terça-feira, 28 de setembro de 2010

Dia das bruxas

O Presidente da República (PR) de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, resolveu ouvir os partidos políticos e para esse efeito reservou dois dias.

No primeiro dia teve que ouvir dois partidos: o Bloco de Esquerda (BE), o Partido Comunista (PCP) e o Partido Ecologista Os Verdes (PEV).

O BE é um partido da esquerda caviar (absolutamente burguês) que pensa que os ovos são fabricados nos supermercados. É um partido totalitário e fascista a resvalar para a ditadura do proletariado e defende a revolução cultural aos moldes de Mao.

O PCP é um partido totalitário que defende a ditadura do proletariado aos moldes de Estaline.

Tanto o BE como o PCP defendem qualquer política de terra queimada a definir momento a momento. Até que tudo esteja arrasado, altura em que crêem surgirá o "homem novo", tomam as posições que tiverem que tomar, contraditórias ou não com outras anteriormente defendidas, desde que provoquem o máximo de destruição.

O PEV não e um partido, é uma excrescência do PCP criado unicamente para simular uma aliança partidária que permite ao PCP ser ouvido e fazer-se ouvir em duplicado. Tem tido assento na Assembleia da República sempre "coligado" com o PCP e nunca se apresentou a eleições por si próprio.

Foi portanto o dia em que o PR teve que aturar fascistas de pendor mais ou menos nazi, gente que ostenta galhardamente ter tido e mantido estreitas relações com os mais sanguinolentos regimes que o planeta alguma vez viu, gente que continua a suspirar o ressurgimento de tais regimes em Portugal e tomar neles papel cimeiro.

6 comentários:

Carmo da Rosa disse...

Rio,

que o PCP é um partido que defende a ditadura do proletariado aos moldes de Estaline acredito, mas será que ainda haja muitos quadros do partido que acreditam nisso? Não irão, depois de obterem o poder, enganar a classe operária e fazer como fazem hoje os chineses: implementar uma espécie de capitalismo selvagem administrado pelo Estado?

Como é que o Bloco de Esquerda pode ser ao mesmo tempo ‘um partido da esquerda caviar (absolutamente burguês)’ e também ‘totalitário e fascista a resvalar para a ditadura do proletariado’? Não será isto muita areia para a camioneta do Louçã?

Então, se bem compreendi, o PEV é uma espécie de moderno MDP-CDE… Ainda se lembra desta gente? Nos anos setenta havia uns representantes em Amesterdão (e Roterdão) que ficavam muito zangados quando se dizia que eles eram uma apêndice do PCP…

RioD'oiro disse...

CdR,

"mas será que ainda haja muitos quadros do partido que acreditam nisso?"

Os quadros de topo não mas os intermédios (os índios) acreditam como acredita a maioria das bases.

"Não irão, depois de obterem o poder, enganar a classe operária e fazer como fazem hoje os chineses: implementar uma espécie de capitalismo selvagem administrado pelo Estado?"

Não, porque nunca provaram o socialismo real.

"Como é que o Bloco de Esquerda pode ser ao mesmo tempo ‘um partido da esquerda caviar (absolutamente burguês)’ e também ‘totalitário e fascista a resvalar para a ditadura do proletariado’?"

Pura estupidez. É tudo gente bem que encara a ideologia como religião.

"Não será isto muita areia para a camioneta do Louçã?"

Não, porque não tem camionete. Isso de areia é coisa para o bicho mundano. Louçã está na pós-modernidade: se a internet não pode transportar areia, não existe areia.

Carmo da Rosa disse...

@ Rio: ”Não, porque nunca provaram o socialismo real.”

Acha que sim? Mesmo depois do Fidel dizer que a coisa não funciona (nem com ditadura!)? Mesmo depois de saberem que a Coreia do Norte não passa de uma enorme prisão ao ar livre onde se morre de fome? É verdade, já me esquecia, a Rita Rato (que estudou politicologia e é militante do PCP) não sabia nada sobre a Coreia!

Rio, esqueceu-se da última pergunta, sobre o PEV, é ou não é algo assim como o MDP-CDE?

Anónimo disse...

galhardetes educadinhos

RioD'oiro disse...

Caro CdR,

A "esquerda" pelo menos em Portugal, vai-se tornando mais imune à realidade à medida que ela a desmente.

Eu acho que o MDP/CDE, sendo dependente do PCP era mais independente do que o PEV. Repare que o MDP concorreu por si a eleições (e foi, à época, decepcionante). O PEV nunca.

Voltando à "esquerda", é confrangedor ver o nível de estratosfericidade das declarações dos seus dirigentes. Parecem saídos de um estágio de 30 anos de manicómio.

Anónimo disse...

Pois é, há os internos e os externos, os acabados de sair e os que escapam de lá ir parar.