terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mais um ataque do capitalismo sionista aos direitos dos trabalhadores





Para contrariar a medida revolucionária de estatização global da economia, o regime cubano decidiu despedir milhares de funcionários públicos implementando ainda a medida ultra-neo-liberal que permitam a formação de pequenas empresas.

A medida só pode resultar de infiltrações da CIA e do desenfreado e sionista capitalismo especulativo.

Raul Castro fala em "flexibilização", vector do pesporrento ataque aos direitos adquiridos pelos laboriosos trabalhadores.

Os Cubanos que decidirem formar empresas poderão contratar funcionários que explorarão até à medula numa escravização sem limites e sem direitos. É o retorno ao tempo em que os Estados Unidos exploravam a ilha como um bordel.

Inconscientes de uma medida equivalente ao desembarque dos marines nas praias cubanas e denotando já efeitos da vertigem do lucro, alguns cubanos dizem ser uma boa ideia porque "precisam comer".

O Ministro da Economia, ao serviço do capitalismo de casino, tenta abafar o escândalo declarando que "não se pode falar de reformas. É uma actualização do modelo económico cubano, onde vão primar as práticas económicas do socialismo e não do mercado". Alguns socialistas mais esclarecidos desconfiam que "eles nunca fazem nada para perder. Vamos ver quanto vão cobrar em impostos".

Raul Castro, inconsciente da hiper-produtividade da economia cubana e incapaz de perceber a bondade da redistribuição da riqueza decidiu ainda deixar de subsidiar quem optou por não trabalhar.

Alguns "economistas", certamente picados pelo mosquito do capitalismo das off-shores e do consumismo, pretendem "elevar o poder de compra", para contornar o "mercado negro".

Não há dúvida. Este mundo está perdido. Deverá Chavez enviar os bombardeiros russos para repor nos eixos a revolução aplicando um bloqueio aéreo, naval e até talvez terrestre a cuba?

2 comentários:

DL disse...

Roubei e postei. Abraço.

Carmo da Rosa disse...

Não tarda e vamos ver os americanos a fugir para Cuba...