sábado, 8 de março de 2008

Abaixo a Polícia

Na manifestação de professores a decorrer por esta altura em Lisboa, um grupo de professores de Ourém empunha um cartaz que diz: Não nos intimidamos com as visitas da Polícia.

Ele há coisas ...

Há quem diga que não gostaram que a polícia os visitasse para saber quantos iriam partir para a manifestação.

Ele há coisas ...

Vejamos se terei percebido: a Polícia terá ido à escola para saber quantos viajariam e os professores da escola de Ourém ter-se-ão sentido intimidados.

Nnnnãh! Se calhar não percebi mesmo. Será que ostentam o cartaz para espalharem aos quatro ventos que a presença da Polícia não é suposto intimidar particularmente quem não tem razões para se sentir intimidado? Muito bem. É isso que, justamente, deve ser ensinado na sala de aula: o primado da legalidade e do poder judicial de que a Polícia é braço executivo. Só pode ser isso.

... mas não deixa de ser esquisito ser assunto a arrastar para uma manifestação. Será que se pretende fazer ver ao poder político que a Polícia é bem-vinda à escola? Talvez seja uma consequência da recente onda de criminalidade... talvez!

De outra forma seria intolerável que os professores admitissem, como possível, que um grupo seu, supostamente representativo, tivesse bramido na praça pública um cartaz pondo em causa a Polícia, justamente a entidade longamente reclamada pelos empunhantes como necessária junto às escolas.

Evidentemente que nunca poderia ser o caso. Com que cara iriam esses professores dizer exactamente o contrário a umas quantas turmas?

Ou poderia dar-se o caso mais impensável de todos: que eles dissessem exactamente isso aos alunos. Sim, se o dissessem na praça pública seria difícil encarar a possibilidade de afirmarem o contrário na sala de aula, ou seria gente sem carácter.

... veja-se bem onde vai a minha cabecinha! Eu a pensar que era capaz de dar um par de estalos a um professor de um filho meu que tivesse a lata de, implicitamente, declarar guerra à polícia. Bem, a verdade é que, se fosse o caso, e em coerência, ele nunca reclamaria pela polícia, sua figadal inimiga.

Mas não posso deixar de pensar que, se fosse o caso, seria um par de estalos bem afinfado. Afinal, se a Polícia o intimidasse, que consideração trivial haveria ele de me merecer?

2 comentários:

bob disse...

Lol, hilariante. :)

A mim tb n me intimidam!

Vicissitude(s) disse...

Excesso de Liberdade. Declaradamente.
Juntam merda com mijo, porque uma manifestação daquele gabarito não necessita de supervisão nem encerramento de estradas...

Portanto a polícia foi lá propositadamente intimidar a malta docente, porque o José Estaline Sócrates anda feito um coronel impiedoso e vivemos num clima de repressão etc o mais.

Opá, tenham dó, há regras e a polícia fez senão bem em indagar a quantidade de pessoas que se deslocariam até à metrópole.
Nâo é chegar e invadir o terreiro do paço.