terça-feira, 24 de abril de 2012

ABOLIR A FAMÍLIA


Amor burguês  em quantidades industriais. Ainda a direita se queixa! É preciso ter lata...

Abolir a família! Sim, mas a burguesa ou a chinesa?

A família em geral, ora aqui está uma coisa acertada do esquerdalho pra frentex. Como dizem os holandeses, que sempre foram muito dessas coisas de socialismo, os amigos somos nós que os escolhemos, a família é-nos impingida… Mas não há crise para os que gostam muito de estar em família, porque a grande maioria dos comunas são de direita. Veja-se o exemplo de amor familiar que nos é dado a partir da Coreia do Norte: os Kims devem certamente ter lido o Manifesto do Partido Comunista em pequeninos, mas o mais provável é terem-se esquecido, porque na realidade só têm mesmo confiança na família…

Mas também o Mao - que até gostava à brava de dar umas traulitadas nas secretárias que tinham todas idade para ser suas netas e que sempre o acompanhavam nas suas digressões num comboio privado pela China fora  -  que pouco antes de falecer e num momento de arrependimento burguês se preparava para promover a mulher ao cargo máximo... O Deng Xiauping, que apesar de ter traduzido o Manifesto para mandarim e andar sempre com o Livro Vermelho na algibeira já não ia lá muito à bola do Mao, sempre achou muito mal, lá está, muito pouco família e burguês, a Jiang King ter três amantes ao mesmo tempo (Zang Chunqiao, Wang Hongwen e Yao Wenyuan). Por estas e por outras o Deng não alinhou em modernices e o bando da uma + três são quatro foi parar à cadeia e condenado à morte…

Justiça de direita burguesa

O Mao podia andar aos três meses de comboio pela China fora a comer as secretárias à grande e à francesa (não estou a inventar, tudo isto se pode ler no livro de Li Zhisui, o médico de cabeceira do Grande Timoneiro) e a mulher coitadinha não podia dar umas quecas com uns jovens e ambiciosos marxistas-leninistas!

Que grande burguês este Deng me saiu! 

O que veio a confirmar-se pouco tempo mais tarde, quando se tornou Camarada-Presidente e introduziu o capitalismo selvagem na China. Não contente, ainda introduziu a família chinesa muito burguesa de uma criança só.

 Mas casar na Alemanha (de preferência num Castelo como este em Neuschwanstein) é o último grito em casamento burguês chinês)

Nicolau Ceaucescu com a sua Helena também faziam um lindo par burguês, é verdade… mas há sempre uns cabrões que interpretam o Manifesto à letra e depois dá no que se viu…

E para terminar temos os Castros em Cuba, outros grandes defensores da família. Ultimamente até convidaram o Papa para dar à família burguesa e cristã um cachet que até há pouco esta instituição carecia muito na ilha! Até ouvi dizer - por isso não levem a mal se estiver enganado! – que em Santiago de Cuba as casas de tias é porta sim porta sim! Modernices: um dia destes chega o Fidel a casa depois de mais um enorme discurso e está a mulher em pelotas com um grande charuto nos beiços…

21 comentários:

O-Lidador disse...

Bom texto, a fazer lembrar o bom Vilhena.

Mas ó CdR, já deve ter ouvido falar do Frei Tomás, aquele de quem se diz, ouve o que ele diz, não faças o que ele faz.

Ou, em versão mais séria, a diferença entre uma doutrina e o que cada pessoa faz.

Por exemplo, entre o que o Islão dita e o que cada muçulmano faz.

A doutrina comunista aponta para a abolição da família, tal como o Islão manda fazer e jihad.

Mitos comunistas não agem segundo os canons da doutrina.
E muitos muçulmanos tb não.
E, já agora, muitos cristãos, etc.

Mas isso não serve para desmentir a doutrina.

De resto a "família burguesa", já não está sob ataque frontal dos velhos comunistas à moda antiga.
O ataque agora é mais subtil . Tal como no Isláo, o perigo vem hoje da lenta introdução dos valores islâmicos nas sociedades ocidentais , e na paulatina alteração das leis, o ataque à família é hoje feito segundo a estratégia da famosa Escola de Frankfurt, onde nasceu o marxismo cultural.
Uma longa marcha através das instituições, como a designou Gramsci.

RioD'oiro disse...

Lidador:

"Uma longa marcha através das instituições, como a designou Gramsci."

O espírito revolucionário, tão bem explicado aqui:

http://fiel-inimigo.blogspot.pt/2011/07/nivaldo-cordeiro-anatomia-da-corrupcao.html

Carmo da Rosa disse...

Lidador disse: ”(…) o ataque à família é hoje feito segundo a estratégia da famosa Escola de Frankfurt, onde nasceu o marxismo cultural.”

Deixe lá a doutrina por um segundo e olhe para as fotografias - muito mais importante e menos chato...

Mas como é que a Escola de Frankfurt vai competir com este enorme tsunami de famílias burguesas chinesas? Além disso, e segundo as estatísticas, até na Holanda os casamentos tradicionais burgueses aumentaram nos últimos anos, apesar da Escola de Frankfurt. Talvez mesmo em Frankfurt seja a mesma coisa.

O-Lidador disse...

Com as chinesas?
Nada.
Na China não existe multiculturalismo. Nem no Japão, nem na Coreia do Sul, já agora.

O "enriquecimento" que uma certa esquerda quer fazer crer que advém da importação de "diversidade" (particularmente a muçulaana), não pega por aqueles lados.

A China já não é comunista há muito tempo. É como aqueles cristãos que vão à missa ao domingo, pelo ritual, mas que no resto da semana praticam com galhardia os 7 pecados mortais.

Desde que o velho Deng garantiu que "enriquecer é glorioso".
O que é a China, hoje?
O habitual Império do Meio, como sempre foi, com a diferença que o Imperador se chama hoje "Camarada Secretário-Geral" e os eunucos são a nomenclatura do Partido.
Fora isso, é ipsis verbis.

Quanto à família, se reparar ela só está em desconstrução num certo Ocidente.
Claro que a ofensiva cultural choca de frente com instintos poderosos e uma cultura antiga, mas está a progredir...

Carmo da Rosa disse...

RioD’oiro,

na minha modestíssima opinião o Nivaldo, no link que você aqui enfiou, não explica grande coisa, apenas diz, como eu já tinha comentado na altura: ”que eliminando o comunismo a corrupção desaparece como por milagre!”

Mas nem eu nem um tal Damião, que na altura nos demos ao trabalho de ver o vídeo, obtivemos qualquer tipo de resposta da sua parte! Repare que não é fácil ver o vídeo até ao fim… O Nivaldo não é um gajo bonito, como orador é medíocre, e muitas das vezes a imagem está desfocada!

Só pelo esforço acho que merecíamos uma respostazita, caneco. Também somos filhos de Deus! Para si não sei, mas para mim isto é que é uma atitude tipicamente influenciada pelo marxismo cultural da Escola de Frankfurt: não responder às pessoas que se dão ao trabalho de ler aquilo que publicamos.

Lidador,

Que nem na China, nem no Japão, nem na Coreia do Sul existe multiculturalismo, também eu sei. Provavelmente nem palavra têm para designar um fenómeno que desconhecem e que por enquanto é tipicamente ocidental. Mas não era multiculturalismo o tema do meu post, era A FAMÍLIA TRADICIONAL BURGUESA.

E o que eu quis dizer é muito simples: por muito que a Escola de Frankfurt se esgalhe, na sua tentativa de destruir a família burguesa, nunca vai conseguir parar este enorme tsunami de casamentos tradicionais. A Escola de Frankfurt, provavelmente, nem sequer em Frankfurt tem sucesso…

E você reconhece parcialmente este facto quando diz ”Quanto à família, se reparar ela só está em desconstrução num certo Ocidente.”

Precisamente, num certo, numa camada muito restrita do Ocidente. É uma ideia abusiva, para não dizer ridícula, pensar que na Holanda as pessoas andam sempre a trocar de mulher e organizam orgias aos fins de semana com a família! (Quem dera! Isso passava-se nos anos 60-70 mas, mais uma vez, só em grupos muito restritos da sociedade).

Mas este período já passou e é evidente que deixou marcas, mas “a ofensiva cultural chocou de frente com instintos poderosos de uma cultura antiga” e perdeu. Não está a progredir. (fiz referência a isto no último parágrafo do meu comentário anterior, mas você passou por cima!)

A não ser que você, quando fala em progressão da desconstrução da familia, se refira ao facto de um rapaz e uma rapariga poderem agora viver juntos antes de casar sem que isso choque a família e a vizinhança. Realmente, por cá isso já não é um drama na maioria das famílias - também era o que faltava! Digamos que houve um progresso. Quando as mulheres muçulmanas não precisarem de autorização dos maridos para viajarem, eu vou considerar isso um progresso, e não uma desconstrução da família originada pela terrível Escola de Frankfurt.

Não abordo casamentos gays, nem lésbicas surdas com exigências bizarras porque tudo é minoritário. Não tem peso na sociedade nem nas estatísticas.

RioD'oiro disse...

CdR:

"Mas nem eu nem um tal Damião, que na altura nos demos ao trabalho de ver o vídeo, obtivemos qualquer tipo de resposta da sua parte!"

Naturalmente. A explicação encontra-se abaixo:

"Repare que não é fácil ver o vídeo até ao fim… O Nivaldo não é um gajo bonito, como orador é medíocre, e muitas das vezes a imagem está desfocada!"

Mas então o CdR interessa-se por um assunto em função da beleza do orador e do trabalho do cameraman? O caro sabe que trabalhei em audiovisuais quase 30 anos e sei dessa poda. Mas que interessa o foque ou desfoque quando o que interessa é o que ele diz? Era mais preocupante a qualidade de som que por vezes quase inviabilizava que se percebesse."

"”que eliminando o comunismo a corrupção desaparece como por milagre!”

Desculpe mas isto é uma mania sua: procurar um pentelho que ponha em causa que um careca não é, afinal, careca. Chama-se a isso, na gíria, desconversar e eu tenho pouca pachorra para conversa fiada. Por essa razão não respondo. Acho que só devo responder ao (argumento) que merece.

Carmo da Rosa disse...

Mas que interessa o foque ou desfoque quando o que interessa é o que ele diz?

Aqui está bem resumido o mal da nação: não entender que não se pode separar o corpo da alma. Tudo contribui (positiva ou negativamente) para a aceitação de uma mensagem.

O resultado desta forma de pensar vê-se por exemplo no facto da Inglaterra ter uma cultura gastronómica três furos abaixo da nossa, mas cozinheiros famosos no mundo inteiro, como o James Oliver, a Nigella Lawson e o Heston Blumenthal. A própria Espanha tem o mais famoso, o Ferran Adriá!

Porquê?

Porque a maioria da nossa gente ainda pensa que a forma, a textura, a temperatura e a apresentação dos alimentos não interessa… E enquanto a maioria pensar assim, uma das melhores gastronomias da Europa não vai ter saída.

Isto é válido para todas as coisas. Construção Civil ou vídeo-blogues.

Dizer que “eliminando o comunismo a corrupção desaparece” não me parece um pentelho, é uma afirmação ousada! E conversa fiada é só responder aos argumentos que merecem - naturalmente acríticos e favoráveis. Mas poderia ter utilizado por exemplo estas duas possibilidades:

O Nivaldo é formidável e diz sempre coisas muito acertadas, mas realmente aqui engasgou-se, talvez tenha bebido um pouco mais ao jantar. Pronto, ficava tudo logo resolvido.

Ou então explicar como é que ao desaparecer o comunismo a corrupção desaparece! Opção trabalhosa e chata que compreensivelmente nem sempre temos tempo e ………. pachorra.

RioD'oiro disse...

CdR,

"não entender que não se pode separar o corpo da alma."

Tá bem. O Carmo entretém-e com o voo das abelhinhas e eu fico com o mel.

RioD'oiro disse...

CdR:

"como é que ao desaparecer o comunismo a corrupção desaparece!"

Nada houve no mundo tão corrupto quanto o socialismo e o comunismo. Nada, e nada que se lhe tivesse assemelhado.

Carmo da Rosa disse...

"Nada houve no mundo tão corrupto quanto o socialismo e o comunismo. Nada, e nada que se lhe tivesse assemelhado."

Quer isto dizer que a afirmação do Nivaldo deixou de ser pentelhos ou voos de abelhinhas para ser agora bombardeada a uma coisa muito importante: 'nada que se lhe tivesse assemelhado.'?

O-Lidador disse...

"A não ser que você, quando fala em progressão da desconstrução da familia, se refira ao facto de um rapaz e uma rapariga poderem agora viver juntos antes de casar sem que isso choque a família e a vizinhança"

Não, não me refiro a isso.
Refiro-me ao marxismo cultural, poso em marcha pela Escola de Frankfurt que, desconfio, o primo ainda não se deu ao trabalho de "descobrir".
Refiro-me à paulatina desvalorização moral e legal dos laços.

Coisas do género:

-Classificar de "casamento" toda e qq união, entre qq protagonistas. A ideia é clara: se o casamento é tudo, então não é nada de especial.

-Elevação ética e subsidiação estatal do aborto.

-Paulatina retirada dos filhos do controle familiar, de modo a enculturá-los numa "adequada" cultura supervisionada.

etc, etc ( agora não tenho tempo para mais exemplos)

Tudo isto tem como resultado (e provavelmente como objectivo), o suicidio demográfico e cultural.
Como diziam os cérebros da Escola de Frankfurt, acabar com o predomínio do ocidente, visto como o Grande Explorador, o Grande Bully do Mundo.

Tem de reconhecer que estamos a caminho. Por exemplo, Portugal já não consegue seque renovar gerações e continua galhardamente a pagar integralmente todo e qq aborto. Com prioridade sobre doenças mortais.

Isto tem alguma lógica?
Tem. A de que é politicamente correcto, é "bem".
É essa a vitória da Escola de Frankfurt...fazer substituir os valores antigos por anti-valores que as pessoas passam a acreditar serem os "certos".
E tudo isso nasce em Marx e Engels, como pode confirmar, lendo.

RioD'oiro disse...

CdR,

"Quer isto dizer que a afirmação do Nivaldo deixou de ser pentelhos ou voos de abelhinhas para ser agora bombardeada a uma coisa muito importante: 'nada que se lhe tivesse assemelhado.'?"

A afirmação de Nivaldo é o que sempre foi e que qualquer pessoa entende à excepção dos que tentam tornar o arrdondamento da coisa o assunto fulcral e não a coisa.

Qualquer pessoa, quer dizer, a generalidade dos mortais ou aqueles que percebam que quando A diz que matou B, o importante não é que A tenha uma borbulha na cara.

Carmo da Rosa disse...

Rio,

“A afirmação de Nivaldo é o que sempre foi”, uma bacorada bastante importante no discurso dele, e você, na sua tentativa de fugir pra frente, sem querer confirmou a importância! Mas isso não tem importância. O mais engraçado é a forma como o faz: discurso críptico que normalmente se lê em catálogos de artistas plásticos – daqueles gajos muito de esquerda que falam às árvores, usam rabo de cavalo e calças muito justinhas… (isto das calças justinhas estou a brincar!)

Mas a história das minhas pentilhices é verdade sim senhora. Olhe, ainda hoje fui ao meu texto original retirar uma vírgula que estava a mais. Dirá você, “este gajo não varia bem da moca!” Mas eu acho que é a diferença entre a escola inclusiva de hoje e a quarta-classe do tempo do António das Botas, que eu ainda frequentei. (se descobrir de onde retirei a vírgula, ofereço-lhe outra garrafa de tinto).

PS Descobri outra bacorada do Nivaldo, e esta dá para fazer um post engraçado. A minha grande esperança é que mesmo você se ria, mesmo sabendo que não bebe…

Lidador

Ainda vou responder mas já não tenho mais tempo. Tenho que ir fazer o tacho. Viu ontem aquela merda de jogo? O CR7 y sus muchachos ainda estavam cansados do jogo contra o Barcelona e lixaram-se… Azar do camandro. No tempo do Franco a Federação Espanhola adiava o clássico, e assim, o Real e o Barça chegavam à final com uma perna às costas…

RioD'oiro disse...

CdR:

"você, na sua tentativa de fugir pra frente, sem querer confirmou a importância! Mas isso não tem importância."

Mas o CdR empertiga-se por falta de uma confirmação que não tem importância?

Perguntando de outra forma, uma coisa que não tem importância é importante ser confirmada?

O-Lidador disse...

Uma porra, a eliminação do Real. E ainda por cima tenho um pó do camandro ao Ribery, que é lá do Alá e isso.

E agora foi o Sporting (sou do Benfica, mas sou português)
A època futebolistica deste ano só me dá tristezas.

Quanto à família, amanhã, se tiver tempo, boto aqui alguma faladura e digo alguma coisa mais profunda, para não deixar essa tarefa só ao Gonsalo.

Carmo da Rosa disse...

RioD’oiro disse: Mas o CdR empertiga-se….”

Não, o CdR apenas leva a sério o que os outros dizem. O CdR usa o blog para trocar ideias com outros para aprender alguma coisa. O CdR responde sempre (nem que seja para insultar) aqueles que se deram ao trabalho de deixar um comentário num dos seus posts – a favor ou contra…

E porquê?

Trata-se de uma atitude conservadora e muito reaccionária que já não se usa muito nestes tempos modernaços, e foi influenciada por um sentido de ética que aprendi na quarta-classe – ou foi na segunda? – e que depois foi aperfeiçoada em terras de protestantes.

RioD’oiro disse: ”….uma coisa que não tem importância é importante ser confirmada?”

Digamos que perdeu a importância porque entretanto outros desígnios mais altos emergiram. Ou então a falta de lógica é contagiosa.. Escolha!

PS Mas já viu de onde eu retirei a vírgula? Isso é que é importante. O resto é marrar de forma autista sempre na mesma coisa.

RioD'oiro disse...

Caro CdR:

Estas suas duas frases resolvem o problema:

"O CdR responde sempre"
"perdeu a importância porque entretanto outros desígnios mais altos emergiram"

Como dizia um antigo chefe meu, há coisas que o tempo resolve sem necessidade de se desbaratar o dito recurso.

Carmo da Rosa disse...

Rio,

Um chefe que também foge pr'a frente. Imagino que deve ter sido um inferno...

RioD'oiro disse...

Caro CdR,

O caro tem, quanto a mim, dificuldade em distinguir o acessório do essencial. Eu tenho pouca pachorra para revistas cor-de-rosa.

RioD'oiro disse...

... lembrei-me agora que o caro se chama Rosa.

Carmo da Rosa disse...

Se o essencial é marrar de forma autista, monótona e sem humor sempre sempre sempre sempre nos mesmos temas, eu digo VIVA O ACESSÓRIO...