assumidos 10 compromissos. Destaca-se, entre eles, a aposta no emprego, «uma Europa dos cidadãos» e o reforço da coesão económica e social.

As minhas sinceras felicitações pela vitória obtida nas eleições europeias. As minhas felicitações pela apresentação (fotos com os nomes e as idades de todos os candidatos, e com a possibilidade de ver no site o perfil de cada candidato). As minhas felicitações também pelas lindas senhoras (e alguns senhores) com ar simpático que colocaram na lista.

Mas a minha reprovação total para a sigla PPD-PSD, que continuam a utilizar. Parecem os comunistas!!! Para quê tanta letra meu Deus? Três letras chegam e sobram: ou PPD ou PSD...

Eu optaria por PPD, mas vocês é que sabem, porque na realidade o vosso partido não é um Partido Social-Democrata, mas sim um Partido Liberal com muita sacristia à mistura. Social-Democrata é o Partido do engenheiro Sócrates, que cada vez é menos, mas isso é outra história.

O que é que têm contra a designação LIBERAL? Os senhores não têm problemas com a ASAE por utilizar uma designação enganadora?

A quantidade de advogados entre os candidatos é notável, e é certamente por isso que o PROGRAMA político passa a ser um "CONTRATO com os portugueses "– os portugueses que façam o que quiserem, mas eu, advogados e notários acho uma classe parasitária -, ainda por cima no contrato são assumidos 10 compromissos. DEZ! Como os 10 Mandamentos. Eu não digo que o PPD-PSD cheira a água benta que tresanda...

MPT – o partido da terra
O MPT defende maior transparência na tomada de decisão das instâncias europeias. Para isso, defendem que toda a legislação deve passar pelo Parlamento Europeu. Pelas mesma razões afiram que o «Tratado de Lisboa é mau para os povos europeus» e «está morto».


Pedro Quartin Graça Simão José
Presidente do Partido da Terra e deputado na Assembleia da República
46 anos, Advogado





António José dos Santos Ferro
45 anos, (IND), Controlador de Tráfego Aéreo





Não consigo entender o que significa o “M” no MPT! Será Movimento?

Mas Movimento do Partido da Terra é confuso – ou é movimento ou é partido! ‘Maior’ ou ‘Melhor’ Partido da Terra então... Mas antes de ganhar eleições não seria isto demasiado pretensioso?

Os dois senhores na fotografia também não são muito esclarecedores. Um é advogado e o outro é do tráfego aéreo – nada de terras!!!

E o programa (as propostas) apenas fala de transferência de poderes e diz que “o Tratado de Lisboa está morto” – mas nada de terras!!!


PCTP/MRPP: Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses
Para o PCTP/MRPP a Europa vive actualmente uma situação de crise porque «não é uma Europa dos Povos e muito menos uma Europa dos Trabalhadores» mas antes, «a Europa do Capital».


Orlando Alves
Funcionário público na Direcção-Geral das Pescas e Aquicultura. Fez parte dos Comités Ribeiro Santos de 1972 a 1974. É militante do partido desde 30 de Abril de 1974. Já em 1994 e 2004, Orlando Alves foi o cabeça de lista do PCTP/MRPP ao Parlamento Europeu.


Camaradas, o vosso programa é de longe o mais curto. Nota-se que os camaradas não são lá grandes trabalhadores! Mas em poucas palavras é dito o essencial, e isso é que é importante: "A Europa vive uma situação de crise porque é uma Europa do Capital". Creio que os camaradas querem com isto dizer que devíamos seguir o exemplo da Coreia do Norte (paraíso dos trabalhadores), que, sem capital para fazer cantar um cego mas também sem crise, vive actualmente uma situação de crescimento económico nunca visto...
Pelo menos é o que dizem!

Mas camaradas, tenho uma pequena crítica a fazer. A vossa sigla é, do ponto de vista de marketing pura e simplesmente um horror - PCTP/MRPP... Eh pá, vocês não têm olhos na cara? Isto é uma sigla do século 19 meu! Do tempo da Maria Cachucha! Wake up man! Este tipo de siglas já só se usam em países do terceiro-mundo pá, na Turquia, em Marrocos, no Irão...

E para a próxima vez, se não conseguirem arranjar para a fotografia um carismático Grande Educador, do estilo Arnaldo de Matos, ponham uma gaja boa na lista porra, não este gajo das pescas com um currículo excepcional mas com cara de quem está prestes a vomitar porque enjoa no cacilheiro para Almada...


Bloco de Esquerda: Programa eleitoral
O Bloco de Esquerda defende uma ruptura na política europeia, «uma União com coragem para mobilizar os recursos que coloquem a solidariedade e o emprego no centro das políticas europeias».O BE afirma ainda a necessidade de um «novo Tratado, preparado em moldes democráticos, é indispensável para que as instituições europeias respondam à cidadania europeia»


Caríssimos Bloco-esquerdistas, quero em primeiro lugar felicitá-los com o excelente resultado que obtiveram nas eleições europeias. E esta vitória é ainda mais surpreendente tendo em conta que o cabeça de lista, o Sr. Miguel Portas, é um nabo, além disso é um reaccionário misógino que adora culturas exóticas onde se pratica a lapidação e a excisão nas mulheres.

Com todo o respeito, o Sr. Miguel Portas é a versão segunda-apanha da família Portas, ou não será assim? Estou absolutamente convencido que se o Bloco tivesse optado pelo Paulo, o mano inteligente e carismático, teria certamente mais votos, teria possivelmente ultrapassado o PSD... E nas próximas eleições eu certamente votaria no Bloco. Ai votava votava...

Quer dizer, votava se não tivesse lido o vosso programa, mas o programa, ao contrário da sigla, é assaz confuso e incompreensível!!!

“O Bloco de Esquerda defende uma ruptura na política europeia,” dizem vocêses! Mas o que é isto quererá dizer? Pensam seguir a política americana? A política chinesa: metade da economia planificada e outra metade capitalismo selvagem? Acabar com os juros capitalistas e introduzir a sharia, como na Arábia-Saudita? E onde vão arranjar recursos para estes serem depois "mobilizados com coragem"? Novo Tratado? Mais democrático ainda? Isso só na farmácia...


Partido Operário de União Socialista: Plataforma política




Carmelinda Pereira
Dirigente histórica do POUS





Para o POUS, Portugal deve abandonar a União Europeia. Outra proposta é a proibição dos despedimentos. Para se atingir este objectivo, o POUS defende a necessidade «um Governo que adopte um programa de reactivação de todos os sectores de produção, indústria, agricultura e pescas, renacionalizando os bancos e todos os outros sectores estratégicos da economia».


Dona Carmelinda,

O Quarta-Internacional deveria em primeiro lugar dar mais atenção à maneira como expõe a público uma dirigente histórica - com mais respeito. Nunca deveria ter colocado uma fotografia completamente desfocada! Ainda por cima com um microfone a cortar o seu rosto em duas partes, para acabar tapando-lhe metade da boca! Um erro imperdoável que nos bons tempos de Leon Trotsky dava pelo menos 10 anos de Gulag...

Depois a sigla (POUS) também não ajuda à festa. É difícil de pronunciar em português e dá azos a trocadilhos de mau gosto com PUS... Mas ok, compreendo perfeitamente que trotskysticamente falando o “O” é imprescindível. A Dona Carmelinda quer deixar bem claro que aturar operários é o máximo que a sua paciência internacionalista pode suportar – e que isto não é de maneira nenhuma extensivo a gente do campo... Está no seu direito.

Minha senhora, é pena que a apresentação não esteja à altura deste ambicioso programa, ou plataforma política. O POUS não faz a coisa por menos e vai bem mais longe do que as outras formações políticas: “abandonar a União Europeia”; “proibição dos despedimentos”; “nacionalizar os bancos e sectores estratégicos da economia”. Muito bem minha senhora, mas veja lá, a senhora garante mesmo que depois destas medidas Portugal não vai ficar ao nível da Albânia do tempo do senhor Enver Hoxha?


MMS: Declaração de candidatura
O MMS, Movimento Mérito e Sociedade, diz que Portugal tem todas as capacidades para se afirmar na Europa e liderar um processo que transforme o continente europeu num espaço "com qualidade de vida das pessoas, num espaço de liberdade, justiça e segurança, ambientalmente equilibrado.

Carlos Gomes
Licenciado em Gestão de Empresas pelo I.S.C.T.E, Presidente do Grupo Fiat para os mercados da Europa do Sul





Sara Medina
Licenciada em Engenharia Alimentar. Administradora da Sociedade Portuguesa de Inovação





“Portugal tem todas as capacidades para se afirmar na Europa e liderar .....”


O nosso Presidente do grupo FIAT deve ter lido a história de Portugal até D. João II e depois cansou-se – o resto também não interessa muito - e foi mas é vender Fiats. E fez ele muito bem...

A partir da sigla não se percebe muito bem o que se deseja? Que tipo de mérito ou de sociedade, mas pronto, soa bem, e isso é que é importante. Foi certamente imaginado nas horas vagas pelo nosso Presidente, na sua qualidade de licenciado em gestão de empresas para os mercados do sul da Europa...

De qualquer maneira vejo aqui uma dupla jovem, simpática e complementar: ele fabrica Fiats, e ela faz com que a população se alimente de maneira mais racional, para precisamente poderem caber nos Fiats...
Desejo-lhes muito sucesso.


CDS-PP




Apenas uma lista de nomes! Nem fotografias, nem programa! Como é que estes gajos querem ganhar eleições? Lá está, é a lusitaníssima política do ganha fama e deita-te na cama. Lá porque têm de longe o líder mais inteligente pensam que não é preciso fazer mais nada. Seguem o (mau) exemplo da Selecção Nacional de Futebol...


E depois o raio da sigla: CDS-PP!
Ou uma coisa (CDS), ou outra (PP), mas não esta horrível sopa de letras... Já parecem os comunistas com o CDU-PCP-PEV!

Meus amigos, o Bloco é o exemplo a seguir, não o programa claro, mas a simplicidade e a força da sigla.

11 comentários:

O-Lidador disse...

Impagável, caro Cdr.
Você é como o bom vinho...melhora com o tempo.

Só uma achega..o BE tb é trostkysta...o camarada Louçã é todo 4ª Internacional e essas coisas. Estou à espera que o Jerónimo de Sousa lhe dê com a picareta na testa, para cumprir as velhas tradições do internacionalismo proletário.

José Gonsalo disse...

O humor de quem vê a política portuguesa e as respectivas personagens daí, da Holanda, torna-se muito interessante... Bom texto!
Já agora, a propósito da grande dirigente do POUS...
Se no período do PREC o comité central deles cabia num Fiat 600 e três autocarros chegavam para transportar os militantes todos, imagine-se o que será agora...! É claro que a importância das ideias não se pode (nunca se pôde, aliás!) medir pelo número dos que as assumem como suas. Mas a professora Carmelinda sempre me pareceu do mais basicozinho. Por acaso, trabalhava, na altura, numa empresa em que se encontrava também o (nessa altura, pelo menos) companheiro dela. O homem era inenarrável, o chamado "cromo" que, só pelo visual e pela postura física, ninguém, da direita à esquerda, conseguia levar a sério. Quando falava, então, era o completo desastre, aquilo não tinha ponta por onde se lhe pegasse. Pensei cá para comigo: oh Carmelinda, se o que dizes já é o que é e se, ainda por cima, vives com este gajo...
Nunca mais o vi, só estive na empresa mais um ano. Mas a impressão que tenho daquilo tudo continua a mesma: é a de que têm a impressão de que estão vivos, individual e colectivamente, de quatro em quatro anos.
Abraço.

Lura do Grilo disse...

Quase tudo gente simplória. Com boa maquilhagem e unhas dos pés pintadas poderão construir uma nova Europa e quiçá mudá-la para a América Latina. Uma espécie de tectónica de placas movida pela fé do PH no poder do amor e da paz. O BE combaterá os desvios e o PCP põe a cassete com o Zeca.

Hamilcar Borracho disse...

Caro Sr. Carmo Da Rosa. Parece-me que tem toda a razao. Na nossa politica temos que acabar com aquele habito das letras maltratados. Pessoas que percebem algum do mundo, quer dizer, pessoas dos negocios, sabem que dum sabao duma marca como PDD-PDS ou PCP-VVF-TTP (por exemplo) vende-se pouco. É na verdade quase incomprensivel. Os politicos Portugues vivem no nosso mundo nao vivem? Entao nunca descobriram este fascinante sciencia chamada marketing e publicidade? O Saramago nem pensa nisso publicava um livro chamado CDS-PP. Quem queria comprar aquilo? Bem, talvez seria preciso aqui neste blog, ajudar os nossos politicos um pouco. Por exemplo, em vez de PCP, o nome podia ser 'A Felicidade Agora' ou, melhor ainda 'Felicidade'. CDS assim podia transformar em Nao Tenha Medo, Deus Existe (ou, mais uma vez preferavelmente: 'Deus Existe'. É assim é que a gente faz politica. Nao existe differenca nenhuma entre a politica e a sabao.

Sinceremente,

HB

Carmo da Rosa disse...

@ Lura do Grilo: “....construir uma nova Europa e quiçá mudá-la para a América Latina.”

Porquê mudar a Europa para a América Latina?

@ Lura do Grilo: “....movida pela fé do PH”

O que é o PH?

Carmo da Rosa disse...

@ Hamilcar Borracho: “Na nossa politica temos que acabar com aquele habito das letras maltratados.”

Caro HB, temos que acabar com as letras maltratadas em todo o lado, não só na política. Eu inicialmente ia dizer que você também maltrata as letras quanto baste, mas depois dei-me conta que português não deve ser a sua língua mãe, e que muito provavelmente você não se chama Hamilcar Borracho – aliás em português Amílcar escreve-se sem “H”.

Sobre o facto dos nossos políticos não terem ainda descoberto as vantagens do marketing creio que estamos de acordo. No entanto, sou de opinião que vender sabões, apesar de haver muitos pontos comuns, não é precisamente a mesma coisa do que vender um programa político. Mas sou também de opinião que muitos políticos nacionais deveriam vender sabões em vez de política...

@ Hamilcar Borracho: Bem, talvez seria preciso aqui neste blog, ajudar os nossos politicos um pouco. Por exemplo, em vez de PCP, o nome podia ser 'A Felicidade Agora' ou, melhor ainda 'Felicidade'.

Aqui neste blog teria que ajudar também os meus colegas, porque, tal e qual como os políticos, não dão a menor importância ao aspecto, à aparência, ao marketing. Não percebem que não se pode servir ‘foie gras’ embrulhado num jornal como ‘fish and chips’... É um mal nacional!

E eu não quero que o PCP mude de nome, apenas não entendo porque carga de água necessita de mais letras. PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS chega e sobra e está tudo dito.

Range-o-Dente disse...

CdR:

"‘foie gras’ embrulhado num jornal como ‘fish and chips’"

Suculento, meu caro. Suculento. Quero dizer, o 'fish and chips'. O resto, dispenso.

Carmo da Rosa disse...

Range,

Por acaso também gosto de fisch and chips, mas com muita cerveja, mas foie gras é outra coisa...

Assim como ir pelo menos uma vez na vida à Meca, é uma exigência a todo o muçulmano que se preza, assim também comer foie gras e beber um bom tinto deveria ser uma exigência cultural que ninguém se deveria baldar. E aquele que se balde, deveria ser por castigo obrigado a viver algum tempo num país muçulmano, como por exemplo a Arábia Saudita, com todas as consequências que isso acarreta: rezar cinco vezes por dia virado para Meca; beber chá de hortelã com carne (de borrego) à jardineira; secretos de porco preto só em sonhos; e as gajas decentes e boas mais próximas só a 2000 km de distância – em Beirute...

Range-o-Dente disse...

CdR:

"rezar cinco vezes por dia virado para Meca;"

Além do problema das gajas, esta é muito perigosa. O que mais me chateia não é baixar a mona, mas para onde fica o traseiro exposto. Com a falta de gajas, se houver outro secular nas mesmas circunstâncias, o risco é substancial.

Carmo da Rosa disse...

@ Range: “Com a falta de gajas, se houver outro secular nas mesmas circunstâncias, o risco é substancial.”

A falta de gajas, as mesmas circunstâncias, o traseiro exposto são o pão nosso de cada dia dos países muçulmanos! Por isso é que Mahmoud Ahmadinejad diz que no país dele não há homossexuais – ele acha que apenas há NECESSIDADE...

Mas qualquer padre da Beira poderia explicar a este primeiro-ministro que: NÃO HAVIA NECESSIDADE...

Range-o-Dente disse...

CdR:

"Por isso é que Mahmoud Ahmadinejad diz que no país dele não há homossexuais – ele acha que apenas há "

É verdade. E se alguém sentir a 'necessidade' é pendurado nas gruas como mostra a imagem do seu outro post.

Em Portugal, não gramar homos é homofobia. É suposto, mesmo, ser-se admirador do "orgulho" (podia ler-se superioridade ou raça) gay. No Irão os caramelos são triturados e ... é multiculturalismo.