sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Medo da islamização tem razão de ser....

Cartoon de Argus, publicado no De Pers de hoje.


Não me perguntem como, mas o Fiel Inimigo conseguiu um ‘scoop’ do camandro: parte do texto do discurso que Geert Wilders vai pronunciar amanhã no ‘Ground Zero’ em Nova Iorque.

O medo da islamização da Europa tem razão de ser.

Apesar da Europa ser por vezes apenas designada pelo Velho Continente, a verdade é que esta parte do mundo é na realidade o berço da civilização moderna, o centro das mais eminentes formas de arte e cultura no mundo e a personificação da consciência internacional. A Europa, principalmente a Europa Ocidental, desempenha com entusiasmo o seu papel humanista, em que se baseia a sua reputação, na luta contra o subdesenvolvimento dos menos protegidos e fazendo o que pode para acolher de braços abertos as vítimas de injustiças e os perseguidos de ditadores. Se a Europa defende a sua identidade e o seu estilo de vida, ninguém tem o direito de se sentir ofendido. Ela está apenas a defender a democracia e as liberdades individuais contra modelos religiosos, contra uma forma de islamismo.

Para se compreender as exasperadas reacções dos europeus contra o ataque ‘demográfico e cultural’ dos muçulmanos, é preciso ver esta temática com alguma objectividade. Mais uma ou duas gerações e o mundo inteiro, em especial o mundo árabe, vai lamentar o facto da Europa já não ser como era dantes. Porque vai sofrer uma mudança considerável sob a influência da imigração muçulmana. Os europeus têm razão de se preocuparem com este facto. Ponham-se no nosso lugar: não estão também os emirados árabes preocupadíssimos com a influência de emigrantes asiáticos nos seus costumes?

Os ‘guetos’ nas grandes cidades europeias crescem de dia para dia, mulheres cobertas de véus islâmicos é a normalidade, o número de nikabs é cada vez maior e as mesquitas atraem mais crentes do que as igrejas. Segundo parece há já 45 milhões de muçulmanos na Europa, o que não representaria um problema se eles realmente se quisessem integrar. Em vez disso muitos deles apoiam tacitamente os atentados terroristas, os crimes de honra não são uma excepção, e dão a impressão, pela forma com as mulheres são tratadas pela família, que ainda se encontram a viver nos países de origem. É horripilante assistir ao facto de que pessoas originárias de ditaduras militares e religiosas, queiram agora transformar a Europa em algo parecido com o país de onde escaparam…

16 comentários:

Anónimo disse...

Deus, não consintas que eu seja o carrasco que sangra as ovelhas,
nem uma ovelha nas mãos dos algozes.
Ajuda-me a dizer sempre a verdade na presença dos fortes, e jamais dizer mentiras para ganhar os aplausos dos fracos.

Meu Deus ! Se me deres a fortuna, não me tires a felicidade; se me deres a força, não me tires a sensatez; se me for dado prosperar, não permita que eu perca a modéstia, conservando apenas o orgulho da dignidade.
Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas, para não enxergar a traição dos adversários, nem acusá-los com maior severidade do que a mim mesmo.

Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando bem sucedido e nem desesperado quando sentir insucesso.
Lembra-me que a experiência de um fracasso poderá proporcionar um progresso maior.
Ó Deus ! Faze-me sentir que o perdão é maior índice da força, e que a vingança é prova de fraqueza.

Se me tirares a fortuna, deixe-me a esperança.
Se me faltar a beleza da saúde, conforta-me com a graça da fé.
E quando me ferir a ingratidão e a incompreensão dos meus semelhantes, cria em minha alma a força da desculpa e do perdão.
E finalmente Senhor, se eu Te esquecer, te rogo mesmo assim, nunca Te esqueças de mim !

Carmo da Rosa disse...

E finalmente meu Alá
Por eu preces árabes plagiar
Te rogo por tudo quanto há
Por favor não me mandes lapidar!

Anónimo disse...

Quando usamos a Palavra, Deus fica em posição de nada poder nos negar; se oramos
a Palavra, em nossa boca ela se transforma em espada. No mundo espiritual, pela Palavra
decretos são liberados, cadeias são quebradas. Nenhuma barreira existe que não possa
ser destruída quando a Palavra de Deus é usada. Muitos ainda não descobriram o poder
que há quando Deus nos dá uma estratégia que está escrita na sua Carta Magna.

Nausícaa, São Paulo, Brasil disse...

Caro Carmo da Rosa,

Eu fui lá no blog do Geert Wilders, e vi seus 15 minutos de discurso. Muito bom!

Nada do seu "‘scoop’ do camandro", apesar de ser muito instrutivo.

Outra coisa foi a cor verde da gravata que passa uma mensagem confusa para a gente do islão, já que o verde é sua cor desde, ao menos, o tempo de Cervantes.

Mesmo assim, grata pela sugestão de busca.

Anónimo disse...

O medo têm sempre razão de ser, para manter as hordas na linha. Se não é a islamização, é o anthrax, o osama, as armas de destruição massiva e os fornicadores de galinhas. É a arma dos cobardes que têm todos os poderes e os poderes das televisões e jornais e etc ao seu serviço.

Anónimo disse...

Haverá um julgamento final onde Deus destruirá o mal que não se levantará pela segunda vez. Nessa destruição do mal, a ira de Deus será derramada sem mistura de misericórdia. Assim é que o pecado será erradicado da Terra juntamente com o autor do pecado, bem como também todos aqueles que amaram mais o pecado do que a Deus.

Carmo da Rosa disse...

O anonimato é a arma dos cobardes...

Anónimo disse...

O Geert queixa-se do vigor demográfico e cultural do Islão... Mas se os europeus, como ele, passaram a gostar de cuzinhos com pelo, que como se sabe são inférteis, que culpa têm os muçulmanos de não gostarem de coisas esquisitas e de preferirem multiplicar-se ? Culpados de não serem decadentes ? E se os europeus se convertem crescentemente ao Islão, são ou não livres de o fazerem ? Há ou não liberdade e livre concorrência religiosa na Europa ? Então...

Euroliberal

Anónimo disse...

O tímido tem medo antes do perigo; o cobarde, durante; o corajoso, depois.

Carmo da Rosa disse...

"Eu fui lá no blog do Geert Wilders, e vi seus 15 minutos de discurso. Muito bom!"

Nausicaa, você merece uma resposta ao seu comentário, mas tenha alguma paciência ainda volto à carga - vai perceber porquê...

José Gonsalo disse...

"Mas se os europeus, como ele, passaram a gostar de cuzinhos com pelo, que como se sabe são inférteis, que culpa têm os muçulmanos de não gostarem de coisas esquisitas e de preferirem multiplicar-se ?"

Não sabe que a homossexualidade masculina é das "tradições" mais fortes entre os árabes e os islamistas em geral, embora seja punível segundo o Alcorão? E mesmo no Alcorão, basta ver o que é prometido aos escolhidos no Paraíso...
Ora informe-se lá, amigo, e deixe-se de bacoradas.

Carmo da Rosa disse...

@ Euroliberal: ”….passaram a gostar de cuzinhos com pelo”

Euroliberal, já estava com saudades suas!

Com que então só os europeus é que gostam de cuzinhos com pelos? Não queria desiludi-lo mas parece que os muçulmanos até gostam um pouco mais do que os europeus de coisas esquisitas: cuzinhos com pelos e de umas cabrinhas para variar! E isto por duas razões.

A primeira razão é a mesma que na Europa, e trata-se de uma natural tendência homossexual à nascença que abrange uma pequena percentagem da população – tanto muçulmana, cristã ou benfiquista. A segunda é devida à falta de melhor, ou seja, devido às proibições, lapidações e excisões tão típicas ao Islão, a disponibilidade de cuzes sem pelo é assim bastante reduzida…

Toda a gente na Europa é livre de se converter aquilo que quiser, o problema é que no Islão isso não é possível. Ora, se a Europa se tornar islâmica isto tem para si consequências imediatas: nunca mais na vida poderá assinar os seus comentários com o nick Euroliberal (partindo do princípio que é realmente um liberal, o que eu não acredito, mas não tem nada a ver para o caso).

Anónimo disse...

Diz-se haver perversão: onde o orgasmo é alcançado com outros objetos sexuais ou através de outras regiões do corpo onde o orgasmo acha-se totalmente subordinado a certas condições extrínsecas, que podem mesmo ser suficientes, em si mesmas, para ocasionar prazer sexual. Num sentido mais abrangente, perversão tem a conotação da totalidade do comportamento psicossexual que acompanha tais meios atípicos de obter-se prazer sexual.
Definição extensiva às mais diferentes culturas e raças. Os preconceitos e condenações impostas às perversões é que variam consoantes as culturas.

Justo disse...

No tal falso paraíso, o muçulmano tem 80 mil servos, mais de mil vezes mais do que virgens.
Vá-se lá saber para quê.

Carmo da Rosa disse...

"Os preconceitos e condenações impostas às perversões é que variam consoantes as culturas."

Precisamente. Mas como explicar isto sem levar com uma 'fatwa' depois de 2000 anos de cristandade e 1400 de islamismo?

Anónimo disse...

Cada cultura tem os seus "side effects".